31/01/17 - A Voz do Brasil

E vamos ao destaque do dia: Um país de oportunidades: presidente Michel Temer destaca a empresários medidas para assegurar novos investimentos e gerar empregos. E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje: Mais uma varredura foi realizada hoje por militares na penitenciária de Manaus! E defensores públicos da união vão fazer mutirões para agilizar processo de presos. Vamos falar também do fim da fila de espera para receber o Bolsa Família.

audio/mpeg 31 01 17.mp3 — 23326 KB




Transcrição


Apresentador Nazi Brum: Em Brasília, 19 horas.

 

"Está no ar a Voz do Brasil - As notícias do Governo Federal que movimentaram o país no dia de hoje."

 

Apresentadora Gláucia Gomes: Boa noite.

 

Nazi: Boa noite para você que nos acompanha em todo o país.

 

Gláucia: Terça-feira, 31 de janeiro de 2017.

 

Nazi: E vamos ao destaque do dia. Um país de oportunidades. Presidente Michel Temer destaca a empresários medidas para assegurar novos investimentos e gerar empregos.

 

Presidente da República - Michel Temer: Diante de incertezas na cena internacional, o Brasil afirma-se como um espaço especialmente atrativo para os negócios, pelo seguinte: Nós somos uma democracia plural. Somos um país aberto para o mundo.

 

Gláucia: E você também vai ouvir na Voz do Brasil de hoje.

 

Nazi: Mais uma varredura foi realizada hoje por militares na penitenciária de Manaus.

 

Gláucia: E defensores públicos da União vão fazer mutirões para agilizar processo de presos. Nei Pereira.

 

Repórter Nei Pereira: A ação começa na segunda-feira em Manaus, onde o processo de 5 mil e 600 presos vão ser analisados. Eu volto daqui a pouco com mais informações.

 

Nazi: Vamos falar também do fim da fila de espera para receber o Bolsa Família. Gabriela Noronha.

 

Repórter Gabriela Noronha: O objetivo é destinar o dinheiro do Bolsa Família a quem realmente precisa.

 

Gláucia: Hoje na apresentação da Voz do Brasil, Gláucia Gomes e Nazi Brum.

 

Nazi: E para assistir a gente ao vivo na internet, basta acessar www.voz.gov.br.

 

Gláucia: Um país que está retomando o crescimento econômico e que tem boas condições para investimentos.

 

Nazi: Essa foi a mensagem que o presidente Michel Temer passou a empresários em um evento realizado hoje em São Paulo.

 

Gláucia: Temer afirmou que o país está se reerguendo e citou alguns fatos que comprovam esse momento, como o número histórico na produção de petróleo e gás natural da Petrobras, além do recorde previsto para a safra de grãos, que pode atingir 215 milhões de toneladas.

 

Repórter Leonardo Meira: Oportunidades de investimentos na América Latina, com destaque para o Brasil. E por aqui, com o atual cenário internacional, oportunidades não faltam. Foi o que destacou o presidente Michel Temer aos empresários.

 

Presidente da República - Michel Temer: O Brasil afirma-se como um espaço especialmente atrativo para os negócios, pelo seguinte: Nós somos uma democracia plural, livre de conflitos étnicos ou religiosos. Somos um país aberto para o mundo. Aliás, o Brasil se formou exata e precisamente pela imigração, por aqueles que vieram ao Brasil nas mais variadas raças, nas mais variadas tendências e construíram o nosso país. O Brasil, portanto, que temos hoje, senhores e senhoras, é um Brasil de oportunidades.

 

Repórter Leonardo Meira: E Para atrair essas empresas, o governo vem trabalhando em medidas para dar mais segurança jurídica. Segundo o Michel Temer, a Agenda da Produtividade inclui a reforma trabalhista, que pode ampliar os investimentos, dar garantias aos investidores e gerar empregos.

 

Presidente da República - Michel Temer: Nisto ganha o povo brasileiro, ganha os trabalhadores e ganha os investidores, que os investidores saberão que terão um pouco mais de segurança nas matérias que acordarem com os trabalhadores.

 

Repórter Leonardo Meira: Além da reforma trabalhista, o governo também já enviou ao Congresso uma proposta de reforma da previdência para garantir o pagamento das aposentadorias no futuro. Para 2017, o orçamento prevê um corte que foi aprovado pela Câmara e pelo Senado para controlar os gastos públicos, medidas que de acordo com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, permitem reduzir a inflação e acelerar a queda na taxa de juros.

 

Presidente do Banco Central - Ilan Goldfajn: Uma vez que as projeções estão no lugar, uma vez que a inflação tá caindo, a política monetária pode intensificar o processo de flexibilização. Então nesse sentido, a perseverança na busca da meta de inflação e o caminho certo das políticas econômicas abriu um espaço para alterar o ritmo da flexibilização da política monetária.

 

Repórter Leonardo Meira: Para o presidente no Brasil do banco que promove a conferência, José Olympio Pereira, o governo precisa levar adiante as mudanças necessárias para o país.

 

Presidente de Banco - José Olympio Pereira: Ao conseguir implementá-las até 2018, o governo estará entregando ao seu sucessor um Brasil em condições melhor do que recebeu.

 

Repórter Leonardo Meira: Participam do encontro investidores brasileiros e estrangeiros e mais de cem empresas listadas nas maiores bolsas de valores da América Latina. Reportagem: Leonardo Meira.

 

Nazi: E por falar em investimentos de países da América Latina, o governo também atua para ampliar negócios com a Argentina.

 

Gláucia: Hoje, durante a terceira reunião da Comissão Bilateral de Produção e Comércio, os dois países assumiram um compromisso para melhorar os fluxos de negócios.

 

Repórter Natália Koslyk: Os países fazem parceria para mapear a eficiência do comércio bilateral e reduzir prazos e custos. Para isso terão investimento de 250 mil dólares do Banco Interamericano de Desenvolvimento. A terceira reunião da Comissão Bilateral reuniu as delegações brasileira e argentina nos últimos dois dias. O secretário de Comércio Exterior do MDIC, Abrão Neto, explica a importância estratégica da Argentina para o Brasil.

 

Secretário de Comércio Exterior do MDIC - Abrão Neto: Foram tratados sobre facilitação de comércio, desburocratizar o comércio bilateral, reduzir custos e aumentar a competitividade em ambos os países.

 

Repórter Natália Koslyk: Os dois países também querem fortalecer o Mercosul e estreitar o diálogo do bloco com a União Europeia, Associação Europeia de Livre Comércio, EFTA, Japão, Canadá, e países da bacia do pacífico. A próxima reunião da comissão acontece em abril deste ano em Buenos Aires. Reportagem: Natália Koslyk.

 

Nazi: Como a gente já ouviu hoje do presidente Michel Temer, fazer a economia voltar a crescer e gerar empregos é a meta do governo.

 

Gláucia: Para discutir como, empresários, trabalhadores e especialistas em diversos setores estão reunidos em Brasília para darem contribuições, conselhos.

 

Nazi: Eles fazem parte do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, mais conhecido como Conselhão. É um espaço de diálogo entre a sociedade e o governo. As reuniões de trabalho seguem até amanhã.

 

Repórter João Pedro Neto: É a primeira rodada das reuniões do grupo de trabalho do Conselhão desde que ele foi reativado pelo presidente Michel Temer em novembro do ano passado. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, participou da abertura das reuniões. Em entrevista exclusiva à Voz do Brasil, destacou o papel de assessoria do conselho e disse que o foco do governo é retomar a geração de empregos no país.

 

Ministro da Casa Civil - Eliseu Padilha: Nesse momento o que mais o Brasil precisa é gerar empregos. Então levei para a consideração dos membros do conselho que eles vão trazer sugestões com vistas a nós vencermos a nossa grande problemática conjuntural, que é a geração de empregos. A informação que se tem é que parou já a queda, quer dizer, o desemprego está começando a ceder, mas nós temos que não só cuidar do desemprego, mas também do emprego.

 

Repórter João Pedro Neto: São cinco grupos de trabalho para o primeiro semestre desse ano: agronegócio, educação básica, ambiente de negócios, produtividade e competitividade, e desburocratização e modernização do estado. Os conselheiros estão elaborando uma lista com recomendações para cada uma dessas cinco áreas. Segundo a secretária do conselho, Patrícia Audi, a ideia é fazer com que essas sugestões sejam levadas ao presidente Michel Temer já na próxima reunião do grupo em março.

 

Secretária do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social - Patrícia Audi: Entendendo que essas são as prioridades que foram escolhidas pelo conselho para que o governo possa estar tratando, aceitando, conhecendo e transformando em políticas públicas a partir desse entendimento.

 

Repórter João Pedro Neto: Com o novo formato, o Conselhão foi renovado em cerca de 70% pelo presidente Michel Temer no final do ano passado, quando indicou novos membros. O presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, que participa do grupo sobre ambiente de negócios, disse que diversas propostas concretas podem sair dessas discussões.

 

Presidente do Itaú Unibanco - Roberto Setubal: No nosso grupo de trabalho, nós temos discutido questões como complexidade do sistema tributário, que tem vários impostos. E também entendemos que a intermediação financeira nos parece também um tema no sentido de melhorarmos, reduzirmos o custo final do dinheiro e ampliarmos a oferta de crédito.

 

Repórter João Pedro Neto: Os conselheiros são de diversos setores da sociedade, como empresários, pesquisadores e artistas. Reportagem: João Pedro Neto.

 

Gláucia: Os micro e pequenos empresários foram os que mais conseguiram crédito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, no ano passado.

 

Nazi: O banco divulgou hoje um balanço do ano.

 

Repórter Natália Melo: Mais de 88 bilhões e 300 milhões de reais foram desembolsados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES, para projetos de investimento em 2016, uma queda de 35% em relação a 2015. Mesmo neste cenário, cresceu o financiamento para as empresas de menor porte, como explica o superintendente da Área de Planejamento e Pesquisa do BNDES, Fábio Giambiagi.

 

Superintendente da Área de Planejamento e Pesquisa do BNDES - Fábio Giambiagi: Emergencialmente em 2016 nós entendemos que em alguns casos, mais importante do que, por exemplo, investimento, era dar condições para as empresas de enfrentarem uma situação emergencial, que elas precisavam de capital de giro.

 

Repórter Natália Melo: Para este ano, a perspectiva de desembolso do banco é mais favorável do que em 2016, como avalia o superintendente do BNDES, Fábio Giambiagi.

 

Superintendente da Área de Planejamento e Pesquisa do BNDES - Fábio Giambiagi: Há uma esperança razoável de que a se manter o movimento de continuidade da queda do endividamento das famílias, agora reforçado pelo movimento de queda dos juros, e dessa forma as famílias liberem recursos para voltar mais às compras e estimular a economia.

 

Repórter Natália Melo: Em 2016, também se destacaram os desembolsos para financiamento às exportações do setor de material de transporte, como fabricação e montagem de automóveis, embarcações e aeronaves. Reportagem: Natália Melo.

 

Gláucia: E com a aprovação no ano passado do teto para os gastos públicos, onde o governo busca gastar só o que arrecada, o Ministério do Planejamento informou hoje que vai fazer um corte de quase 4 bilhões e 700 milhões de reais no orçamento deste ano.

 

Nazi: Isso é necessário porque a despesa que o governo fez no ano passado e que serve de base para o teto de gastos desse ano ficou abaixo da projeção que está no orçamento aprovado pelo congresso.

 

Gláucia: Por isso o limite de gastos também será menor. Esse orçamento havia sido aprovado antes da nova regra do teto de gastos entrar em vigor.

 

Nazi: O limite autorizado pelo teto de gastos para este ano é de quase um trilhão e 302 bilhões de reais.

 

Gláucia: 19 horas, 11 minutos no horário brasileiro de verão.

 

Nazi: Depois de cruzar dados e suspender benefícios de quem não precisa, o governo conseguiu zerar a lista de espera do Bolsa Família.

 

Gláucia: Daqui a pouquinho a gente vai falar dessa novidade. O objetivo agora é trabalhar para que essa fila não volte a crescer.

 

Nazi: A cadeia pública Raimundo Vidal Pessoa em Manaus, onde quatro detentos morreram numa rebelião dia 8 janeiro, passou hoje por uma varredura.

 

Gláucia: O objetivo era verificar a presença de celulares, armas, drogas, e outros itens proibidos nas prisões.

 

Nazi: O mesmo trabalho já foi realizado no presídio Montecristo em Roraima, onde 33 detentos foram mortos durante rebelião também em janeiro.

 

Gláucia: O ministro da Defesa, Raul Jungman, foi a Manaus acompanhar o trabalho e falou sobre a atuação das Forças Armadas nessa tarefa.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungman: Essa é a segunda varredura que nós estamos fazendo. Lembrando sempre que as Forças Armadas não mantém, nem manterão qualquer contato com os presos, não participarão da disposição local da transferência, seja o que for desses presos, a nossa preocupação é com as instalações, ou seja, é exatamente com a realização da varredura.

 

Nazi: Também em Manaus o ministro Raul Jungman participou de uma reunião com o ministro da Defesa da Colômbia, Luiz Carlos Villegas, e com os comandantes das Forças Armadas dos dois países.

 

Gláucia: Na reunião foram discutidas questões relacionadas à segurança na fronteira. Raul Jungman explicou os acordos que foram fechados entre os países.

 

Ministro da Defesa - Raul Jungman: Nós acordamos que temos que ter uma integração na área de inteligência, desde os postos de fronteira, até o mais alto nível, em termos ministeriais. Completamos também essa agenda com a questão da imigração. Hoje, nós temos uma preocupação comum com a imigração. Não com aquela imigração que fazem parte dos nossos acordos internacionais, mas infelizmente de uma imigração que muitas vezes utiliza o imigrante como alguém que vai fazer o transporte de ilícitos, como é o caso das drogas e de armas, por exemplo.

 

Nazi: E defensores públicos da União vão fazer mutirões para agilizar processos de presos pelo Brasil.

 

Gláucia: Um acordo está sendo assinado agora no Ministério da Justiça. E é para lá que nós vamos com o repórter Nei Pereira que tem mais informações ao vivo. Boa noite, Nei.

 

Repórter Nei Pereira (ao vivo): Boa noite, Glaucia. Boa noite, Nazi e ouvintes da Voz do Brasil. O Ministério da Justiça e Cidadania, e a Defensoria Pública da União assinam um acordo de cooperação técnica para promover ações de defensoria pública nas prisões brasileiras. A iniciativa integra o Plano Nacional de Segurança. Participam dessa assinatura o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, o defensor público da União, Carlos Eduardo Barbosa Paz, e o presidente do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais, Ricardo Batista Souza. O evento começou agora há pouco aqui no gabinete do ministro da Justiça e Cidadania. O acordo terá dois anos de duração e a ideia é fazer um pente fino na situação dos presos brasileiros. A ação vai começar por Manaus no Amazonas, onde um grupo de defensores públicos viaja na próxima segunda-feira para fazer uma avaliação de cinco mil e 600 presos da região metropolitana de Manaus. Ao vivo, Nei Pereira.

 

Nazi: E é bom lembrar que esse plano vai começar a ser implantado nessa semana nas cidades de Natal, Rio Grande do Norte, e Aracaju, no Sergipe.

 

Gláucia: Nessa quinta e sexta-feira, o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, estará nessas cidades para dar início a esses projetos.

 

Nazi: O Plano Nacional de Segurança é uma proposta de parceria entre o Governo Federal e os governos estaduais para o enfrentamento da criminalidade.

 

Gláucia: As ações previstas estão baseadas em ações de inteligência conjunta. Mapas que serão atualizados em tempo real vão marcar os locais onde ocorrem mais crimes em cada uma dessas cidades.

 

Nazi: Inscrições para mais de 214 mil bolsas do Prouni foram abertas hoje.

 

Gláucia: É a oportunidade de fazer um curso superior em uma faculdade particular com bolsa integral. Ou de ter metade da mensalidade paga com bolsa parcial.

 

Nazi: E a seleção é feita a partir do desempenho no ENEM.

 

Repórter Jéssica do Amaral: Para ajudar estudantes como a Ane Beatriz de Lima Oliveira, de 17 anos, com dificuldade em pagar uma universidade particular, estão em aberto as inscrições para mais de 214 mil bolsas para faculdades particulares do Prouni, o Programa Universidade para Todos.

 

Estudante - Ane Beatriz de Lima Oliveira: Então, assim, vai ser a chance para quem não tem as condições de pagar e não conseguiu vaga no SISU.

 

Repórter Jéssica do Amaral: Pode participar do Prouni o estudante que ainda não tem diploma de curso superior e fez no mínimo 450 pontos no ENEM, e comprovar renda familiar de até um salário mínimo e meio para bolsa integral e de até 3 salários mínimos para parcial. Também podem participar pessoas com deficiência e professores da rede pública. E assim o sonho da Ane Oliveira de se tornar fisioterapeuta está mais vivo do que nunca.

 

Estudante - Ane Beatriz de Lima Oliveira: Para poder ajudar as pessoas.

 

Repórter Jéssica do Amaral: Como que você descobriu que você amava essa profissão?

 

Estudante - Ane Beatriz de Lima Oliveira: Quando eu precisei dela. Aí eu fui atrás, fui saber tudo, como funcionava para estudar e para se formar.

 

Repórter Jéssica do Amaral: As inscrições vão até 3 de fevereiro na página do programa na internet. O endereço é siteprouni.mec.gov.br. Reportagem: Jéssica do Amaral.

 

Gláucia: Os estudantes que não foram selecionados para uma universidade pública na primeira chamada do SISU ainda têm mais uma chance, podem participar da lista de espera.

 

Nazi: Para isso é preciso acessar a página do SISU na internet até o dia dez de fevereiro e registrar interesse na vaga. O endereço é sisu.mec.gov.br.

 

Gláucia: Os resultados vão ser publicados pelas próprias universidades a partir de 16 de fevereiro.

 

Nazi: Pela primeira vez desde que foi lançado, o governo conseguiu zerar a fila de quem precisa do Bolsa Família.

 

Gláucia: É, mas isso só foi possível depois de cortar benefícios de gente que não necessitava da ajuda e mesmo assim recebia os recursos.

 

Nazi: Em entrevista exclusiva à Voz do Brasil, o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, explicou à repórter Gabriela Noronha como o governo vai fazer para que essa fila não volte a crescer.

 

Repórter Gabriela Noronha: O ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, contou que o Ministério usou mais de dez bases de cruzamento de dados para descobrir pessoas que não necessitam, e mesmo assim recebiam o benefício. O ministro me explicou que o objetivo do governo é ampliar esse banco de dados e deixar o mínimo possível de pessoas na fila aguardando o benefício.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Nós conseguimos fazer por um controle maior, cruzando o maior número de dados, tirar uma parcela das pessoas que não precisavam e estavam no programa para colocar os que precisavam e que não estavam no programa. É uma questão de justiça social, inclusive. E todo mundo que se cadastrar para o Bolsa Família, inclusive, em dois, três meses no máximo está dentro do programa.

 

Repórter Gabriela Noronha: O ministro Osmar Terra disse ainda à Voz do Brasil que o governo vai fortalecer o programa em 2017. Entre as medidas, ele anunciou o investimento na primeira infância com o programa Criança Feliz. Ele anunciou também que jovens e adultos vão receber incentivos para abrir o próprio negócio.

 

Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra: Nós também estamos criando programas para dar oportunidade a essas famílias de terem renda, terem emprego, capacitação profissional, de microcrédito, para fazerem pequenos empreendimentos para terem uma renda maior.

 

Repórter Gabriela Noronha: A revisão abriu espaços para novas famílias, como de Fabíola Oliveira, moradora de Ceilândia, periferia de Brasília, Mãe de três filhos pequenos, ela está desempregada. Conta que faz bicos de faxineira para pagar o aluguel. Os 180 reais do Bolsa Família ela agora usa para comprar comida.

 

Entrevistada - Fabíola Oliveira: O dinheiro do Bolsa Família é para comprar leite para os meninos, que roupa não dá pra comprar, porque é caro. Só os mantimentos mesmo.

 

Repórter Gabriela Noronha: O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário cancelou 469 mil benefícios e bloqueou 654 mil. Reportagem: Gabriela Noronha.

 

Nazi: 19 e 20 no horário brasileiro de verão.

 

Gláucia: Ontem nós mostramos aqui na Voz do Brasil que o país abriga o maior parque ecológico das Américas. É o parque da Serra da Capivara no Piauí.

 

Nazi: E hoje você vai conhecer um pouco mais desse patrimônio arqueológico mundial.

 

Gláucia: O Governo Federal tem planos para melhorar a gestão do parque para atrair ainda mais turistas para a região.

 

Repórter Taíssa Dias: Considerado patrimônio mundial pela Unesco, o Parque Nacional da Serra da Capivara é um santuário natural e arqueológico no meio da caatinga, um local de preservação da cultura e meio ambiente, segundo a chefe do parque, Melina de Andrade.

 

Chefe do Parque Nacional da Serra da Capivara - Melina de Andrade: Ele é o maior acervo de pinturas rupestres da América Latina, nós estamos em uma das regiões com maior densidade onças pintadas do nordeste. Diversas espécies de animais só existem dentro do parque, praticamente.

 

Repórter Taíssa Dias: O parque abriga a maior concentração de sítios arqueológicos das Américas. Estão catalogadas na Serra da Capivara mais de 1300 sítios, com vários tipos de vestígios arqueológicos. Só de arte rupestre, desenhos feitos pelo homem pré-histórico, são mais de mil e 100 pinturas no Boqueirão da Pedra Furada. Guias turísticos, como Eliete Silva, credenciados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, o ICMBio, contam aos visitantes as histórias sobre os descobrimentos dos vestígios e as pesquisas realizadas.

 

Guia turístico - Eliete Silva: Na Serra da Capivara, o público maior são excursões de estudantes, e depois no período de férias a gente recebe muitas famílias. Então turismo na região, turista que aparece aqui, cada um vem com seu interesse e aí a gente monta o roteiro conforme o perfil de cada visitante na realidade.

 

Repórter Taíssa Dias: Segundo a legislação brasileira, a proteção dos parques nacionais é competência do ICMBio. No Parque Nacional da Serra da Capivara, o instituto conta historicamente com a parceria da Fundação Museu do Homem Americano, a FUMDHAM, e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan. Agora a gestão vai ser compartilhada. Esses e outros órgãos, como o Ministério da Cultura, passarão a ser oficialmente administradores. O ministro Roberto Freire explica que o objetivo é melhorar os meios de conservação e divulgação desse patrimônio.

 

Ministro da Cultura - Roberto Freire: Você vai ter numa gestão que tem todos esses órgãos responsáveis pelo Parque da Capivara aqui presentes e sabendo das necessidades e atuando para enfrentá-las. Isso é um espetáculo que evidentemente não pode ficar restrito aos que aqui moram. E isso precisa de toda uma infraestrutura.

 

Repórter Taíssa Dias: Além do ICMBio, da FUMDHAM, Iphan e do Ministério da Cultura, vão compor a gestão do Parque Nacional da Serra da Capivara o Ministério do Meio Ambiente, o Instituto Brasileiro de Museus, Ibram, o Banco Nacional do Desenvolvimento, BNDES, e o Governo do Estado do Piauí. De São Raimundo Nonato no Piauí, Taíssa Dias.

 

Nazi: No dia mundial de luta contra a hanseníase, celebrado hoje, o Ministério da Saúde mostra uma redução de 24% no número de novos casos diagnosticados no Brasil.

 

Gláucia: A redução, segundo o Ministério, é resultado de ações para o enfrentamento da doença com foco na busca ativa de casos novos para o diagnóstico na fase inicial.

 

Nazi: O governo também ampliou o tratamento e prevenção de incapacidades e deformidades físicas, principal causa de preconceito associado à doença.

 

Gláucia: A hanseníase é uma doença crônica transmissível causada por uma bactéria. A transmissão se dá por uma pessoa doente sem tratamento para outra após um contato.

 

Nazi: A doença que atinge pele e nervos não tem cura. Se não diagnosticada e tratada precocemente, pode causar deformidades físicas.

 

Gláucia: Passa a ser obrigatório aos municípios brasileiros com mais de 2 mil imóveis fazer um levantamento de infestação por Aedes Aegypti.

 

Nazi: Até agora esse levantamento era feito a partir da adesão voluntária de cada cidade. A medida pretende reforçar as ações de prevenção e controle do mosquito.

 

Gláucia: As informações coletadas mostram os lugares em que as larvas foram encontradas. E assim, é possível priorizar as medidas mais adequadas para o controle do Aedes Aegypti no município.

 

Nazi: E essas foram as notícias do Governo Federal.

 

Gláucia: Uma realização da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

 

Nazi: Com produção da Empresa Brasil de Comunicação.

 

Gláucia: Fique agora com as notícias do Poder Judiciário e do Congresso Nacional. Boa noite.

 

Nazi: Boa noite para você e até amanhã.