25/05/17 - A Voz do Brasil

Governo retira tropas das Forças Armadas da Esplanada dos Ministérios. Presidente Michel Temer divulga vídeo nas redes sociais e diz que o Brasil não está parado. Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada para 9 de junho.

audio/mpeg 25 05 2017 - Voz do Brasil.mp3 — 23290 KB




Transcrição


A Voz do Brasil 25.05.2017

 

Em Brasília, 19h.

"Está no ar a Voz do Brasil, as notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje".

Apresentador Airton Medeiros: Olá, boa noite!

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país!

Airton: Quinta-feira, 25 de maio de 2017.

Gláucia: E vamos ao destaque do dia. Presidente Michel Temer publica vídeo em redes sociais e diz que Brasil não está parado.

Presidente Michel Temer: Meus amigos, o trabalho continua, vai continuar temos muito ainda a fazer e esse é o único caminho que o meu governo pretende seguir, colocar o Brasil nos trilhos. Portanto, vamos ao trabalho.

Airton: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

Gláucia: Depois de retomada a normalidade, o ministro da Defesa anuncia a suspensão do uso das Forças Armadas na Esplanada dos Ministérios.

Ministro da Defesa: O recado do presidente Temer é um só, a manifestação democrática e ordeira, ela é protegida pelo Estado, agora o vandalismo, colocar em risco a vida das pessoas, destruir aquilo que pertence ao povo brasileiro não serão toleradas.

Airton: Juros do cartão de crédito caem em abril, e Petrobras acaba de anunciar queda no preço da gasolina.

Gláucia: E vamos falar ainda da campanha de vacinação contra a gripe que vai ser prorrogada.

Airton: A Voz do Brasil de hoje na apresentação de Gláucia Gomes e Airton Medeiros.

Gláucia: E para assistir a gente ao vivo na internet basta acessar: www.voz.gov.br.

Airton: E a gente começa a Voz do Brasil de hoje com uma mensagem do presidente Michel Temer.

Gláucia: Em um vídeo publicado nas redes sociais Temer agradeceu o apoio de deputados e senadores da base aliada na aprovação de matérias importantes no Congresso essa semana.

Airton: Para Temer, isso permite que o governo continue trabalhando para colocar o país nos trilhos.

Presidente Michel Temer: Meus amigos, o Brasil não parou e não vai parar, continuamos avançando e votando matérias importantíssimas no Congresso Nacional. As manifestações ocorreram com exageros, mas deputados e senadores continuaram a trabalhar em favor do Brasil, e aprovaram número expressivo de medidas provisórias, sete em uma semana e a reforma trabalhista avançou no Senado, expressão, portanto do compromisso em superar a crise. Aprovamos matérias vitais para o país, como por exemplo, a regularização fundiária. Há milhões de brasileiros que vivem sem a posse legal de sua casa ou de seu pequeno lote ou terreno. Agora isso mudará, o governo vai entregar a escritura para famílias carentes de todo o país. Vamos continuar combatendo o desperdício de dinheiro público. Outra medida garante o pente fino no auxílio doença, que já economizou mais de R$ 1 bilhão com a revisão dessa medida e vamos chegar a mais de R$ 8 bilhões, dinheiro que poderá ajudar o país a investir mais no social. Garantimos a aprovação da medida que libera o fundo de garantia para os dois grupos que ainda faltam para receber o seu dinheiro depositado durante anos de trabalho nas contas inativas do fundo de garantia. Portanto, mais de R$ 40 bilhões entrarão na economia ajudando no fim da recessão.

Gláucia: E assim como a gente ouviu do presidente Michel Temer os empresários também defendem a continuidade da política econômica para não frear a retomada do crescimento do país.

Airton: O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção se encontrou hoje com Temer e foi claro, a sobrevivência do setor depende da aprovação das reformas.

Gláucia: A indústria da Construção Civil responde por 2,5 milhões de empregos e 10% do PIB.

Repórter Paulo La Salvia: O representante da Indústria da Construção está em Brasília participando do principal evento do setor da América Latina, nessa quinta-feira depois do se reunir com o presidente Michel Temer, José Carlos Rodrigues disse o que Brasil não pode parar e que a aprovação das reformas vai dar um sinal positivo a investidores estrangeiros.

Representante da Indústria da Construção - José Carlos Rodrigues: Se nesse instante o Congresso Nacional cumprir a sua obrigação de discutir e aprovar reformas que o Brasil necessita, o sinal que se dará ao exterior será maravilhoso.

Repórter Paulo La Salvia: O ministro do Planejamento, Diogo Oliveira participou da abertura do Encontro da Indústria da Construção nessa quarta-feira, ele afirmou que o governo continua com o mesmo empenho para aprovar as Reformas da Previdência e Trabalhista em debate no Congresso

Ministro do Planejamento - Diogo Oliveira: Nós não permitiremos nenhum tipo de paralisia no país e hoje estamos cada vez mais convictos de que as reformas de que nós necessitamos eram tão importantes na semana passada quanto são nessa semana.

Repórter Paulo La Salvia: O ministro das Cidades, Bruno Araújo fez um balanço das ações na área no primeiro ano do governo do presidente Michel Temer.

Ministro das Cidades - Bruno Araújo: Foram contratadas também 330 mil novas unidades habitacionais e agora nos próximos dias estamos retomando a contratação de 170 mil unidades da faixa 1 do programa do Minha Casa Minha Vida e das demais fases do programa, um e meio, dois e três, 440 mil unidades.

Repórter Paulo La Salvia: Com o tema: "Superação é a nossa maior obra", o Encontro Nacional da Indústria da Construção vai discutir até essa sexta-feira inovações tecnológicas na área, além da parceria do estado com a iniciativa privada para impulsionar os negócios. Reportagem, Paulo La Salvia.

Airton: O governo suspendeu o uso das Forças Armadas para garantir a segurança na Esplanada dos Ministérios em Brasília.

Gláucia: A decisão foi tomada após uma reunião do presidente Michel Temer com os ministros da Defesa e do Gabinete de Segurança Institucional.

Airton: A avaliação foi que a situação voltou à normalidade. Ontem vândalos depredaram e atearam fogo em prédios de vários ministros.

Repórter Eduardo Biagini: Além de suspender a permanência das tropas das Forças Armadas na Esplanada do MPs, o presidente Michel Temer acionou a Advocacia Geral da União para sejam feitas perícias em todos os prédios atingidos pelos atos de vandalismo durante os protestos de quarta-feira. Segundo o ministro da Defesa Raul Jungmann, a ideia é que os responsáveis paguem pelos prejuízos e respondam na justiça pelos danos ao patrimônio público. O Ministro afirmou que as manifestações são democráticas e legítimas, mas que o governo vai ter tolerância zero quando elas vieram acompanhadas de atos de violência.

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: O recado do presidente Temer é um só, a manifestação democrática e ordeira, ela é protegida pelo Estado. é protegida pelas Forças, é protegida por todos nós. Agora o vandalismo, a barbárie, colocar em risco a vida das pessoas, destruir aquilo que pertence ao povo brasileiro, que são os imóveis, que são os cofres públicos não serão tolerados, a desordem não será tolerada e será combatida dentro da lei, dentro da ordem de acordo com os mandamentos da Constituição, mas não serão toleradas essas manifestações que descamem para o vandalismo e a violência.

Repórter Eduardo Biagini: A presença das Forças Armadas foi autorizada pelo presidente Michel Temer depois dos protestos de quarta-feira. Durante a manifestação prédios de alguns ministérios foram pichados, tiveram vidros, equipamentos e documentos quebrados, além das fechadas incendiadas, a intenção era garantir a integridade dos prédios e a segurança dos funcionários dos órgãos públicos. Cerca de 1.400 militares fizeram a segurança na Esplanada. De acordo com o ministro de Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, a situação voltou ao normal na manhã dessa quinta-feira, não existindo mais a necessidade das tropas permaneceram nas ruas da capital do país.

Ministro de Gabinete de Segurança - Sérgio Etchegoyen: Durante a noite permaneceram as Forças garantindo os prédios que estavam depredados, todos vulneráveis a qualquer outras ações de vandalismo ou de ocupação ou de qualquer outra coisa dessa natureza. A situação se normalizou pela manhã, todos os dados normalizaram, não havia mais razões que fundamentassem a permanência.

Repórter Eduardo Biagini: O ministro da Defesa, Raul Jugmann afirmou que a ação das Forças Armadas de garantia da lei e da ordem autorizada por Temer é prevista na Constituição, além disso, o ministro lembrou que 29 ações iguais foram realizadas nos últimos sete anos, como nas ruas do Espírito Santo e durante as Olimpíadas sem a ocorrência de situações graves envolvendo as Forças Armadas. Reportagem, Eduardo Biagini.

Gláucia: E o Ministério da Agricultura informou hoje que os prejuízos causados depois dos atos de vandalismo no prédio ocupado pela pasta chega a mais de R$ 1,100 milhão.

Airton: A recepção do Ministério e a sala de reunião que ficam no térreo do edifício foram destruídas.

Gláucia: Já um levantamento do Ministério do Planejamento mostra que os danos registrados em três blocos que são ocupados pela pasta, chegam a mais de R$ 330 mil.

Airton: Os maiores prejuízos foram na parte de mobiliário, equipamentos e computadores.

Gláucia: Quanto aos prejuízos em outros ministérios, o Planejamento ainda aguarda os resultados das perícias que estão sendo realizados por órgãos especializados para que seja calculado o total de gastos que a União terá que arcar com os atos de vandalismo registrados na última quarta-feira.

Airton: Empresários do setor de turismo no Rio de Janeiro entregaram ao Governo Federal sugestões para aumentar a segurança na cidade, que recebe milhões de turistas por ano.

Gláucia: O Ministro da Defesa, Raul Jungmann adiantou que o plano para a segurança no Rio envolve diversos setores e as primeiras propostas vão ser discutidas com o presidente Michel Temer amanhã.

Airton: O Ministro adiantou que o plano prevê o aumento da força policial para o Rio de Janeiro em operações especiais.

Ministro da Defesa - Raul Jungmann: Para determinadas operações evidente que os efetivos vão ser agregados, que vão ser ampliados, por exemplo, você vai ter participação das diversas Forças, todas elas conjugadas em um determinado momento para uma determinada atividade.

Gláucia: Raul Jungmann disse ainda que não existe uma data para o anúncio do plano de segurança para o Rio de Janeiro.

Gláucia: Dezenove horas, onze minutos em Brasília.

Airton: Os juros do cartão de crédito caíram.

Gláucia: E ainda nessa edição vamos explicar as medidas tomadas pelo governo para acabar com a inadimplência e reduzir os juros cobrados dos consumidores.

"Atenção emissoras de rádio, a partir de 26 de maio o sinal de satélite que transmite a Voz do Brasil e a Rede Nacional de Rádio vai mudar. Os novos parâmetros de sintonia são os seguintes: satélite star one C2, frequência 3.753 megahertz, taxa de símbolos, 333, fec 3/4, polarização horizontal, pid de áudio 257. Em caso de dúvidas, ligue para (61) 3799-5767 ou 5776.

Gláucia: A Petrobras acaba de anunciar queda no preço dos combustíveis. A repórter Natália Koslik está aqui no estúdio e tem os detalhes ao vivo. Boa noite, Natália!

Repórter Natália Koslik (ao vivo): Boa noite, Gláucia, Airton e ouvintes da Voz do Brasil! Depois de uma avaliação a Petrobras decidiu reduzir o preço médio nas refinarias, a redução foi de quase 5,5% para a gasolina e 3,5 para o diesel, isso por causa do aumento nas importações no último mês que obrigou esse ajuste para garantir a competitividade da Petrobras no mercado interno. Agora é esperar para ver se essa queda nos preços vai chegar no bolso do consumidor, como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis esse ajuste feito pela Petrobras pode ou não refletir no preço das bombas, até porque como a gente sabe, tem outros integrantes na cadeia de combatíveis até que eles cheguem nos postos de gasolina. Se o ajuste feito hoje for totalmente repassado, o valor do diesel pode reduzir em média R$ 0,07 por litro, e a gasolina R$ 0,09. É com vocês.

Gláucia: Obrigada Natália Koslik pela sua participação ao vivo aqui no estúdio da Voz do Brasil.

"Momento social".

Airton: A gente já ouviu hoje o presidente Michel Temer destacando o pente fino do INSS como mais uma medida do governo para acabar com o desperdício de dinheiro público.

Gláucia: A ideia é destinar os recursos a quem realmente precisa e o ISS está uma realizando uma revisão dos benefícios de auxílio doença e aposentaria por invalidez.

Airton: Estão sendo convocadas para avaliação médica, as pessoas que recebem a mais de dois anos sem terem passado por perícias no período.

Gláucia: A convocação deixou a Lucélia Lima que mora em João Pessoa, apreensiva, ela tem dúvida sobre isso. Quem explica tudo direitinho é o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra.

Lucélia Lima: Olá ministro, meu nome é Luciélia, sou de João Pessoa da Paraíba, eu gostaria de saber por que está havendo esse pente fino no INSS.

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra: Esse é um assunto muito importante para esclarecer o real objetivo da revisão do benefício do INSS. Pente fino é uma iniciativa do governo que vai permitir a melhor utilização do recurso público, portanto é importante que nós façamos esse controle para que haja recursos para pagar para quem precisa. Até agora já economizamos mais de R$ 1,5 bilhão porque muita gente, 84% das pessoas que estavam há três, quatro, dez anos ganhando auxílio doença não precisavam estar ganhando auxílio doença se tivessem feito uma perícia, até agora economizamos R$ 1,5 bilhão e chegaremos a R$ 10 bilhões se continuar nessa média. É importante lembrar também que as pessoas não precisam sair correndo para as agências do INSS, nós vamos mandar uma carta para cada um com todas as informações, quem realmente recebe benefício e precisa dele pode ficar tranquilo, não terá o benefício cancelado, a perícia é feita dentro dos mais rigorosos padrões éticos, técnicos e morais. Quem não ficar satisfeito com o resultado da perícia pode recorrer da decisão, os direitos do cidadão estão garantidos e não serão violados de forma alguma. Quem tiver alguma dúvida sobre revisão pode entrar em contato pelo telefone 135, esse é o canal direto do INSS com os cidadãos.

Airton: Dúvida respondida. E se você também tem alguma pergunta sobre ações e programas sociais do governo, manda para a gente.

Gláucia: Pode ser por email no endereço: voz@ebc.com.br. Tem também o nosso Facebook: facebook.com/bolsafamilia.

Airton: A sua pergunta vai ser respondida aqui na Voz de Brasil sempre na quinta-feira. Participe.

Gláucia: Quem usa cartão de crédito percebeu que o sistema passou por mudanças no mês passado.

Airton: É, mudaram as regras de pagamento do rotativo, que é aquele crédito usado quando a pessoa não pode pagar o valor total da fatura.

Gláucia: E com o novo sistema anunciado pelo presidente Michel Temer veio também queda de juros desse tipo de crédito.

Airton: Uma diminuição de quase 68 pontos percentuais de março para abril, isso levou a taxa para menor a patamares registrados desde outubro de 2015.

Repórter Paulo La Salvia: A nova regra acabou com a bola de neve nas dívidas, que é quando a pessoa só paga o mínimo da fatura do cartão de crédito e os juros se acumulam. Desde abril se o consumidor não quitar o valor total da fatura no mês os juros só poder ser cobrados por mais 30 dias, depois disso, a dívida tem de ser quitada ou parcelada pelos bancos, com isso os juros da modalidade rotativo caíram em abril de 490 para 422% ao ano. O economista da Escola Nacional de Administração Pública, José Luís Pagnussat avalia que a saúde financeira do consumidor melhorou a partir da medida.

Economista da Escola Nacional de Administração Pública - José Luís Pagnussat: O consumidor é que sai ganhando com isso, uma vez que além dele estar pagando taxas de juros menores no rotativo, ele tem aquela regra que impõe aos bancos a renegociação da dívida já no segundo mês da rolagem do crédito do cartão, que é o chamado rotativo. Todas as demais linhas de financiamento têm taxas de juros muito menores e, portanto, o consumidor, o trabalhador endividado, a família endividada vai com isso ter juros menor, a partir do segundo mês além da queda já observada no próprio rotativo.

Repórter Paulo La Salvia: Segundo o Banco Central, os juros do cartão de crédito rotativo atingiram o menor valor desde outubro de 2015. Reportagem, Paulo La Salvia.

Gláucia: O presidente Michel Temer enviou há pouco o Congresso Nacional o projeto de lei que valida facilita o financiamento de célula de crédito rural.

Airton: Se aprovado, o projeto possibilita o aumento de fontes de financiamento do agronegócio.

Gláucia: Ao vivo do Palácio do Planalto, a repórter Luana Karen traz as informações. Boa noite, Luana!

Repórter Luana Karen (ao vivo): Boa noite, Gláucia, Airton, e a todos os ouvintes da Voz do Brasil. As cédulas de crédito rural com títulos negociáveis emitidos para pessoas físicas não jurídicas além de cooperativas de produtores rurais, entre os objetivos do crédito rural está estimular os investimentos rurais feitos por produtores ou por cooperativas, favorecer o custeio da produção e comercialização de produtos agropecuários e fortalecer o setor rural. O crédito rural pode ser usado para cobrir as despesas normais produtivos e fazer investimento em bens ou serviços para a produção. Ao vivo, Luana Karen.

Airton: Laranja, melancia, maçã. As frutas apresentaram queda de preços nos principais mercados atacadistas no país no mês de abril. Gláucia: Já as hortaliças tiveram elevação com exceção da cenoura que ficou bem mais barata.

Airton: A pesquisa de preços é feita todo mês pela Conab, a Companhia Nacional de Abastecimento nas maiores Ceasas do país.

Repórter Mara Kenu: O aumento na oferta de algumas frutas nos mercados atacadistas colaborou para a queda dos preços, é o caso da laranja que passou de R$ 1,80 o quilo para R$ 1,20. O comerciante José Alberto de Carvalho, que vende a fruta no Ceasa de Brasília diz que o preço teve oscilação entre 35 e 40%.

Comerciante - José Alberto de Carvalho: Muita laranja que foi produzida na roça e hoje não estão tendo esse movimento no mercado para suprir essa necessidade da roça, então a tendência é abaixar mais.

Repórter Mara Kenu: No mês passado os preços da maçã e da melancia também caíram, no caso da melancia a queda foi justificada pelo início da safra. O preço da fruta baixou mais em São Paulo, quase 34%. Houve queda também no preço do mamão em Goiânia e Fortaleza e aumento no Distrito Federal. O tomate, a batata e a cebola registraram uma menor oferta na produção justificado pelo fim da safra das águas. A hortaliça que mais apresentou baixa nos preços comercializados foi a cenoura. Para o chefe de estatística da Ceasa, do Distrito Federal, Fernando Santos, o sobe e desce de cada produto tem diferentes movimentos.

Chefe de estatística da Ceasa do Distrito Federal - Fernando Santos: Você tem fatores climáticos que às vezes influencia a produção para mais ou para menos, existem questões de safra e entre safra, questões naturais do produto, que acontecer todos os anos.

Repórter Mara Kenu: O levantamento dos preços de frutas e hortaliças é feito mensalmente pela Conab. Reportagem, Mara Kenu.

Gláucia: Dezenove horas, vinte e um minutos em Brasília. A campanha de vacinação contra a gripe vai ser prorrogada.

Airton: Segundo o Ministério da Saúde a campanha que terminaria amanhã vai continuar e a vacina vai ficar disponível nos postos de saúde até o dia 9 de junho.

Gláucia: É, e é bom lembrar, os brasileiros precisam estar atentos aos calendários de vacinas oferecidas de graça o ano todo.

Alícia do Nascimento: Vacina, ficar dodói.

Repórter Beatriz Amiden: É, a pequena Alicia do Nascimento de dois aninhos mal sabe falar, mas já entendeu porque precisa tomar a vacina da gripe. A mãe dela, a vendedora Luciene Melo sempre mantém o cartão de vacinas da pequena em dia.

Luciene Melo: Acredito que seja muito importante a vacina para manter a minha filha saudável.

Repórter Beatriz Amiden: O que a Luciene não sabia é que os adultos também precisam se imunizar, os postos de vacina têm vacina o ano passado para homens, mulheres, adolescentes e idosos, agora a Luciene já sabe que também precisa ficar de olho no cartão de vacinas.

Luciene Melo: Com a caderneta em dia eu acredito que eu possa estar prevenida contra algumas doenças.

Repórter Beatriz Amiden: Olga Ribeiro, gerente de imunização da Secretaria de Saúde do Distrito Federal lembra que todos que forem tomar a vacina devem levar o cartão ao posto de saúde para colocar em dia as outras doses, ela destaca que as pessoas devem ter atenção ao calendário nacional de vacinas e lembra que o SUS oferece outras imunizações que não estão em campanha.

Gerente de imunização da Secretaria de Saúde do Distrito Federal - Olga Ribeiro: Mais adolescentes, hoje é importante a gente lembrar que a gente vacina contra o HPV tanto meninas como meninos, os adultos também jovens podem se vacinar, devem se vacinar contra hepatite, tem também a tríplice viral, a DTP.

Repórter Beatriz Amiden: E atenção, a campanha de vacinação contra a gripe foi prorrogada até 9 de julho. Precisam se vacinar crianças menores de cinco anos, gestantes, idosos, profissionais de saúde e esse ano os professores entraram na lista do público alvo. Reportagem, Beatriz Amiden.

Airton: Começa amanhã o Feirão Caixa da Casa Própria.

Gláucia: É a oportunidade para os moradores de onze cidades de nove estados escolherem uma das milhares de casas e apartamentos ofertados e já iniciar o processo de financiamento, com a avaliação e aprovação de crédito no mesmo local.

Repórter Nasi Brum: É a chance para quem quer realizar o sonho da casa própria. No feirão vão estar reunidos em um só lugar funcionários da Caixa, além de construtoras e imobiliárias, ao todo são mais de 228 mil imóveis novos ou usados. A expectativa do banco é fechar 58 mil negócios movimentando cerca de R$ 2,300 bilhões as taxas de juros dos financiamentos partem de 4,5% ao ano e o prazo de pagamento pode chegar a 35 anos dependendo da linha. O feirão vai até domingo em São Paulo, Campinas Rio de Janeiro, Belém no Pará, Florianópolis, Santa Catarina, Porto Alegre no Rio Grande do Sul, Recife em Pernambuco, Salvador na Bahia, Goiânia, Goiás, além de Belo Horizonte, Uberlândia, e Minas Gerais. Nasi Brum para a Voz de Brasil.

Airton: A arrecadação de impostos e contribuições federais cresceu em abril chegando a R$ 118 bilhões.

Gláucia: O aumento foi de quase 2,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Airton: E o acumulado de janeiro a abril também cresceu, ficou em quase R$ 447 bilhões.

Gláucia: E essas foram as notícias do Governo Federal.

Airton: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da presidência da República.

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

Airton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite!

 

Gláucia: Boa noite para você e até amanhã! "Brasil, Ordem e Progresso".