MDR entrega 464 novas moradias populares em São Paulo e Minas Gerais

Cerca de duas mil pessoas com baixa renda estão recebendo seus imóveis do PMCMV; Leitor de tela é um dos recursos de acessibilidade do Enem 2020 que pode ser solicitado até o próximo dia 22 de maio; CGU apura irregularidades em contratação emergencial pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

audio/mpeg 18-05-20 - É NOTÍCIA EM DOIS MINUTOS - LUCIANO - TARDE - 2m03s.mp3 — 1815 KB

Duração: 2m03s




Transcrição

O Ministério do Desenvolvimento Regional vai entregar nesta semana, 464 novas moradias populares em São Paulo e Minas Gerais.

 

Cerca de duas mil pessoas com baixa renda nos municípios de São Paulo e Conquista, em Minas Gerais estão recebendo seus imóveis do Programa Minha Casa, Minha Vida.

 

As novas moradias vão beneficiar famílias com rendimento mensal de até R$1,8 mil.

 

São unidades de 50 metros quadrados com dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço.

-----------------------------------------------------------------

Leitor de tela é um dos recursos de acessibilidade que podem ser solicitados até o próximo dia 22 de maio.

 

Os participantes com cegueira, surdocegueira, baixa visão ou visão monocular têm mais esse recurso à disposição para fazer o Enem 2020.

 

O aplicativo converte a prova em voz, de todos os elementos em texto que aparecem na tela do computador.

 

O recurso permite ao participante navegar pela prova com mais autonomia, ler a prova na ordem que desejar, repetir a leitura quantas vezes considerar necessário ou retomar uma questão no ponto que escolher.

--------------------------------------------------------

A CGU está apurarando irregularidades em contratação emergencial, via dispensa de licitação, pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

 

As irregularidades estão relacionadas a processo iniciado em razão da pandemia de Covid-19, para contratação de aproximadamente 200 leitos no hospital de campanha, construído no Estádio Nacional Mané Garrincha.

 

O valor do contrato firmado é de aproximadamente R$79 milhões. A suspeita é que a empresa contratada tenha se aproveitado da situação de calamidade para, com a participação de servidores públicos, burlar as regras legais e firmar contrato com a Secretaria de Saúde causando prejuízo aos cofres públicos.

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Luciano Barroso.