21 DE JUNHO DE 2017

Novos acordos vão facilitar comércio e investimentos entre Brasil e Rússia. O compromisso foi firmado hoje em encontro dos presidentes Michel Temer e Vladimir Putin. Empresas e pessoas físicas vão poder negociar dívidas com a Receita e ainda ter descontos. Em 1 ano governo deve evitar prejuízos de R$ 9 bilhões com fiscalização de benefícios sociais.

audio/mpeg 21-06-17_A VOZ DO BRASIL.mp3 — 22537 KB




Transcrição

A VOZ DO BRASIL - 21/06/2017

 

 

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19h00.

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Está no ar a Voz do Brasil. As notícias do governo federal que movimentaram o país no dia de hoje.

 

Airton: Olá, boa noite.

 

Gláucia: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Airton: Hoje é 21 de junho de 2017.

 

Gláucia: E vamos ao destaque desta quarta-feira: novos acordos vão facilitar comércio e investimentos entre Brasil e Rússia.

 

Airton: O compromisso foi firmado hoje em encontro dos presidentes Michel Temer e Vladimir Putin.

 

Presidente Michel Temer: O presidente Putin e eu concordamos também quanto ao potencial ainda a explorar em nosso comércio bilateral. Há espaço igualmente para mais e mais investimentos no Brasil.

 

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje...

 

Airton: Empresas e pessoas físicas vão poder negociar dívidas com a Receita e ainda ter descontos. Nei Pereira.

 

Repórter Nei Pereira: O governo estima que cerca de 200 mil contribuintes participem do programa.

 

Gláucia: Em um ano o governo deve evitar prejuízos de R$ 9 bilhões com fiscalização de benefícios sociais.

 

Airton: E hoje começou oficialmente o inverno. Falamos falar dos cuidados para evitar doenças respiratórias.

 

Gláucia: Hoje na apresentação, Gláucia Gomes e Airton Medeiros.

 

Airton: E para assistir a gente, ao vivo, na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gláucia: Brasil e Rússia abriram hoje novas oportunidades de parcerias e negócios.

 

Airton: Esse é o resultado do encontro do presidente Michel Temer com o presidente russo Vladimir Putin.

 

Gláucia: Os dois presidentes assinaram acordos para que trocas comerciais entre os dois países possam ser facilitadas.

 

Airton: A repórter Taíssa Dias está em Moscou e acompanhou esse segundo dia de visita do presidente Michel Temer ao país russo. Ela conta para a gente os detalhes dos compromissos firmados por lá.

 

Repórter Taíssa Dias: No encontro com o presidente russo Vladimir Putin, Michel Temer lembrou que o Brasil vive um momento de recuperação econômica, cenário favorável à atração de investimentos estrangeiros, citou a queda da taxa de juros nos últimos meses. Segundo ele, o índice, que é atualmente de 10,25%, deve ficar abaixo dos 10% em brevíssimo tempo.

 

Presidente Michel Temer: Eu atualizei o Sr. Presidente Putin sobre o momento de modernização que vive a economia brasileira. Reafirmei o compromisso do meu governo com a nossa agenda de reformas. Tal como a Rússia, o Brasil está voltando a crescer. Tal como a Rússia, o Brasil reconquistou o controle sobre a inflação. A hora, portanto, é de nos aproximarmos cada vez mais.

 

Repórter Taíssa Dias: Os dois presidentes assinaram acordos que eliminam barreiras para promover a ampliação do comércio e de investimentos entre Brasil e Rússia. Um deles vai tornar mais rápida a liberação aduaneira de produtos brasileiros importados pela Rússia. Outro vai possibilitar a troca eletrônica de informações na exportação de produtos entre os dois países, o que vai tornar o processo mais simplificado. É o que explica o secretário da Receita Federal brasileira, Jorge Rachid.

 

Secretário da Receita Federal - Jorge Rachid: Quando uma carga sair do território russo, a aduana brasileira receberá informação e vice-versa. Isso gerencia melhor os riscos do comércio. Estamos visando dar celeridade às operações lícitas. As operações que tenham problemas, essas ficarão mais expostas.

 

Repórter Taíssa Dias: O presidente Vladimir Putin informou que as empresas russas já estão presentes no Brasil, com investimentos que acumulam US$ 1,5 bilhão, e destacou o setor de transportes. Segundo ele, empresas da Rússia nessa área já negociam participar de concessões para construir e operar linhas ferroviárias no Brasil. Temer também conversou com o presidente Putin sobre a cooperação em outras áreas importantes para o desenvolvimento dos dois países, como a psíquica científica e tecnológica, e afirmou que pretende ampliar a utilização do Glonass, um sistema russo de navegação por satélite, que funciona de forma semelhante ao Sistema de Posicionamento Global, o GPS. Existem quatro unidades do sistema no Brasil, em Brasília, Recife e Santa Maria, no Rio Grande do Sul, usadas em pesquisa e proteção mútua de tecnologias dos dois países.

 

Presidente Michel Temer: O nosso objetivo é colocar a parceria com a Rússia também a serviço de nosso progresso científico e tecnológico. Avaliamos também positivamente os resultados obtidos por universidades brasileiras no uso de sistema russo de navegação por satélite, o Glonass, e nós queremos expandir essa experiência.

 

Repórter Taíssa Dias: O encontro entre os presidentes do Brasil e da Rússia também teve o objetivo de fortalecer o diálogo estratégico em temas da agenda política internacional, inclusive nas Nações Unidas, no BRICs, que também conta com Índia, China e África do Sul, e no G-20, grupo que reúne os 20 países com as maiores economias do mundo. Eles estabeleceram um programa de consultas políticas a ser cumprido entre 2018 e 2020 sobre temas bilaterais e multilaterais. Temer ressaltou que os documentos reafirmam as relações já consolidadas entre os dois países. De Moscou, na Rússia, Taíssa Dias.

 

Gláucia: Bem, agora vamos, ao vivo, a Moscou, conversar com a repórter Taíssa Dias. Olá, Taíssa. Boa noite ou bom dia para você? Que horas são aí em Moscou?

 

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): Para mim bom dia, Gláucia. Boa noite para vocês aí no Brasil. Aqui agora é 1h06min da manhã de quinta-feira já.

 

Airton: Taíssa, a agenda oficial do presidente terminou hoje à tarde pelo horário aí de Moscou. Já dá para fazer um balanço da viagem do presidente?

 

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): Olha, Airton, para o governo a avaliação da visita oficial do presidente Michel Temer à Rússia é positiva. Ontem, no primeiro dia da visita, o presidente já tinha dito no seminário sobre investimentos russos no Brasil que o momento é favorável às empresas estrangeiras e que esperava bom resultado da vinda à Moscou. Hoje, depois de cinco acordos assinados entre os dois países, quem conversou conosco e repetiu essa avaliação foi o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira.

 

Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços - Marcos Pereira: Nós consideramos que foi um sucesso a viagem presidencial à Rússia, aja vista que nós assinamos cinco atos e esses atos têm um potencial gigantesco de aumentar a corrente de comércio, porque entre eles nós tivemos um ato do Mdic com a contra parte aqui da Rússia para a facilitação de comércio. A nossa corrente de comércio entre Brasil e Rússia, nos cinco primeiros meses, aumentou em 42% em relação ao ano passado. Por isso que nós consideramos essa viagem um sucesso e consideramos que o Brasil e Rússia vão continuar avançando, sobretudo porque são grandes parceiros do BRICs.

 

Gláucia: E, Taíssa, o presidente Temer também se reuniu com o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev. O que se discutiu nesse encontro?

 

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): Gláucia, o presidente Temer apresentou ao primeiro-ministro o Projeto Crescer, que é o programa de parceria de investimentos do governo brasileiro, e disse que existem mais de 50 setores abertos a investimentos estrangeiros. Nessa reunião, Medvedev propôs ampliar a parceria bilateral em áreas como segurança da informação, cooperação técnico-militar e espacial.

 

Airton: Só uma curiosidade: a Rússia vai ser a sede da Copa do Mundo no ano que vem. Já tem aí aquele clima gostoso de Copa do Mundo?

 

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): Tem, sim. Inclusive a Copa das Confederações, que é considerado o evento-teste para o mundial de futebol, acontece nesse momento aqui na Rússia. Hoje, em Moscou, a seleção russa enfrentou Portugal, mas a anfitriã perdeu por um a zero. O presidente Michel Temer desejou sucesso ao presidente Putin na realização no mundial, disse que a Copa por aqui será tão boa como foi a do Brasil e deu um palpite para a final da Copa do Mundo.

 

Presidente Michel Temer: Será uma Copa do Mundo tão boa como aquela que tivemos no Brasil. A nossa seleção juntou-se aos anfitriões e já garantiu presença no campeonato. Veremos uma grande confraternização entre russos e brasileiros, e, quem sabe, não teremos uma final entre as seleções do Brasil e da Rússia.

 

Repórter Taíssa Dias (ao vivo): O presidente Michel Temer ainda está em Moscou, mas sem agenda oficial. Ele deixa a cidade amanhã, às 9h00 da manhã, e segue para Oslo, capital da Noruega. Eu termino aqui a cobertura na Rússia e nós vamos a Oslo, onde já está o repórter Paulo La Salvia, que tem informações sobre a agenda do presidente lá. Olá, Paulo. Para você é boa noite, né?

 

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Não, Taíssa. Aqui também já é bom dia. Em Oslo, já passou da meia-noite e é quinta-feira. A Noruega está cinco horas à frente do Brasil. E, olha, a temperatura neste momento está baixa, por volta de 15 graus, mesmo sendo verão aqui no país escandinavo. Bem, o presidente Michel Temer desembarca aqui na capital norueguesa nessa quinta-feira por volta de uma da tarde. O principal compromisso de Michel Temer é o encontro com empresários noruegueses. Cerca de 120 empresas do país têm investimentos no Brasil, principalmente no setor de petróleo e gás natural. Já na sexta-feira o presidente tem reuniões com as principais autoridades norueguesas, como a primeira-ministra Erna Soldberg, o presidente do parlamento Olemic Thommessen e o rei Haroldo V. Nesses encontros o presidente vai reforçar a cooperação na área ambiental. A Noruega é o principal incentivador do Fundo Amazônia, criado em 2008 para financiar projetos de desenvolvimento sustentável na região. Eu preparei uma reportagem especial para que você que está nos ouvindo possa entender o tamanho dessa relação entre Brasil e Noruega. Vamos ouvir.

 

Repórter Paulo La Salvia: Um bilhão e trezentos milhões de dólares. Esse é o valor aproximado das trocas comerciais entre Brasil e Noruega no ano passado, de acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O Brasil importa da Noruega fertilizantes, bacalhau, minérios, adubo, cabos de fibra ótica, além de máquinas e equipamentos, e exporta minérios, carnes, couro e produtos agrícolas, como detalha o ministro interino da Agricultura, Eumar Novak.

 

Ministro Interino da Agricultura - Eumar Novak: Nós percebemos que há possibilidade de expandir isso. Eles compram muitas frutas, nós temos potencial para isso. Eles compram carnes, nós temos potencial para estar presente no mercado.

 

Repórter Paulo La Salvia: Para o economista da Escola Nacional de Administração Pública, José Luiz Pagnussat, o país europeu é um mercado promissor para o Brasil.

 

Economista da Escola Nacional de Administração Pública - José Luiz Pagnussat: A capacidade de investimento desse país do norte da Europa de uma forma geral é também uma alternativa para atrair capitais para o Brasil.

 

Repórter Paulo La Salvia: Para o professor de relações internacionais da Universidade Católica de Brasília, Creomar de Souza, além de aumentar o comércio, uma das ideias do governo é aprofundar a cooperação na política externa.

 

Professor de Relações Internacionais da Universidade Católica de Brasília - Creomar de Souza: Aumentar o esforço de uma diplomacia econômica que abra portas de mercados novos para o Brasil e que faça com que investimentos estrangeiros possam afluir com maior capacidade para dentro do país.

 

Repórter Paulo La Salvia: A Noruega fica no norte da Europa, tem pouco mais de cinco milhões de habitantes e uma economia que movimentou no ano passado US$ 376 bilhões.

 

Repórter Paulo La Salvia (ao vivo): Amanhã eu volto com todos os detalhes dessa visita do presidente Michel Temer e os avanços nessa relação entre os dois países. Ao vivo, de Oslo, na Noruega, Paulo La Salvia.

 

Gláucia: E aqui no Brasil foi regulamentado hoje um programa que dá condições especiais para cidadãos e empresas negociarem dívidas com a União.

 

Airton: É, o programa cria descontos que podem chegar a 90% dos juros e 50% nas multas para quem pagar o débito à vista.

 

Gláucia: A adesão pode ser feita a partir do dia 3 de julho.

 

Repórter Nei Pereira: Podem aderir ao Programa Especial de Regularização Tributária as empresas e pessoas físicas que tenham dívidas com a Receita Federal ou que já estão incluídas na dívida ativa da União, vencidas até o dia 30 de abril deste ano. O coordenador-geral de Arrecadação e Cobrança da Receita Federal, Frederico Leite Faber, explica que são três modalidades para o contribuinte quitar as dívidas.

 

Coordenador-Geral de Arrecadação e Cobrança da Receita Federal - Frederico Leite Faber: Nós temos uma modalidade em que o contribuinte, aí no caso empresas, ela paga 20% em até cinco parcelas, né, durante esse ano ainda, agosto a dezembro, e quita o restante com outros créditos que essa empresa possuiu, nós temos uma segunda modalidade que é um parcelamento em até 120 meses e nós temos uma terceira modalidade que tem redução de juros e multas, e nela você tem dois pagamentos à vista até uma modalidade de 150 meses e/ou 180 meses, sendo que quanto mais prazo menor é o desconto nos juros e multa.

 

Repórter Nei Pereira: No pagamento à vista será possível abater 90% dos juros e 50% das multas. Para dívidas com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional o desconto será de 25% nos encargos e honorários advocatícios. O governo estima que cerca de 200 mil contribuintes participem do programa e que podem ser negociados R$ 200 bilhões. Só neste ano a previsão é que sejam arrecadados R$ 10 bilhões. Frederico Leite Faber, da Receita Federal, destaca que todo o processo será feito pela internet.

 

Coordenador-Geral de Arrecadação e Cobrança da Receita Federal - Frederico Leite Faber: Tudo feito pelo sítio da Receita Federal na internet, em prazo se iniciando no dia 3 de julho e encerrando-se no dia 31 de agosto de 2017.

 

Repórter Nei Pereira: O endereço do site da Receita Federal é receita.fazenda.gov.br. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gláucia: 19hs15min, em Brasília.

 

Airton: O inverno chegou em todo o país.

 

Gláucia: É, é hora de tirar o casaco do armário e também se proteger contra doenças respiratórias. A gente vai falar disso daqui a pouquinho.

 

Airton: Auditoria, fiscalização e avaliação contínua de programas sociais.

 

Gláucia: O trabalho do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União, CGU, deve gerar uma economia de R$ 9 bilhões aos cofres públicos.

 

Airton: Esse dinheiro vem do corte de pagamentos indevidos, principalmente Auxílio-Doença, Aposentadorias por Invalidez, Seguro-Defeso do pescador e Bolsa-Família.

 

Repórter Natália Koslyk: Auditorias e fiscalizações do pagamento de benefícios sociais devem evitar um prejuízo de mais de R$ 9 bilhões aos cofres públicos. O trabalho é um esforço conjunto do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União com outros órgãos do governo federal. Funciona assim: a CGU monitora o cumprimento dos requisitos para ter direito a um benefício e no caso de encontrar irregularidades notifica os órgãos para que tomem as medidas cabíveis. O ministro interino da CGU, Wagner Rosário, fala sobre os resultados encontrados.

 

Ministro Interino da CGU - Wagner Rosário: Nós passamos a identificar impropriedades nestes pagamentos e identificamos esses valores aí, em especial valores relativos aos programas relativos a Auxílio-Doença e Aposentadorias por Invalidez, Benefício de Prestação Continuada, o Seguro-Defeso do pescador e o Bolsa-Família, e nós informamos aos Ministérios e esperamos aí que tenhamos um corte de cerca de R$ 9 bilhões.

 

Repórter Natália Koslyk: No caso dos benefícios previdenciários, já foram realizadas mais de 125 mil perícias para verificar a concessão de Auxílio-Doença e Aposentadoria por Invalidez desde o ano passado. Mais de 80% dos benefícios foram cancelados. O secretário Alberto Beltrame, do Ministério do Desenvolvimento Social, destaca a importância da correção das irregularidades.

 

Secretário do Ministério do Desenvolvimento Social - Alberto Beltrame: Quem recebe indevidamente um benefício como o Auxílio-Doença, ele lesa duplamente a poupança dos trabalhadores: lesa porque recebe indevidamente e lesa porque grande período que está recebendo indevidamente ele deixa de contribuir. Então, todas as pessoas que contribuem para a Previdência estão pagando essa conta.

 

Repórter Natália Koslyk: Desde 2012, a suspensão de pagamentos irregulares gerou uma economia de quase R$ 18 bilhões aos cofres públicos. Reportagem, Natália Koslyk.

 

Gláucia: São 10 horas de estudo por dia. Esse é o modelo de ensino em tempo integral, que é uma realidade para estudantes do ensino médio.

 

Airton: Com a reforma proposta pelo Ministério da Educação, o governo envia recursos aos estados para abrir vagas nessa nova modalidade.

 

Gláucia: No ano passado foram ofertadas mais de 260 mil vagas em escolas públicas e, agora, uma nova portaria autorizou mais 257 mil vagas. Ao todo já são 830 mil em todo o país.

 

Airton: Nossa equipe foi a uma escola aqui em Brasília que adotou o modelo. Os alunos estão gostando da experiência.

 

Repórter Luana Karen: Desde fevereiro, a estudante Karine Hillary entra na escola às 7h15 da manhã e só sai às 5h15 da tarde.

 

Estudante - Karine Hillary: É bastante legal porque a gente tem alguns horários de OE, que é Orientação Educacional, e a gente tem a chance de os alunos realmente um ajudar o outro. Então, eu acho que facilita bastante.

 

Repórter Luana Karen: A escola em que Karine estuda começou a colocar em prática este ano o ensino integral. Com horário estendido, os alunos passaram a participar de projetos de leitura, raciocínio lógico, dança e método de estudo, por exemplo. O diretor Fabian Garzon explica que a escola teve de passar por adaptações para oferecer o novo modelo. Mesmo com os desafios, ele acredita que o ensino integral é mesmo o melhor caminho.

 

Diretor de Escola - Fabian Garzon: Esse aluno que no período vespertino ficava em casa, o tempo todo no computador, com muito tempo ocioso, inclusive na rua, eles agora estão ficando aqui, sendo assistidos aqui na escola, né?

 

Repórter Luana Karen: Nos próximos anos, outras instituições devem começar a implementar o ensino em tempo integral. É que o Ministério da Educação autorizou que os estados ofereçam 257 mil novas vagas para tempo integral no ciclo 2018/2020. As escolas que aderirem ao modelo vão receber R$ 2.000,00 por aluno por ano durante 10 anos. O investimento do MEC na expansão do ensino integral deve chegar a R$ 1,5 bilhão até 2020, recurso que poderá ser usado em melhorias na infraestrutura das escolas e na formação de professores. É o que explica o Wisley João Pereira, coordenador-geral de Ensino Médio do Ministério da Educação.

 

Coordenador-Geral de Ensino Médio do Ministério da Educação - Wisley João Pereira: Você precisa fazer adequações na logística como refeitório, manutenção, laboratório, para adequar aquele espaço escolar para que ele seja um espaço escolar de tempo integral.

 

Repórter Luana Karen: O estudante Alisson Araújo quer ser professor de geografia ou seguir carreira militar. No começo ele estranhou a mudança para ensino integral, mas agora acredita que o tempo a mais na escola vai ajudá-lo a realizar o sonho profissional.

 

Estudante - Alisson Araújo: Querendo ou não eu estou na escola e estou adquirindo mais conhecimento. Então, está me ajudando.

 

Repórter Luana Karen: A meta do Plano Nacional de Educação é oferecer ensino integral em 50% das escolas públicas e para 25% dos estudantes até 2024. Reportagem, Luana Karen.

 

Gláucia: 19hs20min, em Brasília.

 

Airton: Hoje começou oficialmente o inverno no Brasil. Várias regiões do país já registram temperaturas mais frias e muita chuva.

 

Gláucia: E é nessa estação do ano que aumentam os casos de doenças respiratórias.

 

Airton: É por isso que hoje também é o Dia Nacional de Prevenção à Asma, uma doença que afeta mais de seis milhões de brasileiros adultos, segundo o IBGE.

 

Gláucia: A doença tem tratamento na rede pública de saúde e os remédios são oferecidos de graça na Farmácia Popular.

 

>> "Tosse".

 

Repórter Beatriz Amiden: O frio chega e com ele a tosse da Ana Clara também. Aí a mãe, a costureira Ana Maria, já sabe que a filha vai ter mais uma crise de asma. A pequena só tem sete anos, mas sofre com o problema desde muito cedo, e quando está em crise conta que não pode fazer quase nada.

 

Criança Portadora de Asma - Ana Clara: Eu fico cansada e não consigo brincar. Eu não posso brincar com areia por causa dessa tosse.

 

Repórter Beatriz Amiden: A Natália Oliveira, de 16 anos, irmã da Ana Clara, também tem asma desde bebê. A adolescente já se adaptou as limitações que a doença traz e anda com o que ela mesma chama de kit dentro da bolsa.

 

Adolescente Portadora de Asma - Natália Oliveira: Eu sinto que o meu peito está me sufocando com falta de ar, não consigo respirar, tenho que vir com a bombinha.

 

Repórter Beatriz Amiden: Muitos remédios que a Natália e outros pacientes usam para controlar as crises de asma estão disponíveis de graça na Farmácia Popular. Basta levar a receita médica e um documento do paciente. Com duas filhas asmáticas, a Ana Maria garante que poder receber os remédios sem pagar nada faz a diferença na vida da família.

 

Costureira - Ana Maria: Ah, já é um dinheirinho que eu gasto para fazer outra coisa, né? O dinheiro que eu ia comprar o remédio, eu compro alimentos para elas, para fazer um café da manhã, já dá para fazer o almoço, alguma coisa assim, outras coisas.

 

Repórter Beatriz Amiden: Alguns cuidados simples com a casa e o tratamento adequado da doença são essenciais para controlar as crises e oferecer ao paciente mais qualidade de vida. É o que explica a pneumopediatra Carla Martins.

 

Pneumopediatra - Carla Martins: Tem que evitar bicho de pelúcia, evitar ficar com cheiros fortes, de preferência encapar colchão, encapar travesseiro, limpar a casa antes de dormir, mas evitar esses perfumes, né, coisas muito perfumadas.

 

Repórter Beatriz Amiden: O programa Farmácia Popular do governo federal tem mais de 35 mil estabelecimentos credenciados em todo o país. Reportagem, Beatriz Amiden.

 

Airton: Os Correios estão lançando uma solução para a entrega de encomendas em condomínios residenciais sem portaria.

 

Gláucia: Isso significa que quem compra pela internet, mas tem dificuldade para receber os produtos porque não tem porteiro, vai poder contar com as caixas de correio inteligentes.

 

Airton: Funciona assim: o carteiro faz a sua identificação no equipamento instalado pelos Correios no condomínio e por meio de uma chave eletrônica seleciona o compartimento do pacote e informa o número do apartamento do destinatário.

 

Gláucia: Ao chegar em casa, o morador se identifica utilizando também uma chave eletrônica e o equipamento libera o acesso ao compartimento, permitindo a retirada do objeto com comodidade e segurança.

 

Airton: Num primeiro momento as caixas de correio inteligentes estarão disponíveis em alguns bairros de São Paulo e Porto Alegre, e na cidade de Curitiba também. Para saber os locais acesse o endereço na internet: correios.com.br.

 

Gláucia: Essas foram as notícias do governo federal.

 

Airton: Fique agora com o Minuto do TCU e, em seguida, a notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Gláucia: Boa noite para você e até amanhã.