31/03 - Vacinação vai além da criação de anticorpos

A imunologista Ana Maria Caetano de Faria, da Sociedade Brasileira de Imunologia, esclarece algumas dúvidas, começando pelo que é uma vacina. Acompanhe mais informações sobre o assunto nesta reportagem especial de Beatriz Evaristo.

audio/mpeg 30-03-20 - BEATRIZ EVARISTO - C e T - VACINAS ESCLARECIMENTOS - RA - 4m10s.mp3 — 4073 KB

Duração: 4m10s




Transcrição

A primeira vacina usada no mundo foi desenvolvida para proteger as pessoas contra a varíola no século XVII. Na época da descoberta, muita gente duvidou, teve medo, não quis ser imunizada contra a doença. O tempo mostrou que a vacinação dava certo, mesmo que tivesse que ser repetida.

 

Já no século XX, o avanço na ciência permitiu a produção de vacinas com vírus inativos que evitaram que milhares de crianças fossem vítimas da poliomielite e de tantas outras doenças.


Mas, agora, em pleno século XXI, as autoridades em saúde tem identificado que os brasileiros já não se vacinam como antes. Existe até um movimento anti-vacinas, apesar das imunizações terem comprovação científica.


A imunologista Ana Maria Caetano de Faria, da Sociedade Brasileira de Imunologia, esclarece algumas dúvidas, começando pelo que é uma vacina.

A médica que também é professora da Universidade Federal de Minas Gerais e pesquisadora, explica que a vacina vai além da criação de anticorpos.

Ana destaca ainda que a produção de uma vacina passa por um longo e cuidadoso processo de pesquisa. Na última segunda-feira (16), teve início a campanha da vacinação contra H1N1. Ao contrário de outras vacinas, nesse caso, é preciso repetir a imunização todos os anos como explica a doutora Ana Caetano.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, há uma expectativa para a criação de uma vacina que possa proteger as pessoas de Covid-19. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a vacina contra o SARS-Cov 2 deve demorar um ano e meio para ficar pronta.

O Ministério da Saúde antecipou a vacinação contra os vírus mais comuns da gripe por causa da circulação do novo coronavírus no país.

Apesar de não ser eficaz contra esse vírus, vai ajudar a reduzir a procura por serviços de saúde e auxiliar os profissionais na hora do diagnóstico já que os sintomas são parecidos.