30/05/17 - A Voz do Brasil

E vamos ao destaque do dia: US$ 20 bilhões vão ser investidos em obras pelo país. E presidente Michel Temer diz a empresários que Brasil volta aos trilhos e deixa recessão para trás. E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje: Liberados quase R$ 33 milhões para atender estados de Alagoas e Pernambuco. Também tem mais recursos para realização de cirurgias pelo SUS. Vamos falar ainda do Exame Nacional do Ensino Médio: seis milhões de alunos vão fazer as provas!

audio/mpeg 30 05 17.mp3 — 23581 KB




Transcrição


A Voz do Brasil - 30/05/2017

Apresentador Aírton Medeiros: Em Brasília, 19 horas.

"Está no ar A Voz do Brasil. As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

Aírton: Olá, boa noite.


Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite pra você que nos acompanha em todo o país.

 

Aírton: 30 de maio de 2017.

 

Gláucia: E vamos ao destaque desta terça-feira. US$ 20 bilhões vão ser investidos em obras pelo país. José Luís Filho.

 

Repórter José Luís Filho: O Fundo de Cooperação Brasil China, anunciado durante o Fórum de Investimentos Brasil 2017 aqui em São Paulo. Daqui a pouco eu volto com outras informações.

 

Aírton: O presidente Michel Temer diz a empresários que o Brasil volta aos trilhos e deixa recessão pra trás.

 

Presidente Michel Temer: Nós pusemos o país nos trilhos. Quem apanhar a locomotiva em 2018 encontrará os trilhos no seu lugar. Por isso agora é continuar a travessia. Nós chegaremos ao fim de 2018 com a casa em ordem.

 

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Aírton: Liberados quase R$ 33 milhões para atender Alagoas e Pernambuco. Luana Karen.

 

Repórter Luana Karen: O dinheiro vai reforçar o atendimento à população afetada com deslizamentos de terra e alagamentos após as fortes chuvas do fim de semana.

 

Gláucia: Também tem mais recursos para realização de cirurgias pelo SUS.

 

Aírton: Vamos falar ainda do Enem. Seis milhões de alunos vão fazer as provas.

 

Gláucia: Hoje, na apresentação, Gláucia Gomes e Aírton Medeiros.

 

Aírton: E pra assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gláucia: Brasil e China selaram hoje uma parceria que vai injetar bilhões na infraestrutura brasileira.

 

Aírton: Os dois países lançaram um fundo de US$ 20 bilhões para financiar projetos de interesse comum nas mais diversas áreas, como logística, energia, agricultura e tecnologia.

 

Gláucia: A parceria foi anunciada por representantes dos dois governos em São Paulo durante o Fórum de Investimentos Brasil 2017. O repórter José Luís Filho está lá e trás os detalhes ao vivo. Boa noite, José Luís.

 

Repórter José Luís Filho (ao vivo): Olá, boa noite, Gláucia, boa noite, Aírton e a todos os ouvintes da Voz do Brasil. O Fundo de Cooperação Brasil China será um importante instrumento para alavancar projetos importantes para o Brasil e de interesse da China. Segundo o ministro do Planejamento, Diogo Oliveira, muitos grupos já demonstram interesse em receber recursos do fundo. Um dos projetos que pode ser beneficiado, segundo Diogo Oliveira, é a ferrovia transoceânica planejada para ligar o Brasil ao Oceano Pacífico, o que vai facilitar o escoamento de produtos brasileiros para a Ásia. Além da logística, o fundo é direcionado para os setores de energia, recursos minerais, tecnologia avançada, agricultura, agroindústria e armazenagem agrícola, manufatura e serviços digitais. O ministro Diogo Oliveira fala sobre a dimensão da iniciativa.

 

Ministro do Planejamento - Diogo Oliveira: É uma das primeiras, se não me engano a primeira iniciativa dessa natureza que a própria China tem com algum país da América Latina. O Brasil será o primeiro país a ter um fundo conjunto, com a governança compartilhada e de altíssimo nível.

 

Repórter José Luís Filho (ao vivo): Segundo o embaixador Chinês no Brasil, Li Jinzhang, o fundo é a manifestação de espírito cooperativo conjunto. Vai ajudar a melhorar a capacidade produtiva da China e injetar energia para a industrialização do Brasil. Li Jinzhang disse ainda que, nos últimos anos, a China investiu US$ 40 bilhões no Brasil, que é um dos países prioritários para realizar a cooperação na área de capacidade produtiva. A previsão é a de que o Fundo de Cooperação Brasil China entre em operação já a partir desta semana. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES, e a Caixa Econômica Federal é que vão operar o fundo no Brasil. Ao vivo, de São Paulo, José Luís Filho.

 

Aírton: E o presidente Michel Temer abriu o Fórum de Investimentos Brasil hoje de manhã.

 

Gláucia: Temer disse aos empresários que os números mostram sinais de recuperação da economia e é hora de investir por aqui.

 

Aírton: Ministros conversaram com investidores e falaram de inúmeras oportunidades de negócios. Isso significa novos investimentos e geração de empregos, duas prioridades para o governo.

 

Repórter João Pedro Neto: Invista no Brasil. Essa é a mensagem e convite do governo a investidores e executivos estrangeiros e nacionais. Com um conjunto de medidas que tem criado no país um ambiente mais seguro para os negócios, o governo quer atrair ainda mais a iniciativa privada para o desenvolvimento em várias áreas. O presidente fez a abertura do encontro.

 

Presidente Michel Temer: As senhoras e os senhores encontram aqui uma economia que se recupera. E sobre recuperar-se, que se moderniza. Encontram um governo determinado a completar reformas que estão transformando o país e que estão abrindo oportunidades. Nosso governo devolveu ao Brasil o caminho do desenvolvimento e desse caminho nós não nos afastaremos.

 

Repórter João Pedro Neto: Ao todo, mais de 1.400 executivos vieram conferir as condições para investir no Brasil. O ministro da Fazenda detalhou as mudanças no cenário no período de um ano. Segundo Henrique Meirelles, com os gastos sob controle, a confiança voltou, a inflação caiu e os juros também. O país voltou a crescer e, no mês passado, gerou empregos.

 

Ministro da Fazenda - Henrique Meirelles: O momento de investir é esse, a economia caiu fortemente, já está entrando na trajetória de crescimento. É antes que os preços passem a refletir já ativos muito mais valorizados, na medida em que a concorrência e os capitais internacionais já tenham entendido totalmente a mudança no Brasil, já estejam investindo. Portanto, aqueles que estiverem presentes no começo do ciclo serão aqueles que vão se beneficiar mais.

 

Repórter João Pedro Neto: As reformas em curso, que vão modernizar as relações trabalhistas e ajudar a previdência social, estiveram no centro dos debates. Os ministros do governo também lembraram de ajustes nas leis, que têm dado mais segurança jurídica para se investir. O ministro das Relações Exteriores, Aloyzio Nunes Ferreira, destacou a política externa brasileira, que tem promovido maior abertura comercial.

 

Ministro das Relações Exteriores - Aloyzio Nunes Ferreira: O Mercosul continuará sendo a nossa principal plataforma regional. Estamos enfrentando o desafio do acesso a mercados globais e, nesse contexto, o acordo com a União Europeia será fundamental e esperamos concluí-lo rapidamente, aproveitando o interesse renovado dos nossos parceiros europeus.

 

Repórter João Pedro Neto: Representantes de mais de 40 países, como China, Estados Unidos, Japão, França e Alemanha, de cerca de 20 setores da economia, participam do Fórum, que é organizado em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID. O presidente da Instituição, Luis Alberto Moreno, destacou o potencial que existe no Brasil.

 

Presidente do BID - Luis Alberto Moreno: [pronunciamento em outro idioma]

 

Repórter João Pedro Neto: Os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício de Oliveira, também participaram da abertura do Fórum. Eles destacaram que o Congresso Nacional e o Governo têm trabalhado juntos pelo desenvolvimento do Brasil. De São Paulo, reportagem, João Pedro Neto.

 

Gláucia: E o Fórum vai até amanhã.

 

Aírton: É o momento para que investidores nacionais e estrangeiros possam conhecer os potenciais negócios do Brasil.

 

Gláucia: E quem detalha pra nós como foi esse primeiro dia de encontro é o presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, a APEX Brasil, o Embaixador Roberto Jaguaribe. Boa noite, presidente.

 

Presidente da APEX Brasil - Roberto Jaguaribe: Boa noite.

 

Gláucia: Presidente, dá pra fazer um balanço desse primeiro dia de encontro?

 

Presidente da APEX Brasil - Roberto Jaguaribe: Olha, eu acho que é importante, sim, porque, desde logo, uma coisa que chama a atenção é o número expressivo de participantes, e a APEX teve que controlar o número de inscritos, porque não haveria espaço pra tantos. Inclusive, nos dias finais, nas últimas semanas, foram muitos candidatos que foram impossíveis de se juntar ao grupo. Além do mais, eu acho que houve uma participação em uníssono, investidores importantes de grandes empresas mundiais, dando manifesto da sua confiança no Brasil, na sua trajetória já positiva no passado e a expectativa de continuar esses investimentos, de forma que, nesse primeiro dia, eu acho que é um dia muito exitoso para os propósitos do evento, que era justamente mobilizar um grupo importante de investidores, para aumentar a capacidade de investimento produtivo e geração de emprego e renda no Brasil.

 

Aírton: Presidente, o senhor participou de um dos painéis, que mostram histórias de sucesso e setores promissores para novos empreendimentos. O senhor poderia citar uma história e um desses setores pra gente?

 

Presidente da APEX Brasil - Roberto Jaguaribe: Olha, foi um painel interessante, em que vários investidores estiveram presentes. Esteve presente a Fiat, que acabou de inaugurar uma fábrica importante, e aliás um dos elementos importantes da apresentação dele foi dizer que essa fábrica de Pernambuco, da fábrica pra dentro, é a fábrica mais moderna, mais eficaz que a Fiat tem no mundo e inclusive em termos de produtividade. O presidente da Siemens do Brasil estava também lá, indicando interesse pleno da Siemens em continuar investindo, em todos os segmentos diversos de atividade produtiva que ela já tem no Brasil, com quem já tem relações comerciais há mais de 150 anos. Eu destaco também uma participação um pouco diferente do Climate Bonds, que é os papeis de modernidade do futuro, voltado para a economia verde, onde o Brasil se situa particularmente bem, inclusive em função da sua produção agrícola respeitando o meio ambiente. Eu acho que isso abre novas oportunidades, ele deixou muito claro a quantidade de recursos que estão no mundo, em vias de se buscar entendimentos e investimentos produtivos e com foco cada vez maior na sustentabilidade. O Brasil tem uma noção clara dessa questão, é um país que fez um esforço muito grande na questão de mudança de clima, fez compromisso muito forte no âmbito da COP 21 e tem condições muito fáceis, como ele mesmo declarou, de ampliar sua capacidade de captação de recursos para investimentos produtivos em função dessas características.

 

Gláucia: Presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, da APEX Brasil, Embaixador Roberto Jaguaribe. Muito obrigada pela sua participação com a gente aqui na Voz do Brasil.

 

Presidente da APEX Brasil - Roberto Jaguaribe: Muito obrigado, boa noite.

 

Aírton: Os estados de Pernambuco e Alagoas vão receber quase R$ 33 milhões do governo federal.

 

Gláucia: Os dois estados foram atingidos por fortes chuvas nos últimos dias, provocando mortes e deixando milhares de pessoas desabrigadas e desalojadas.

 

Aírton: Os recursos vão ser usados para compra de alimentos, higiene pessoal, colchões e água potável.

 

Gláucia: Além disso, um hospital do Exército vai ser instalado em cada estado para atender a população.

 

Repórter Luana Karen: O dinheiro vai reforçar o atendimento à população afetada com deslizamentos de terra e alagamentos, após as fortes chuvas do fim de semana. Em Pernambuco, quase 45 mil pessoas estão desabrigadas ou desalojadas, segundo a Defesa Civil do Estado. Três pessoas morreram. Em Alagoas, são sete mortes e 4 mil famílias desabrigadas. Vão ser enviados R$ 21 milhões para Pernambuco e R$ 12 milhões para Alagoas. O ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, acertou com os governadores o envio do hospital de campanha do Exército para auxiliar no socorro às vítimas e o planejamento de medidas de prevenção para evitar que a tragédia se repita.

 

Ministro da Integração Nacional - Hélder Barbalho: Nós já demandamos ao Exército, que está mobilizando a instalação, tanto para o estado de Pernambuco como também o estado de Alagoas solicita esse importante equipamento para colaborar com as populações atingidas.

 

Repórter Luana Karen: Segundo o governador de Alagoas, Renan Filho, o Governo Federal também deve simplificar o acesso ao Cartão Reforma, para que as famílias que tiveram a casa afetada pelas enchentes ou deslizamentos possam fazer o reparo e voltar pra casa o mais rápido possível.

 

Governador de Alagoas - Renan Filho: Isso é fundamental para que as pessoas possam, com a agilidade necessária, reconstruir a sua casa, pra poder voltar pra casa. E vamos também fazer, com a segurança, depois de checada pela Defesa Civil e pelo Corpo de Bombeiros, a operação Volta pra Casa, pra que o cidadão que teve sua casa inundada ou danificada pelas chuvas, se tiver segurança, ele possa voltar e, junto com o governo do estado, a prefeitura e o governo federal, começar a resolver os problemas da sua própria casa, inclusive também com o Cartão Reforma.

 

Repórter Luana Karen: Em Pernambuco, o governador Paulo Câmara afirmou que já começou o processo de recuperação das áreas atingidas.

 

Governador de Pernambuco - Paulo Câmara: Iniciamos todo um processo, desde domingo, decretação de emergência e buscar dar toda a assistência às famílias, e já estamos iniciando também um processo de recuperação das cidades, com limpeza, com restabelecimento do serviço de água e de energia.

 

Repórter Luana Karen: A equipe da Defesa Civil Nacional está nos estados fazendo o levantamento dos danos. Reportagem, Luana Karen.

 

Gláucia: 19h15 em Brasília.

 

Aírton: Seis milhões de estudantes estão inscritos para o ENEM deste ano.

 

Gláucia: Então, fique atento. Daqui a pouco vamos dar todos os detalhes das provas que vão ser aplicadas em novembro.

 

"Defesa do Brasil. Defesa do Brasil. Defesa do Brasil"

 

Aírton: Além de defender o território, as Forças Armadas também trabalham para combater o desmatamento das nossas florestas.

 

Gláucia: As ações são realizadas em todo o país, em parceria com órgãos fiscalizadores, como o Ibama.

 

Repórter Marina Melo: Gigantescas áreas de preservação vegetal e uma das maiores reservas de água doce do planeta. O Brasil vem encontrando formas de cuidar de seu meio ambiente com ações conjuntas, que envolvem diversos setores do governo, inclusive as Forças Armadas. O Ministério da Defesa lançará em breve a publicação Defesa e Meio Ambiente, que reúne as principais ações da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, voltadas à preservação, proteção e sustentabilidade. O chefe da Assessoria Especial de Planejamento, do Ministério da Defesa, General Fernando Cunha Mattos, explica que a função das Forças Armadas de proteger o país também inclui a proteção de nossas riquezas naturais.

 

Chefe da Assessoria Especial de Planejamento - General Fernando Cunha Mattos: A própria conservação do meio ambiente, eu consigo garantir alguns tipos de segurança a gerações futuras, em termos de recursos naturais, não poluição dos ambientes onde os seres humanos vivem, a não agressão à natureza. Nesse sentido, a Defesa tem também, na vertente segurança, uma participação em apoio a essas atividades, dos mais diversos órgãos nacionais, tanto no nível federal, municipal ou estadual, em apoiar iniciativas que gerem essa preocupação na preservação e na recuperação do meio ambiente.

 

Repórter Marina Melo: Além de buscar medidas sustentáveis, seja em seus treinamentos e exercícios, ou seja no dia a dia das mais diversas unidades militares espalhadas pelo país, as Forças Armadas também realizam operações em apoio ao meio ambiente, levando agentes do Ibama para coibir crimes ambientais nas regiões mais afastadas do Brasil. Reportagem, Marina Melo.

 

Aírton: Tem muita gente esperando na fila para fazer alguma cirurgia pelo SUS, seja de catarata, varizes ou próstata, por exemplo.

 

Gláucia: O governo quer reduzir essa fila de espera, como uma fila nacional. Estados e municípios que quiserem fazer parte precisam se cadastrar.

 

Aírton: Quem se cadastrou já tem recurso garantido. O Ministério da Saúde liberou mais de R$ 200 milhões para atender aos pacientes, que vão saber exatamente qual o seu lugar na fila.

 

Repórter Natália Koslik: O Ministério da Saúde liberou R$ 250 milhões para ampliar o acesso às cirurgias eletivas no SUS, nos estados que já possuem fila única. O que o governo pretende é trazer mais agilidade e transparência ao atendimento dos pacientes, que muitas vezes ficam sujeitos à lista de espera de um único hospital e deixam de concorrer às vagas disponíveis em outras unidades de saúde da região. É o que explica o ministro Ricardo Barros.

 

Ministro da Saúde - Ricardo Barros: Só receberá o recurso o estado que tiver uma única fila, de município, do estado, dos hospitais filantrópicos, para que nós possamos ser justos. Temos cobrado os estados, alguns deles nós estamos negociando a fila única, e a portaria está publicada, mas com essa condição. É muito importante pro usuário, porque nós vamos informar pra cada pessoa que utilize o SUS qual é o seu lugar na fila.

 

Repórter Natália Koslik: As cirurgias eletivas são procedimentos médicos que dependem de marcação pra serem realizados. Atualmente, existem pelo menos 800 mil cirurgias desse tipo no país aguardando realização. A maior parte, nas áreas de traumatologia e ortopedia. O dinheiro liberado pelo governo vai ampliar o acesso aos procedimentos e ajudar a reorganizar a lista de espera em todo o país. Lembrando que os estados e municípios precisam estar com a fila única atualizada e cadastrada junto ao Governo Federal para receberem o recurso. Reportagem, Natália Koslik.

 

Gláucia: Para aderir à fila única, estados e municípios devem se cadastrar no Sistema Nacional de Regulação e informar a situação exata da lista de espera para cirurgias eletivas. A plataforma torna possível a organização das filas em cada região.

 

Aírton: O Enem, o Exame Nacional de Ensino Médio deste ano, vai ser feito por mais de seis milhões de estudantes.

 

Gláucia: Aqueles que pediram isenção da taxa têm até o dia 25 de junho para comprovar as informações.

 

Aírton: As provas ocorrem nos dias 5 e 12 de novembro.

 

Repórter Nei Pereira: Mais de seis milhões de estudantes vão fazer o Enem neste ano. 77% tiveram direito à isenção da taxa de R$82 por estarem concluindo o ensino médio em escolas públicas ou serem de famílias de baixa renda inscritas no Cadastro Único do Governo Federal. Mas atenção, quase 1,5 milhão de inscrições ainda não foram confirmadas, por falta de pagamento da taxa. Esse número pode diminuir, já que os candidatos que têm direito à gratuidade e não conseguiram comprová-la podem entrar com recurso, como explica Maria Inês Fini, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

 

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Maria Inês Fini: Por um acordo com o Ministério Público Federal, nós estabelecemos um prazo de 30 dias para que essas pessoas, que já fizeram inscrição e não conseguiram comprovar a sua condição de isenção, possam fazê-lo, e a nossa comissão de demanda vai então avaliar essas situações novamente e, automaticamente, sendo caracterizada o seu direito à isenção, eles serão alocados no grupo das inscrições confirmadas.

 

Repórter Nei Pereira: Até o ano passado, a gratuidade era concedida por meio de autodeclaração do candidato, mas neste ano o Inep passou a cruzar os dados fornecidos pelo estudante com a base do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e do Censo Escolar, garantindo a isenção para quem realmente precisa. De acordo com o ministro da Educação, Mendonça Filho, os alunos que têm direito ao benefício vão ter a inscrição confirmada.

 

Ministro da Educação - Mendonça Filho: O recurso, com relação àqueles que estão aptos à isenção está estendido por um prazo, desde a inscrição, de 30 dias, o que permitirá, naturalmente, a comprovação.

 

Repórter Nei Pereira: Os alunos que se enquadram nas regras de gratuidade e fizeram a inscrição, mas não conseguiram o benefício, têm até o meio-dia do dia 25 de junho para entrar com recurso. A documentação deve ser enviada para o e-mail isencaoenem@inep.gov.br, informando o nome completo, CPF e número de inscrição, além do nome completo e CPF da mãe. Reportagem, Nei Pereira.

 

Gláucia: E atenção para os prazos. Travestis e transexuais que quiserem usar o nome social no Enem têm até este domingo, dia 4, para fazer a solicitação na página do Enem na internet. O endereço é enem.inep.gov.br.

 

Aírton: E as inscrições para o Sistema de Seleção Unificada, o SISU, estão abertas. Nesta edição, estão sendo oferecidas 52 mil vagas em cursos superiores de universidades federais e estaduais.

 

Gláucia: Até agora, foram registradas mais de 570 mil inscrições.

 

Aírton: Para se candidatar, é preciso ter feito o último Enem e não ter tirado nota zero na redação.

 

Gláucia: Os candidatos têm até a próxima quinta-feira, dia 1 de junho, para se inscrever. O endereço na internet é sisu.mec.gov.br.

 

Aírton: E na semana que vem, começam as inscrições para o Prouni, o Programa Universidade para Todos.

 

Gláucia: O prazo para concorrer às vagas vai de 6 a 9 de junho.

 

Aírton: O programa oferece bolsas em faculdades particulares. Na última edição, mais de 200 mil bolsas foram disponibilizadas.

 

Gláucia: A bolsa integral é para estudantes com renda familiar por pessoa de até 1,5 salário mínimo. Já o teto da bolsa parcial, de 50% do valor da mensalidade, é de até três salários mínimos.

 

Aírton: Os goianos são os próximos que vão migrar totalmente para o sinal digital de televisão.

 

Gláucia: O processo de desligamento do sinal analógico em Goiânia e outros 28 municípios de Goiás começa amanhã, mas vai seguir até o dia 21 de junho.

 

Aírton: O prazo foi prorrogado porque a marca de 90% de TVs com sinal digital necessária para o término do sinal analógico ainda não foi alcançada.

 

Gláucia: Lembrando que a população de baixa renda tem direito a receber o kit conversor sem pagar nada.

 

Aírton: Quem tiver dúvidas é só ligar para o número 147 ou acessar a página www.sejadigital.com.br.

 

Gláucia: E essas foram as notícias do Governo Federal.

Aírton: Uma realização da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Gláucia: Com produção da Empresa Brasil de comunicação.

 

Aírton: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. E tenha uma boa noite.

 

Gláucia: Boa noite pra você e até amanhã.

 

"Brasil, ordem e progresso."