03/03 - Universidade do Paraná desenvolve leite materno em pó

Pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá, no Paraná, conseguiram transformar o leite materno in natura em leite em pó. A novidade poderá aumentar o tempo de utilização do leite materno, que sofre perdas durante o transporte para doação, e depois de descongelado em banho-maria, precisa ser consumido em até 24 horas.

audio/mpeg 02-03-20 - BEATRIZ EVARISTO - EMBARGO C&T - LEITE HUMANO EM PÓ - com vinhetas.mp3 — 3226 KB

Duração: 3m13s




Transcrição

Até chegar a um bebê prematuro ou de baixo peso, o leite materno percorre um longo caminho desde a coleta até uma UTI neonatal.

A maior parte do tempo é mantido congelado para não estragar. Só passa por descongelamento para pasteurização e consumo. Ainda que os Bancos de Leite recebam as doações, o tempo de utilização desse produto é curto. Durante o transporte, pode haver perdas e, depois de descongelado em banho-maria, o leite precisa ser consumido em 24 horas.

Para evitar desperdício, uma pesquisa desenvolvida na Universidade Estadual de Maringá, no Paraná, encontrou uma solução e transformou o leite materno in natura em leite em pó como explica a doutoranda em Ciência de Alimentos, Vanessa Javera.

Após ser transformado em pó, o produto tem validade de um ano e pode ser guardado em temperatura ambiente. De acordo com a pesquisadora Vanessa Javera, as propriedades nutricionais também são preservadas durante o processo.

O leite humano em pó ainda pode alcançar outro público. A pesquisadora acredita que a nova tecnologia também possa ajudar as mães que precisam voltar ao trabalho antes de completar o período de seis meses de amamentação exclusiva.

O produto final ainda vai passar pela fase de testes na rotina hospitalar. O que falta agora é investimento para que a pesquisa possa sair do laboratório e fazer parte da vida de mães e crianças que dependem da doação de leite materno.