Ministério autoriza novo defensivo contra a ferrugem asiática da soja

E mais: MEC lança curso de aperfeiçoamento para diretores de escolas da Educação Básica; Anvisa alerta para proibição da produção e venda do produto “50 Ervas Emagrecedor”.

audio/mpeg 07-02-22 - É MOTÍCIA EM 2 MINUTOS - LANA CRISTINA.mp3 — 2061 KB

Duração: 2m11s




Transcrição

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento autorizou o registro de um defensivo agrícola com ingrediente ativo novo, de combate à ferrugem asiática da soja, umas das mais severas doenças que afetam a cultura do grão. O produto é feito à base do Impirfluxam, recentemente aprovado no Brasil.

Além dele, foram aprovados também os registros de cinco defensivos de baixo impacto ou de base biológica. Quatro deles são destinados à agricultura orgânica, para o controle da mosca-branca, pulgões, do percevejo-marrom da soja; do fungo conhecido como ‘oídio’, e da mosca-branca. Também considerado de baixo impacto, foi aprovado um defensivo de combate o temido mofo-branco.

As autorizações foram publicadas nesta segunda-feira, no Diário Oficial da União.

------

O Ministério da Educação lançou um curso de aperfeiçoamento em gestão escolar, voltado para diretores da rede pública da Educação Básica.

A capacitação é gratuita, tem 80 horas de duração e pode ser acessada pela plataforma de aprendizagem virtual Avamec.

Dentre os temas estão: a importância dos indicadores educacionais, as avaliações realizadas no Brasil, além de liderança, relações interpessoais e mediação de conflitos.

------

A Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, fez um alerta sobre os produtos com a marca "50 Ervas Emagrecedor" e declarou que eles estão proibidos no país desde 2020, por não serem regularizados como medicamentos.

Além disso, segundo a agência reguladora, o 50 Ervas Emagrecedor não pode ser classificado como alimento, ou suplemento alimentar, por conter, dentre os ingredientes, produtos não autorizados como o chapéu-de-couro, a cavalinha, o sene e a centelha asiática.

Essas espécies vegetais têm autorização para uso somente em medicamentos, como fitoterápicos, e não em suplementos alimentares.

Qualquer produto com propriedades terapêuticas, com a promessa de emagrecimento, só pode ser comercializado no Brasil com o aval da Anvisa, e em farmácias ou drogarias.

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Lana Cristina