Banco do Brasil isenta empresas para pagamento de contas no cartão de crédito

A medida é de auxílio a empresas de todo porte, em meio ao enfrentamento da Covid-19; Exportações do setor agropecuário registraram aumento de 17,5% em 2020; AGU obtém na Justiça o bloqueio de bens de ex-servidora do INSS por fraude em benefício.

audio/mpeg 05-05-20 - É NOTÍCIA - EM 2 MINUTOS - TARDE - LUCIANO - 2m06s.mp3 — 1866 KB

Duração: 2m06s




Transcrição

O Banco do Brasil está isentando empresas para pagamento de contas no cartão de crédito. As transações estão disponíveis nos canais digitais e autoatendimento.

 

A medida é de auxílio a empresas de todo porte, em meio ao enfrentamento da Covid-19.

 

A isenção, válida até 31 de julho, pode representar uma economia relevante para mais de 195 mil instituições. Além disso, o governo zerou a cobrança do IOF por 90 dias, o que reduz ainda mais o custo da operação.

 

Outras informações sobre o pagamento de contas com o cartão de crédito para empresas estão disponíveis em bb.com.br/empresas > Cartões.

--------------------------------------------------

As exportações do setor agropecuário registraram aumento de 17,5% no primeiro quadrimestre de 2020, comparando com igual período do ano passado.

 

Houve aumento das exportações para a Ásia, com destaque para a China. Apesar da pandemia do novo coronavírus, o mercado para os produtos agropecuários brasileiros continua trazendo bons resultados para o país.

 

Os produtos que tiveram aumento no período foram: soja, algodão em bruto, madeira em bruto, mel natural e especiarias. Diferentemente do quadro mundial, o Brasil manteve sua balança praticamente estável.

--------------------------------------------------

AGU obtém na Justiça o bloqueio de bens de ex-servidora do INSS por fraude em benefício.

 

Foram bloqueados R$312 mil em bens da ex-técnica de seguro social, após apuração interna da autarquia descobrir que ela tinha concedido um benefício de aposentadoria por idade de forma irregular à mãe de um ex-namorado.

 

De acordo com a Advocacia-Geral, a conduta só não gerou danos efetivos aos cofres públicos por ter sido descoberta a tempo, o que não retira e nem diminui a responsabilidade da ex-servidora, que agiu de forma deliberada com intuito de fraudar os cofres da previdência social.

 

 

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Luciano Barroso.