Campanha Nacional de Multivacinação tem como meta vacinar 11 milhões de crianças até 30 de outubro

O Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, oferece, atualmente, 18 vacinas para crianças e adolescentes, incluindo a cobertura de diversas doenças como sarampo, febre amarela, rubéola, caxumba, hepatites A e B; Anunciado processo licitatório para construção do ramal do Apodi/Salgado que levará águas do Rio São Francisco para CE,PB e RN; Dois dos principais grãos da agricultura nacional – soja e milho – terão a alíquota do imposto de importação zerada a fim de manter o equilíbrio na oferta desses produtos no mercado doméstico.

audio/mpeg 19-10-20 - É NOTÍCIA EM 2 MINUTOS - 2M14S - FINALIZADO.mp3 — 3155 KB

Duração: 2:14s




Transcrição

A campanha Nacional de Multivacinação segue até o dia 30 de outubro para atualizar as vacinas.

 

A meta é imunizar 11 milhões de crianças de um ano a menor de cinco anos de idade contra a poliomielite, além de atualizar a caderneta dos menores de 15 anos em todo o país, até o fim da campanha.


O Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, oferece, atualmente, 18 vacinas para crianças e adolescentes, incluindo a cobertura de diversas doenças como sarampo, febre amarela, rubéola, caxumba, hepatites A e B.


Xxxxxxxxxxxxxxx

 

A abertura do processo licitatório para a construção do ramal do Apodi/ Salgado, que levará as águas do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco para municípios do Ceará, da Paraíba e do Rio Grande do Norte, foi anunciada na última sexta-feira, 16, pelo ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho.

 

O empreendimento está orçado em quase 2 bilhões de reais. Nesta primeira etapa, será realizada a licitação para contratação de empresa que executará as obras civis.

 

A previsão é que a estrutura seja construída em quatro anos a partir da assinatura da ordem de serviço. Ao todo, 750 mil pessoas em 48 cidades serão beneficiadas


xxxxxxxxxxxxxxxxx

Dois dos principais grãos da agricultura nacional – soja e milho – terão a alíquota do imposto de importação zerada a fim de manter o equilíbrio na oferta desses produtos no mercado doméstico.

 


A decisão foi tomada pelo Comitê-Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) nessa sexta-feira (16), durante reunião extraordinária, a partir de propostas apresentadas pelos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (sobre a soja) e da Economia (sobre o milho).


A suspensão temporária do imposto de importação para soja (grão, farelo e óleo de soja) valerá até 15 de janeiro de 2021. Já em relação ao milho, as importações brasileiras sem pagamento de imposto irão até 31 de março de 2021.


Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Dilson Santa Fé