Programa Lixão Zero quer fechar mais de 10 lixões existentes em Rondônia

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente deverão ser investidos 12 milhões de reais na iniciativa; Desde o dia 28 de maio, a Operação Verde Brasil 2 vem trabalhando no desmonte de um garimpo ilegal localizado no município de Pontes e Lacerda, no oeste de Mato Grosso; Anvisa publicou, Nota Informativa que trata do desembarque de tripulantes de navios e embarcações.

audio/mpeg 02-06-20 - É NOTICIA EM DOIS MINUTOS - MANHÃ - 2M06S - ADALTO - FINALIZADO.mp3 — 2962 KB

Duração: 2:06s




Transcrição

O Programa Lixão Zero, do Ministério do Meio Ambiente, está lançando um projeto, pela passagem da Semana Nacional do Meio Ambiente, para fechar os mais de 10 lixões existentes em Rondônia até 2022.

O estado deve ser o primeiro da Amazônia Legal 100% livre dos lixões.

De acordo com o ministério, deverão ser investidos 12 milhões de reais na iniciativa.

O projeto foi elaborado a partir do estabelecimento de arranjos regionais e consórcios entre os municípios. 

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Desde a última quinta-feira, dia 28 de maio, a Operação Verde Brasil 2 vem trabalhando no desmonte de um garimpo ilegal localizado no município de Pontes e Lacerda, no oeste de Mato Grosso.

No domingo, dia 31, as ações do Comando Conjunto Barão de Melgaço resultaram na apreensão de diversos equipamentos utilizados nas atividades ligadas a crimes ambientais.

Cinquenta e oito pessoas foram presas. Entre as apreensões estavam: 16 embarcações, uma motocicleta, duas motosserras, 16 maquinários diversos, dez artefatos menores e uma pequena quantidade de ouro e mercúrio.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

A Anvisa publicou, nessa segunda-feira, dia 1º, Nota Informativa que trata do desembarque de tripulantes de navios e embarcações, para a volta de avião ao seu país de origem, nos casos relacionados a questões operacionais ou término do contrato de trabalho. A orientação se deve aos inúmeros casos de navios comerciais e transatlânticos que estão parados nos portos diante da atual situação de pandemia de Covid-19.

De acordo com o documento, para realizar essa operação as agências marítimas e as empresas de navegação devem seguir novo procedimento para repatriação.

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Adalto Gouveia