20/06/2011 - A Voz do Brasil

A Agência Nacional de Saúde Suplementar publicou hoje uma regra que garante aos usuários de planos de saúde marcação de consultas e outros serviços em um prazo máximo. Consultas básicas para pediatria e ginecologia, por exemplo, terão que ser agendadas em até 7 dias úteis. As operadoras de planos de saúde tem 90 dias, a partir de hoje, para começar a cumprir essa regra. Estão abertas até 24 de junho as inscrições para o Prouni, que oferece bolsas de estudos integrais e parciais em instituições de ensino superior particulares a estudantes de baixa renda. Mais de 250 mil novos postos de trabalho formais foram criados no mês de maio. Desde o início do ano, já foram abertas mais de 1.170.000 vagas com carteira assinada. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, Caged. Tudo isso você ouviu hoje na Voz do Brasil.

audio/mpeg 20-06-11-voz-do-brasil.mp3 — 11943 KB




Transcrição

Apresentadora Adriana Franzin: Planos de saúde são obrigados a marcar consultas mais rápido.

Apresentador Luciano Seixas: Estudantes têm até sexta-feira para concorrer as 92 mil bolsas do Programa Universidade para Todos, Prouni.

Adriana: Brasil gera mais de 1,1 milhão de novos empregos, nos cinco primeiros meses do ano.

Luciano: Segunda-feira, 20 de junho de 2011.

Adriana: Está no ar a sua voz.

Luciano: A nossa voz.

Adriana: A Voz do Brasil.

Luciano: Boa noite! Aqui, nos estúdios da EBC Serviços, eu, Luciano Seixas, e Adriana Franzin.

Adriana: A Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS, publicou hoje uma regra que garante aos usuários de planos de saúde a marcação de consultas e outros serviços em um prazo máximo.

Luciano: Consultas básicas para pediatria e ginecologia, por exemplo, terão que ser agendadas em até sete dias úteis.

Adriana: As operadoras de planos de saúde têm 90 dias, a partir de hoje, para começar a cumprir essa regra.

Luciano: O repórter Adilson Mastelari conversou com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, sobre a norma. Vamos ouvir.

Repórter Adilson Mastelari: A nova resolução garante ao beneficiário de plano de saúde o atendimento com previsão de prazos máximos. Para falar mais sobre isso, eu converso agora com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Ministro, além disso, quais os outros objetivos dessa nova resolução?

Ministro da Saúde - Alexandre Padilha: É exatamente garantir a todos que são usuários de planos de saúde parâmetros de acesso e qualidade, aquilo que é a nossa prioridade no Ministério da Saúde, que estabelecemos como prioridade a ser feita nos primeiros 100 dias, colocamos a resolução em consulta pública, e agora, depois de um grande debate com as operadoras, com a sociedade, representantes de direitos do consumidor, foi possível estabelecer prazos, parâmetros, para que os planos de saúde tenham que cumprir regras de acesso e qualidade a quem paga por esses planos de saúde. Esses prazos variam de 7 até 21 dias, dependendo do procedimento. O plano de saúde tem que garantir que o serviço aconteça no município do segurado. Se ele não tem um serviço credenciado naquele município, tem que garantir que outro serviço o faça ou até reembolsar o segurado, ou garantir o transporte do segurado para o município onde possa ser realizado.

Repórter Adilson Mastelari: Se as operadoras não cumprirem esses prazos, quais são os direitos desse consumidor?

Ministro da Saúde - Alexandre Padilha: São regras que a ANS, que é a agência que regula a situação, pode acompanhar, desde isso contar nos pontos de avaliação de qualidade dos planos até advertências, multas e até descredenciamento. O Ministério da Saúde fiscaliza as normas, através da Agência Nacional de Saúde Suplementar, e a população também pode fiscalizar, através de acompanhamento do site da ANS, da Ouvidoria da ANS, da Ouvidoria do Ministério da Saúde, do próprio Conselho Nacional, Conselhos Estaduais de Saúde.

Repórter Adilson Mastelari: Para fazer reclamações, denunciar o não cumprimento dessas normas, o consumidor deve procurar a Ouvidoria?

Ministro da Saúde - Alexandre Padilha: A ouvidoria da ANS ou a Ouvidoria do Ministério da Saúde.

Repórter Adilson Mastelari: Eu conversei com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Agradeço, ministro, a sua participação na Voz do Brasil.

Ministro da Saúde - Alexandre Padilha: Muito obrigado.

Adriana: Começaram hoje as inscrições para o Programa Universidade para Todos, o Prouni.

Luciano: O programa oferece bolsas de estudos em instituições de ensino superior particulares a estudantes de baixa renda.

Adriana: Podem se candidatar às bolsas integrais alunos com renda familiar por pessoa de até um salário mínimo e meio.

Luciano: As bolsas parciais são destinadas a candidatos com renda familiar de até três salários mínimos por pessoa.

Adriana: O editor da Voz do Brasil Leandro Alarcon conversou com o secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, sobre o Prouni. Vamos ouvir.

Editor Leandro Alarcon: Secretário, quem pode se inscrever no Prouni?

Secretário de Educação Superior do Ministério da Educação - Luiz Cláudio Costa: Na realidade, para se inscrever no Prouni, nós temos algumas condições: ter cursado o Ensino Médio completo em escola pública, ter cursado o Ensino Médio completo em instituição privada, desde que tenha sido bolsista integral da instituição, e, no caso de professor da rede pública de ensino, que ele esteja em exercício no Magistério, na Educação Básica, e que deseje concorrer a essas bolsas, principalmente no curso de Licenciatura normal, superior ou pedagogia - no caso dele, não é considerado o critério de renda. E eu quero lembrar aqui, também, claro, o estudante que tenha feito o Enem de 2010. É uma condição ele ter feito o Enem de 2010, e que tiveram, no mínimo, 400 pontos, na média das cinco notas, e não tenha zerado em redação.

Editor Leandro Alarcon: As inscrições só podem ser feitas pela internet?

Secretário de Educação Superior do Ministério da Educação - Luiz Cláudio Costa: Isso. As inscrições são feitas pela internet, no período de 20 a 24 de junho, em um portal muito amigável, onde o candidato tem todas as informações sobre os cursos que são ofertados, as instituições. Ele precisa do número de inscrição, ele precisa da senha do Enem 2010 e do CPF.

Repórter Leandro Alarcon: Caso ele tenha perdido a senha, como ele faz para recuperar?

Secretário de Educação Superior do Ministério da Educação - Luiz Cláudio Costa: Ele pode... No próprio site do Prouni, ele tem a informação de como recuperar essa senha.

Repórter Leandro Alarcon: E quantas opções o candidato pode fazer na hora da inscrição?

Secretário de Educação Superior do Ministério da Educação - Luiz Cláudio Costa: O candidato tem três opções de cursos de universidade. Então, ele pode fazer três opções lá no sistema. Se ele não for chamado em nenhuma das opções que fez, ele tem ainda a chance na lista de espera, que ele pode manifestar o seu interesse. Essa lista de espera, o período de manifestação de interesse vai ser de 6 a 8 de agosto.

Repórter Leandro Alarcon: Eu conversei com Luiz Cláudio Costa, secretário de Educação Superior do Ministério da Educação. Muito obrigado, secretário.

Secretário de Educação Superior do Ministério da Educação - Luiz Cláudio Costa: Eu que agradeço.

Luciano: A página eletrônica para se inscrever no Prouni é prouniportal.mec.gov.br.

Adriana: E o prazo vai até sexta-feira, 24 de junho.

Luciano: Mais de 250 mil novos postos de trabalho formais foram criados no mês de maio. Desde o início do ano, já foram abertas mais de 1,17 milhão de vagas de emprego com carteira assinada.

Adriana: Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, anunciados hoje, pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Luciano: Segundo o ministro, esse número recorde de contratações reflete a força da economia brasileira.

Ministro do Trabalho - Carlos Lupi: Nós tivemos o maior número de admissões da história do Caged. É o melhor resultado de admissões da história, de todos os meses, 1.912.665, todos, desde que... Há 25 anos que se faz a divulgação do Caged, desde a inauguração, o que mostra que continua muito forte a economia na área laboral, na área do trabalho, contratando muito. E o desligamento, 1.660.598, já foi o segundo maior, que mostra uma grande movimentação, o que mostra o aquecimento, aí, interno da economia brasileira.

Adriana: A expectativa do ministro Carlos Lupi é que o país termine o ano com a geração de 3 milhões de empregos com carteira assinada.

Luciano: A agência de classificação de risco Moody's anunciou hoje uma elevação na nota de risco de crédito da dívida brasileira.

Adriana: Na prática, isso significa que o país é considerado cada vez mais seguro para investidores internacionais.

Luciano: E de acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, essa nota deve melhorar na próxima avaliação que essa agência vai fazer da economia brasileira.

Ministro da Fazenda - Guido Mantega: A Moody's deixa em aberto uma nova revisão de 12 a 18 meses adiante; portanto, parece que as expectativas em relação ao Brasil continuam bastante positivas.

Adriana: Guido Mantega afirmou ainda que a inflação vai fechar o ano abaixo do limite estabelecido pelo governo, que é de 6,5%.

Ministro da Fazenda - Guido Mantega: Continuaremos tomando medidas que forem necessárias para que a inflação permaneça sob controle e deveremos terminar, mais uma vez, o ano de 2011 com a inflação dentro do limite da meta. Se nós fizermos isso em 2011, será o sexto ano consecutivo em que nós cumpriremos a meta, não ultrapassando a margem superior da meta. Este ano, a inflação deverá ficar em torno de 6,15 a 6,2 - portanto, abaixo dos 6,5, que seria o limite superior da meta.

Luciano: Adriana, você já experimentou assistir a televisão com os olhos fechados e tentar entender o roteiro de um filme, por exemplo, apenas se baseando no que consegue ouvir?

Adriana: É complicado, Luciano. Agora, imagina quem só tem essa escolha. É o caso dos espectadores com deficiência visual.

Luciano: Para suprir essa falta, foi criado o recurso da audiodescrição. Com ele, tudo o que se passa na tela, que é importante para a compreensão, como, por exemplo, expressões faciais e gestos dos atores, é narrado por uma gravação.

Adriana: As emissoras de TV com sinal digital deverão disponibilizar, na programação, conteúdos com a audiodescrição.

Luciano: O servidor público aposentado César Ascar tem filmes com esse recurso. Quem nos conta é a repórter Priscila Machado.

- Traição à pátria alemã.

(Olga tira um revólver da sacola, faz um sinal para uma mulher).

- Em relação de segredos de Estado à União Soviética, antiga Rússia.

(Olga levanta e aponta a arma para a cabeça de um policial).

- Mas o que é isso? Guardas, prendam essa mulher.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Nós estamos na casa do César. Ele é servidor público aposentado e deficiente visual. E o César já assiste filmes com o recurso da audiodescrição.

Servidor público aposentado - César Ascar: São poucos filmes que a gente tem disponíveis, e, normalmente, eu preciso de ajuda de alguém que traduza a cena que eu não estou entendendo, porque a maioria deles não tem esse recurso ainda.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): E qual é a vantagem desse recurso?

Servidor público aposentado - César Ascar: É que, quando você pede ajuda a alguém em casa, é uma coisa informal, são pessoas leigas. Aqui não, é um profissional que tenta ser neutro na descrição da cena e não fazer uma interpretação pessoal dele, né?

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): As redes de televisão brasileiras que transmitem em sinal digital vão ser obrigadas a ter, pelo menos, duas horas semanais com conteúdo em audiodescrição. As emissoras de televisão tiveram um prazo de um ano para se adequar à nova norma, e quem não se enquadrar será punido, de acordo com Patrícia Ávila, diretora do Departamento de Acompanhamento e Avaliações de Serviços de Comunicação Eletrônica, do Ministério das Comunicações.

Diretora do Departamento de Acompanhamento e Avaliações de Serviços de Comunicação Eletrônica, do Ministério das Comunicações - Patrícia Ávila: A punição inicial é multa, que varia de cerca de R$ 1.000,00 a R$12.000,00. Caso a emissora reincida, a suspensão seria a segunda penalidade cabível, e, reincidindo na suspensão, a emissora poderia incorrer, inclusive, em cassação da outorga.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): Com o tempo, vai aumentar o número de horas obrigatórias em audiodescrição - de duas horas semanais, em 2011, para 20 horas semanais, em 2020. Gésio Passos, representante do Intervozes, organização que defende o direito à comunicação no Brasil, diz que a obrigatoriedade do audiodescrição é um avanço, mas afirma que o prazo para colocar isso em prática é muito longo.

Representante do Intervozes - Gésio Passos: É muito pouco para atender essa demanda dos deficientes visuais, que é uma demanda histórica, demanda presente na vida desses cidadãos brasileiros, que não têm acesso, que sofrem pela falta desse acesso desse direito.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV questiona que ainda faltam parâmetros técnicos para definir qual conteúdo precisa ter audiodescrição. É o que defende Rodolfo Moura, diretor de Assuntos Legais da Abert.

Diretor de Assuntos Legais da Abert - Rodolfo Moura: O recurso da audiodescrição é um recurso que envolve um custeio muito alto, e nós entendemos que ainda falta mão de obra especializada e qualificada, aqui no país, para atender toda a demanda que vai ser exigida pela... assim que a norma entrar em vigor.

Repórter Priscila Machado (Brasília-DF): A medida que obriga as emissoras brasileiras a usar o recurso da audiodescrição entra em vigor no dia primeiro de julho. De Brasília, Priscila Machado.

Adriana: Hoje, a obrigatoriedade da audiodescrição foi anunciada oficialmente, aqui, em Brasília.

Luciano: A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, afirmou que a ideia é acelerar o prazo para adequação da norma de maneira voluntária pelas emissoras de TV.

Ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República - Maria do Rosário: De 2006 até agora, já houve prazo suficiente para que todas as empresas estejam adaptadas. Num primeiro momento, a programação se restringe a duas horas semanais de programação. Como eu disse, é uma tecla especial no controle remoto, porque a pessoa, ou seja, não fica aberto na rede aberta, é uma opção de quem está vendo a TV ver pela audiodescrição. Então, não prejudica ninguém, só favorece. E, realmente, eu acredito que, com o grau de tecnologia que a TV brasileira tem, de altíssimo nível, uma das melhores do mundo, nós temos plena condição de estar fazendo isso, e até reduzindo prazos, já que, na previsão da portaria, em dez anos, nós teremos programação 24 horas. E a gente acredita que é possível as redes de TV estarem mais num prazo menor, mesmo atendendo mais esse público.

Adriana: Sobre as questões técnicas, o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez, disse que o governo está aberto a negociações.

Secretário-executivo do Ministério das Comunicações - Cezar Alvarez: Há um conjunto de questões em aberto que nós entendemos que são de grande monta, poderemos fazer uma determinada regulamentação, inclusive, sentando com a própria Abert para vermos aqueles temas que precisam ser mais explícitos do que já estão na portaria. Se não for assim, nós vamos tratar de construir, em conjunto, uma aceleração desse processo.

Luciano: Sete e catorze.

“Café com a Presidenta”.

Adriana: Eu seu programa de rádio semanal, “Café com a Presidenta”, Dilma Rousseff afirmou que a construção de 2 milhões de moradias, previstas na segunda etapa do Minha Casa, Minha Vida, ajuda a impulsionar a economia, movimentando fábricas, comércio e o mercado de trabalho.

Luciano: A presidenta explicou que a meta do Minha Casa, Minha Vida 2 é tornar mais fácil a aquisição da casa própria, e explicou quem tem direito ao financiamento.

Presidenta Dilma Rousseff: A partir de agora, a atenção vai ser dada a quem tem renda mais baixa, começando por quem ganha até R$ 1.600,00 por mês. Essas famílias vão ter direito a um subsídio. O governo vai pagar uma parte da compra para essas famílias. Elas só pagarão, essas famílias que ganham até R$ 1.600,00, 10% da sua renda durante dez anos. Para aqueles que ganham de R$ 1.600,00 a R$ 3.100,00, vai ter juros menores e, também, uma parte, o governo vai pagar. Isto significa que até R$ 23 mil da casa o governo pagará. Além disso, para as famílias que ganham entre R$ 3.100,00 a R$ 5.000,00 por mês, haverá juros mais baixos e um fundo que irá garantir o pagamento para os bancos.

Adriana: Trinta e quatro municípios do país vão receber cozinhas comunitárias e bancos de alimentos para atender a população mais pobre.

Luciano: O investimento total é de R$ 14,6 milhões. As cozinhas também vão ser usadas para cursos de culinária.

Adriana: A expectativa é de que elas comecem a funcionar no final do ano que vem.

Luciano: A jornalista Maeva Campos conversou com Antônio Leopoldo Nogueira Neto, coordenador-geral da Secretaria de Segurança Alimentar do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Vamos ouvir.

Repórter Maeva Campos: O que a gente pode dizer que a população desses municípios beneficiados vai ganhar com isso?

Coordenador-geral da Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - Antônio Leopoldo Nogueira Neto: A população vai ganhar um equipamento público, que tem tanto a função de promover o direito à alimentação, especialmente para aquelas famílias que estão em situação de vulnerabilidade. O foco da cozinha é fazer um atendimento às comunidades carentes. As cozinhas, também, devem servir como um espaço de inclusão produtiva e de capacitação profissional na área de alimentação e nutrição. Então, os espaços das cozinhas também são destinados para oferta de cursos na área de panificação, confeitaria, cozinheiro, auxiliar de cozinha, então uma oportunidade de capacitação profissional para inserção no mercado de trabalho, no caso desse edital, especificamente, a gente está trabalhando conjuntamente aí com os municípios que já tinham sido previamente selecionados pelas praças do PAC e pelo Projeto Creches Proinfância, do FNDE, o Fundo Nacional de Educação. E a perspectiva é que essas cozinhas aí, agora, possam ser contratadas até novembro deste ano, ainda, em 2011.

Repórter Maeva Campos: Qual vai ser o valor do investimento?

Coordenador-geral da Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - Antônio Leopoldo Nogueira Neto: Nós estamos financiando aqui 450 mil por cada unidade, esses recursos são direcionados para a construção do prédio, o edifício para as obras, para aquisição de equipamentos e utensílios. A gestão e a manutenção das cozinhas são de responsabilidade das prefeituras. A previsão de atendimento dessas cozinhas, o atendimento mínimo, ou seja, os recursos que estão sendo transferidos, ele leva em consideração aí uma capacidade produtiva de 200 refeições/dia.

Repórter Maeva Campos: Conversamos com o coordenador-geral da Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social, Antônio Leopoldo Nogueira Neto. Obrigada pela participação, aqui, no programa A Voz do Brasil.

Coordenador-geral da Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - Antônio Leopoldo Nogueira Neto: Obrigado a vocês.

Adriana: Sessenta porcento da área do Brasil é coberta por florestas, e o Ministério do Meio Ambiente quer saber, de forma detalhada, o que existe nessas matas.

Luciano: Para isso, vão contar o número de árvores, medir a altura, o diâmetro, identificar as espécies presentes e coletar amostras do solo e das plantas de cada região. Vai ser uma espécie de Censo das florestas.

Adriana: Os dados coletados vão nesse primeiro inventário florestal vão ajudar a elaborar políticas públicas de preservação. Cleide Lopes explica.

Repórter Cleide Lopes (Brasília-DF): As florestas brasileiras ocupam 516 milhões de hectares, cerca de 60% da área do país, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente. Mas, ainda, não existem informações precisas sobre este patrimônio natural. Um Inventário Floresta Nacional será o marco zero dessa espécie de radiografia que o governo fará das florestas. Segundo o Ministério, os dados que serão atualizados a cada cinco anos serão usados na formulação de políticas públicas de preservação. Além de o país avaliar a reserva biológica, será possível saber quanto o Brasil tem de biomassa, um fator importante nas negociações internacionais sobre as emissões de carbono e mudanças climáticas, como explica o gerente do Serviço Florestal Brasileiro do Ministério do Meio Ambiente, Antônio Carlos Hummell.

Gerente do Serviço Florestal Brasileiro do Ministério do Meio Ambiente - Antônio Carlos Hummell: Principalmente, hoje, as florestas, nessa discussão global de mudanças climáticas, tomou uma importância muito grande. Então, é fundamental, para nós, sabermos o que nós temos de biomassa florestal no país, ou seja, de carbono estocado, isso é muito importante para o Brasil nas negociações internacionais sobre mudança de clima.

Repórter Cleide Lopes (Brasília-DF): Em cada ponto de amostra, os técnicos vão contar o número de árvores, medir a altura e o diâmetro, identificar as espécies e coletar solo e material botânico em um raio de até 100 metros de cada planta. Para realizar a coleta de informações, em 21 mil pontos em todo o país, serão investidos R$ 140 milhões até 2015. A ideia é mostrar para a população o valor das florestas. Por isso, de acordo com o coordenador do Inventário, Gilberto Freitas, a novidade desse trabalho é saber qual a relação das pessoas com a natureza.

Coordenador do Inventário Florestal Nacional - Gilberto Freitas: Muitas vezes, as pessoas moram próximas dos recursos florestais, utilizam aqueles recursos, seja para quebrar o vento, seja para proteger o solo, para proteger a água, mas não percebem que aquilo tem um valor que está sendo utilizado por elas. Então, esse levantamento, ele vai perceber, ele vai captar essa importância das florestas e como é que essa importância se caracteriza no espaço, nas diferentes regiões do país.

Repórter Cleide Lopes (Brasília-DF): Santa Catarina foi o primeiro estado a fazer, por conta própria, o Inventário. O Programa Nacional, agora, está sendo em Sergipe, Rio de Janeiro e no Distrito Federal. Os próximos estados da lista do Inventário são Rio Grande do Sul e o Ceará. De Brasília, Cleide Lopes.

Luciano: Até o final deste mês, todos os estados e o Distrito Federal precisam terminar os Planos de Controle de Poluição Veicular, conforme decisão do Conselho Nacional do Meio Ambiente.

Adriana: Esses planos vão ajudar a reduzir a poluição causada por gases que saem do escapamento de carros, motos, ônibus e caminhões.

Luciano: O gerente de Qualidade do Ar do Ministério do Meio Ambiente, Rudolf Noronha, explica por que é necessário adotar esse plano.

Gerente de Qualidade do Ar do Ministério do Meio Ambiente - Rudolf Noronha: O Plano de Controle de Poluição Veicular é um instrumento que os governos dos estados têm para planejar as suas ações voltadas para a melhoria da qualidade do ar. Os principais gases que são emitidos pelos veículos, hoje, no país, é o CO, o monóxido de carbono, o HC, que são os hidrocarbonetos, e o NOx, os óxidos de nitrogênio. São todos gases que são nocivos à saúde da população das grandes cidades, são nocivos ao meio ambiente, eles provocam chuvas ácidas, eles provocam doenças pulmonares, eles agravam os índices de morbidade e mortalidade decorrentes de doenças respiratórias. Espero que todos os estados cumpram a resolução e apresentem esses planos que, certamente, vão trazer um benefício grande para a sociedade brasileira.

Adriana: Ainda de acordo com Rudolf Noronha, a principal ação que pode ser tomada pelos governos estaduais para reduzir a poluição é a inspeção dos automóveis.

Luciano: E a 13ª Semana Nacional sobre Drogas foi aberta hoje, aqui, em Brasília.

Adriana: De acordo com o Ministério da Justiça, até o dia 26 de junho, atividades realizadas em todo o país vão destacar a prevenção como o caminho para enfrentar o consumo das drogas.

Luciano: Hoje, durante abertura da Semana Nacional sobre Drogas, os vencedores do Concurso Nacional Arte e Cultura na Prevenção do Uso de Crack e de Outras Drogas foram premiados.

Adriana: Mais informações em www.mj.gov.br.

Luciano: Cerca de 400 mil estudantes se inscreveram no Sistema de Seleção Unificada, o Sisu, edição do segundo semestre deste ano.

Adriana: O número de interessados é quase o dobro dos que participaram no segundo semestre do ano passado. Na época, foram 230 mil inscritos.

Luciano: As inscrições terminaram ontem, e a lista dos aprovados na primeira chamada será divulgada quarta-feira, dia 22 de junho.

Adriana: O Sisu é um sistema que unifica a oferta de vagas em instituições públicas de Ensino Superior no país.

Luciano: Os aprovados devem fazer a matrícula nas instituições de ensino nos dias 27 e 28 deste mês.

Adriana: Os selecionados para a primeira opção do curso escolhido perdem a vaga se não fizerem a matrícula.

Luciano: No dia 2 de julho, o Ministério da Educação divulga a segunda chamada, com prazo de matrícula nos dias 5 e 6 de julho.

Adriana: A Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação publicou uma portaria que estabelece um período de descanso obrigatório para os médicos residentes que fazem plantões noturnos.

Luciano: Para ter direito ao descanso, o residente deve cumprir, no mínimo, jornada noturna de 12 horas. O repouso será de seis horas e deve iniciar imediatamente após o período de atividade.

Adriana: Não será permitido acumular horas para usar como folga em outros dias.

Luciano: Você ouviu hoje, na Voz do Brasil.

Adriana: Planos de saúde são obrigados a marcar consultas mais rápido.

Luciano: Estudantes têm até sexta-feira para concorrer as 92 mil bolsas do Programa Universidade para Todos, Prouni.

Adriana: Brasil gera mais de 1,1 milhão de novos empregos nos cinco primeiros meses do ano.

Luciano: Esse foi o noticiário do Poder Executivo, uma produção da equipe de jornalismo da EBC Serviços.

Adriana: Siga a Voz do Brasil no Twitter: twitter.com/avozdobrasil. Voltamos amanhã. Boa noite.

Luciano: Fiquem agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite e até amanhã.