22/12/2016 - A Voz do Brasil

Presidente Michel Temer anuncia modernização das leis trabalhistas. Inflação para 2016 fica dentro da meta estipulada pelo governo. Cerca de 39 milhões de residências no Brasil possuem acesso à internet. Tudo isso você ouviu nesta quinta-feira em A Voz do Brasil!

audio/mpeg 22 12 2016 - Voz do Brasil.mp3 — 23826 KB




Transcrição


A Voz do Brasil - 22/12/2016


 
 
 "Atenção, radialistas de todo o Brasil. É hora de noticiar os fatos que ajudam a construir um novo país. Direto dos estúdios da Empresa Brasil de Comunicação, em Brasília, vem aí a Voz do Brasil."

 

Apresentador Airton Medeiros: Em Brasília, 19 horas.
 
 "Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."
 
 Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite.
 
 Airton: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.
 
 Gláucia: Quinta-feira, 22 de dezembro de 2016.
 
 Airton: E vamos ao destaque do dia: Dez milhões de trabalhadores vão poder sacar o FGTS de contas inativas. Paola de Orte.

 

Repórter Paola de Orte: O presidente anunciou que os trabalhadores poderão sacar todo o saldo de contas do FGTS que estavam inativas até 31 de dezembro de 2015.

 

Gláucia: Michel Temer também anuncia a redução de juros do cartão de crédito a partir do ano que vem.

 

Aírton: Ouça também na Voz do Brasil de hoje:

 

Gláucia: Reforma trabalhista. Proposta prevê mudanças para ampliar a oferta de emprego no país. Medidas foram discutidas entre empresários e trabalhadores.

 

Presidente Michel Temer: Se eu estou falando que aqui foi possível aliar trabalhadores e empresários, por que não dizer que, a partir desse Natal, nós conseguiremos unir todo o Brasil e todos os brasileiros?

 

Aírton: E assina medidas que prorroga programa de seguro ao emprego, para evitar demissões.

 

Gláucia: Vamos falar ainda sobre como a tecnologia está mais presente na vida dos brasileiros. O grande responsável é o celular.

 

Airton: Na apresentação da Voz do Brasil, Gláucia Gomes e Aírton Medeiros.

 

Gláucia: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta clicar www.voz.gov.br.

 

Airton: Dez milhões de trabalhadores vão poder sacar o FGTS de contas que estão inativas.

 

Gláucia: O anúncio foi feito hoje pelo presidente e tem o objetivo de ajudar cidadãos endividados a saldar dívidas.

 

Aírton: E não é só isso, não. O governo também vai trabalhar em iniciativas para baixar os juros do cartão de crédito.

 

Repórter Paola de Orte: O presidente anunciou que os trabalhadores poderão sacar todo o saldo de contas do FGTS que estavam inativas até 31 de dezembro de 2015. Os saques liberados vão beneficiar mais de 10 milhões de brasileiros e movimentar mais de R$ 30 bilhões na economia.

 

Presidente Michel Temer: É uma injeção de recursos que vai movimentar a economia e equivale, pelos cálculos do Planejamento, a cerca de 0,5% do PIB. E sem pôr em risco a própria solidez do FGTS, que, vocês sabem que os valores do FGTS se destinam à habitação popular, a saneamento, mobilidade.

 

Repórter Paola de Orte: Outro anúncio feito pelo presidente foi em relação aos juros do cartão de crédito. A ideia é que o crédito rotativo do cartão, que é quando se faz o pagamento do valor mínimo da dívida, e o parcelamento do restante, com juros mais altos, só possa ser utilizado por até 30 dias. A partir daí, a dívida será parcelada, utilizando taxas de juros mais baixas, o que deve contribuir para que as famílias endividadas possam saldar mais facilmente suas contas. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deu os detalhes da medida.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: Hoje existe muitas vezes um incentivo do cartão para o consumidor continuar neste crédito rotativo muito mais longo. Então a ideia é que isso seja limitado a 30 dias e, a partir daí, isso é transformado num crédito parcelado.

 

Repórter Paola de Orte: Michel Temer também fez um balanço dos primeiros sete meses da gestão dele como presidente da República. Ele lembrou a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição, que coloca um teto para o aumento dos gastos do governo, e também a reforma da previdência, que já foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

 

Presidente Michel Temer: Aprovada a PEC, o teto dos gastos públicos, durante meses discutiu-se uma revisão previdenciária. E, ao final, nós remetemos esta matéria para o Congresso Nacional, que, convenhamos, é o palco próprio para discutir as grandes questões nacionais.

 

Repórter Paola de Orte: Durante o café da manhã, o presidente comentou programas sociais, que, de acordo com ele, foram fortalecidos ao longo do ano, como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. O presidente também lembrou outras medidas do governo, como o lançamento do Cartão Reforma, a possibilidade de a Força Aérea Brasileira transportar órgãos a serem doados e o Programa de Parcerias de Investimentos, que vai conceder à iniciativa privada projetos de infraestrutura no Brasil, atraindo mais investimento estrangeiro, com o objetivo de alavancar a economia. Reportagem, Paola de Orte.

 

Gláucia: Modernizar as leis trabalhistas, dar maior segurança jurídica nas relações entre patrões e empregados e ainda gerar novos empregos no país.

 

Aírton: São esses os três focos da reforma trabalhista que o governo anunciou hoje.

 

Gláucia: A proposta vai ser enviada ao Congresso Nacional como projeto de lei em regime de urgência. A repórter Mara Kenupp detalha que mudanças são essas.

 

Repórter Mara Kenupp: Pela proposta, acordos coletivos entre patrões e empregados devem prevalecer e terão peso legal. Os empregados também vão poder parcelar as férias em até três vezes e a jornada de trabalho vai poder ser negociada, desde que obedeça o limite de 220 horas por mês. O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse que isso não significa aumento da jornada.

 

Ministro do Trabalho - Ronaldo Nogueira: A jornada de trabalho permanece a padrão: 8h diárias, 44h semanais, 220 horas mensais. Nunca esteve, não está e nunca estará qualquer proposta para ampliar a jornada de trabalho. Nós estamos regulamentando aquilo que já é previsto na CLT.

 

Repórter Mara Kenupp: O ministro do Trabalho também anunciou alterações no trabalho temporário, com aumento do prazo de contratação de 90 dias para um período maior, 120 dias com prorrogação por mais 120 dias. Segundo Ronaldo Nogueira, isso deve abrir postos de trabalho no país.

 

Ministro do Trabalho - Ronaldo Nogueira: Somente na regulamentação do contrato do trabalho temporário e do contrato do trabalho por jornada parcial, se seguir a lógica mundial, o Brasil tem capacidade de gerar em torno de 5 milhões de empregos nos próximos dois anos.

 

Repórter Mara Kenupp: A proposta ainda regula que o intervalo para descanso de 1h pode ser reduzido para 30 minutos, desde que esse tempo seja incluído num banco de horas. Além disso, trabalhadores que continuam suas atividades em casa, por exemplo, poderão receber por produção. O presidente Michel Temer disse que as propostas são fruto de muito diálogo entre governo, empresários e trabalhadores.

 

Presidente Michel Temer: Se nós hoje conseguimos reunir, convenhamos, setores empresariais com setores de trabalhadores, e eu estou falando das duas forças produtivas do país, que não devem distanciar-se, ao contrário, devem aliar-se cada vez mais. Se eu estou falando que aqui foi possível aliar trabalhadores e empresários, por que não dizer que, a partir desse Natal, nós conseguiremos unir todo o Brasil e todos os brasileiros?

 

Repórter Mara Kenupp: O presidente Temer também assinou hoje a Medida Provisória que faz uma repaginação do Programa Nacional de Proteção ao Emprego, que agora passa a se chamar Programa Seguro Emprego, o PSE. O programa, que terminaria no fim deste ano, foi prorrogado para evitar demissões. Ele permite a redução de até 30% da jornada e do salário do trabalhador, ao mesmo tempo que o governo compensa metade do valor da redução desse salário. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Aírton: E como a gente ouviu do presidente Michel Temer, essa proposta foi discutida com empresários e trabalhadores.

 

Gláucia: A repórter Mara Kenupp conversou com eles depois da cerimônia e conta pra gente o que eles pensam sobre as mudanças.

 

Repórter Mara Kenupp: O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf, disse que o momento é oportuno e necessário para uma proposta que flexibiliza as leis trabalhistas. Ele falou, por exemplo, sobre a importância do respeito ao limite das 220 horas de jornada de trabalho.

 

Presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - Paulo Skaf: O limite de 220 horas está respeitado. Agora, por conveniência das pessoas, haver uma variação nessa jornada ou o trabalho não ser obrigatoriamente no escritório... Hoje, com a informática, hoje, com os meios eletrônicos, as pessoas, essa moçada toda que está entrando no mercado de trabalho, pode trabalhar de casa. E a legislação hoje não prevê nada disso. Então nós estamos falando em valorizar as pessoas.

 

Repórter Mara Kenupp: Para o secretário geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves Juruna, havia o temor de que o negociado sobre o legislado mexeria com direitos do trabalhador. Por outro lado, segundo ele, as mudanças são necessárias para ampliar o diálogo entre empresas e trabalhadores.

 

Secretário geral da Força Sindical - João Carlos Gonçalves Juruna: O que está se propondo é que seja discutido com os trabalhadores melhores maneiras de ele receber as férias, de ele receber o 13º. Então são questões que, na prática, hoje já acontecem. Mas, depois que o acordo é feito entre trabalhadores e sindicatos e assinado, acaba sendo barrado pelo Ministério Público ou por outros juízes.

 

Repórter Mara Kenupp: Já o presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros, Antônio Neto, disse que as propostas foram resultado de um entendimento entre todos os segmentos trabalhistas e que apresentam segurança jurídica.

 

Presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros - Antônio Neto: Garantir a segurança jurídica, dar possibilidade de aumentar a capacidade de emprego no país, seja pelo PPE, seja pelo trabalho temporário, e também vem na fiscalização da precarização, aumenta as multas relativas àqueles que não registram os trabalhadores, que oprimem os trabalhadores.

 

Repórter Mara Kenupp: O mesmo também defendeu o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Ives Gandra da Silva Martins.

 

Presidente do Tribunal Superior do Trabalho - Ives Gandra da Silva Martins: Em nenhum momento o patrimônio jurídico do trabalhador vai ser afetado. Por que? Porque a cada direito flexibilizado, a cada norma em que, por exemplo, no intervalo entre as jornadas, se reduz a 30 minutos o intervalo, que é um interesse do empregado e do empregador, você dá uma vantagem compensatória para o trabalhador.

 

Repórter Mara Kenupp: De acordo com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, foram sete meses de reuniões e negociações com empresários e trabalhadores. Reportagem, Mara Kenupp.

 

Aírton: Quando o consumidor vai ao supermercado, sente no bolso o que significa a inflação.

 

Gláucia: E quem é mais velho se lembra daquelas maquininhas que remarcavam várias vezes, no mesmo dia, os preços dos produtos. É, a inflação castigava nesse período.

 

Aírton: Já no início desse ano o brasileiro também sentiu o aumento da taxa, que agora voltou a cair.

 

Gláucia: Batata, tomate, leite longa vida, foram os alimentos que caíram de preço e fizeram o Banco Central mudar as projeções da inflação neste ano. A taxa vai ficar dentro da meta.

 

Repórter Beatriz Amiden: O Banco Central mudou a previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA, de 7,3% para 6,5% em 2016. Isso significa que a inflação deve ficar dentro do teto da meta este ano. O objetivo do Banco Central era de 4,5%, que, com a margem de tolerância de dois pontos percentuais, deixa o valor dentro da previsão. Com a inflação em queda, a expectativa do Banco Central é que a taxa básica de juros, a Selic, que hoje é de 13,75%, também caia na próxima reunião do Comitê de Política Monetária, em janeiro de 2017. O diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Viana, conta que o consumidor já está sentindo no bolso as mudanças na economia.

 

Diretor de Política Econômica - Carlos Viana: Essa queda da inflação será percebida pelos consumidores, imagino que já esteja sendo percebida, né? Talvez na reversão dos preços de alimentos, que é um componente mais perceptível no dia a dia das pessoas. Então, esse canal da inflação mais baixa, dos preços mais favoráveis, da nossa sensação de melhoria, de certo alívio.

 

Repórter Beatriz Amiden: Ainda de acordo com o relatório de inflação, a expectativa de crescimento para 2017 foi revisada de 1,3% para 0,8%. Já a estimativa de recessão ficou estável. Reportagem, Beatriz Amiden.

 

Aírton: A partir de hoje, estudantes estrangeiros de graduação ou pós-graduação poderão trabalhar legalmente no Brasil, mesmo depois do término do curso.

 

Gláucia: Isso porque uma resolução do Conselho Nacional de Migração reduziu a burocracia para converter o visto estudantil em visto de trabalho.

 

Aírton: Antes, os estudantes precisavam retornar ao país de origem e fazer nova solicitação de visto. Vale lembrar que a conversão não é automática, o estudante precisa encaminhar pedido ao Ministério do Trabalho.

 

Gláucia: Uma das condições para receber a autorização é que a função estabelecida no contrato de trabalho tenha relação com o currículo do curso realizado no Brasil. 19h14, no horário brasileiro de verão.

 

Aírton: Quantas pessoas na sua casa têm celular com acesso à internet?

 

Gláucia: Pois é, o brasileiro está cada vez mais conectado, e a gente vai falar sobre isso daqui a pouquinho. Não saia daí.

 

"Você na Voz do Brasil"

 

Aírton: Desde o ano de 2003, o programa Luz Para Todos, do Governo Federal, leva energia elétrica para regiões rurais e áreas isoladas do país.

 

Gláucia: E até chegar à casa do consumidor, é preciso que sejam cumpridas várias etapas. O programa Luz Para Todos vai beneficiar 1 milhão de brasileiros até 2018.

 

Aírton: E hoje vamos tirar as dúvidas dos ouvintes da Voz do Brasil sobre o programa, com a repórter Natália Koslik.

 

Repórter Natália Koslik: Olá, boa noite a todos no estúdio e aos ouvintes que nos acompanham diariamente. O Luz Para Todos contempla os municípios onde a distribuidora de energia elétrica tem condições de executar as obras. Assim, cada município tem um limite pra que os pedidos sejam atendidos. Vamos agora às dúvidas de alguns ouvintes.

 

Ouvinte - Carlos Lisboa: Nasci na Ilha da Fazenda, município de Senador José Porfírio, e pude contemplar que, de frente da Ilha da Fazenda, na outra localidade, outra comunidade, chamada de Ressaca, existe energia elétrica, e a Ilha da Fazenda não goza desse benefício. Então eu gostaria de saber do Ministério de Minas e Energia, se tem alguma previsão para que a energia possa chegar a essa comunidade.

 

Repórter Natália Koslik: Carlos, o Luz Para Todos já atendeu quase 515 mil pessoas na Amazônia. Só no seu município, mais de 1.300 famílias receberam energia elétrica. Sugerimos que você procure a distribuidora de energia mais próxima da sua residência, pra saber qual a situação do pedido pra sua comunidade, caso já tenha sido feito.

 

Ouvinte - Evanilza: Olá, eu me chamo Evanilza, moro na zona rural na cidade de Canápolis. Gostaria de saber sobre o programa Luz Para Todos, do Governo Federal, pois não tenho energia elétrica em minha casa. Obrigada.

 

Repórter Natália Koslik: Evanilza, na zona rural de Canápolis, 901 famílias foram contempladas pelo programa Luz Para Todos. Para saber quando a energia chegará em sua casa é necessário informar o nome da localidade e o número do protocolo fornecido pela Coelba, que é a companhia de eletricidade da sua região.

 

Ouvinte - Railda: Eu me chamo Railda, moro na cidade de Jequié, interior da Bahia, no povoado de Deus Dará. Peço para vocês perguntar para o ministro de Minas e Energia se ele já liberou recursos para iniciar esta obra. É 18 famílias que necessitam muito desta energia. Eu ouço a Voz do Brasil todos os dias e estou aguardando a resposta. Obrigada.

 

Repórter Natália Koslik: No município de Jequié, Railda, quase 3.000 famílias receberam energia elétrica. De acordo com informações da Coelba, que executa o programa aí na Bahia, está previsto um orçamento de quase R$ 370 mil para o atendimento da comunidade de Deus Dará. Essas foram algumas das dúvidas dos nossos ouvintes. Continuem participando com a gente. Voltamos ao estúdio.

 

Gláucia: Obrigada, Natália. E você, que tem dúvidas, também mande a sua pergunta pra gente.

 

Aírton: Basta gravar uma mensagem e mandar para o nosso e-mail, anote aí: voz@ebc.com.br, ou no Whatsapp, (61) 998627345. Eu vou repetir: (61) 998627345.

 

Gláucia: A nossa produção vai procurar a resposta pra você. Participe.

 

Aírton: E o ministro da Justiça Alexandre de Moraes, esteve hoje em São Paulo, onde assinou convênios com a Secretaria de Administração Penitenciária do Estado.

 

Gláucia: O repórter Leonardo Meira acompanhou a solenidade e tem as informações ao vivo. Boa noite, Leonardo.

 

Repórter Leonardo Meira (ao vivo): Boa noite, Gláucia, boa noite, Aírton, boa noite pra todos os ouvintes da Voz do Brasil. O Ministério da Justiça, ele assinou três convênios com a Secretaria da Administração Penitenciária aqui no estado de São Paulo, que somam quase R$ 52 milhões. Incluem aí a aquisição de 523 coletes à prova de bala, mais de 2.300 rádios de comunicação e 125 veículos especializados pra transporte de presos. Já com a Secretaria de Segurança Pública Paulista, a doação foi de equipamentos e armamentos utilizados durante os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. São R$ 4 milhões. O material inclui seis mil munições para pistola, seis fuzis, aparelho de raio-x portátil, detector de substâncias explosivas e até um robô antibomba de pequeno porte. O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, destacou ainda que um decreto publicado ontem autorizando a doação de armas apreendidas aos órgãos de segurança pública e às Forças Armadas. Ele disse que o governo considera essa medida importante pro fortalecimento das polícias e que também vai trazer economia para os cofres públicos. Moraes anunciou também que o decreto de indulto de Natal, que deve ser publicado amanhã, vai ter novidades. O tratamento vai ser diferenciado de acordo com a gravidade do crime cometido. Segundo o ministro é uma nova política criminal, para que os delinquentes que cometeram crimes graves cumpram de fato a pena prevista pela justiça. Ao vivo, de São Paulo, Leonardo Meira.

 

Gláucia: 19h19, no horário brasileiro de verão.

 

Aírton: O Brasil está cada vez mais conectado à internet.

 

Gláucia: E é pelo celular que as pessoas buscam informações, trocam mensagens e se comunicam com o mundo.

 

Aírton: Essa é uma das conclusões da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, PNAD 2015, do IBGE, com foco em tecnologia da informação e comunicação.

 

Repórter João Pedro Neto: O número de domicílios brasileiros com acesso à internet segue crescendo no país. Chegou a mais de 39 milhões de residências. E o telefone celular se consolidou como a principal forma de conexão com a rede, nas residências de todas as regiões do país. O levantamento mostra que, em 2015, a internet era acessada pelos celulares em 92% das casas, enquanto o uso do computador pra se conectar caiu e registrou 70%. É o que explica a pesquisadora do IBGE, Helena Monteiro.

 

Pesquisadora - Helena Monteiro: O microcomputador tem perdido o espaço nessa utilização da internet, enquanto outros equipamentos estão ganhando importância na utilização da internet. Então 92,1% dos domicílios que acessaram a internet fizeram esse acesso pelo telefone celular.

 

Repórter João Pedro Neto: Foi exatamente o que aconteceu na casa do Mateus Peres, de Brasília. Graduado em Relações Internacionais, ele e boa parte da família trocaram o microcomputador pelo aparelho celular.

 

Entrevistado - Mateus Peres: Hoje em dia eu uso a internet pra tudo, na verdade. Eu uso muito mais pelo celular. E acho que a internet evoluiu de tal forma, que meu computador quebrou e eu nem precisei arrumar.

 

Repórter João Pedro Neto: O número de brasileiros que possui um celular também cresceu, no ano passado, e em dez anos o aumento chega a quase 150%. Em 2015, cerca de 139 milhões de pessoas com 10 anos ou mais tinham o aparelho. A proporção é maior na área urbana entre a população jovem e de maior renda. Já o acesso à televisão também segue em alta. No ano passado, os equipamentos estavam presentes em mais de 97% dos domicílios. O acesso à TV aberta digital também cresceu e, na região sudeste, mais da metade das casas já têm acesso a esse sistema mais moderno, que está sendo implantado em todo o país. Reportagem, João Pedro Neto.

 

"Momento Social"

 

Gláucia: O Bolsa Família é o programa de transferência de renda do Governo Federal que ajuda a população mais vulnerável a superar a pobreza.

 

Aírton: Em contrapartida, quem recebe precisa cumprir as condicionalidades, como manter o cartão de vacinação das crianças em dia e fazer com que elas frequentem a escola regularmente.

 

Gláucia: Mas cada família recebe um valor que pode variar a cada mês. Essa é a dúvida da Cristália Belarmino, lá de Fortaleza. Quem responde é o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra.

 

Ouvinte - Cristália Belarmino: Olá ministro. Meu nome é Cristália, sou de Fortaleza, Ceará. Eu gostaria de saber por que o Bolsa Família é variado, um mês a gente recebe um valor e outro mês já está em outro valor. Obrigada.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Tem vários fatores que influenciam, depende do número de crianças que tem na família, de adolescentes, depende da renda que a família tem. Se a família tem a renda muito baixa, o Bolsa Família é uma renda complementar, então ele complementa aquela renda, até um determinado valor per capita. O cálculo de cada família é diferente por causa disso. O objetivo é dar àquela família, proporcional ao número de membros, ao número de crianças e adolescentes que ela tem, um valor que permita a ela pelo menos ter o sustento básico, né, a alimentação básica, pra ela não cair na miséria, na extrema pobreza.

 

Airton: Se você também tem alguma pergunta sobre ações e programas sociais do governo, manda pra gente.

 

Gláucia: Pode ser por e-mail, no endereço voz@ebc.com.br. Tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia. A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz do Brasil, sempre na quinta-feira. Participe.

 

Airton: Atletas brasileiros já podem concorrer a vagas no programa Bolsa Atleta, na categoria Pódio.

 

Gláucia: Um edital do Ministério do Esporte foi lançado hoje, com vagas para o próximo ciclo olímpico.

 

Aírton: Para participar, o atleta deverá estar em plena atividade esportiva e ser indicado pela entidade a que pertence, entre outros requisitos.

 

Gláucia: Lembrando que a categoria Pódio é a mais alta do programa. Atualmente, 122 atletas são apoiados pela iniciativa, com bolsas que variam de R$5 mil a R$ 15 mil.

 

Aírton: A bolsa ajuda a patrocinar atletas com chances de medalhas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. No Rio de Janeiro, por exemplo, das 91 medalhas conquistadas, apenas uma não contou com atletas bolsistas.

 

Gláucia: Essas foram as notícias do Governo Federal.
 
 Aírton: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Aírton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Gláucia: Boa noite pra você e até amanhã.

 

 

"Brasil, ordem e progresso"