Instituições federais de educação profissional e tecnológica ganham incentivo para investir em energia sustentável

Os recursos da ordem de R$60 milhões vão para aquisição e instalação de usinas fotovoltaicas, em institutos federais, centros de educação tecnológica e um colégio no Rio de Janeiro; Novos resultados de amostras de pescado capturado na costa do Nordeste revelam níveis baixos de HPA; Obras de mobilidade em 14 municípios recebem recursos do FGTS.

audio/mpeg 20-11-19 - E NOTICIAS EM 2 MINUTOS - MARIA VILHENA - TARDE - 2m09s.mp3 — 2380 KB

Duração: 2m09s




Transcrição

As instituições federais de educação profissional e tecnológica de todo o país vão ganhar um incentivo para investir em energia sustentável.

Os recursos da ordem de 60 milhões de reais vão para aquisição e instalação de 852 usinas fotovoltaicas, em 38 institutos federais, dois centros de educação tecnológica e o Colégio Pedro Segundo, no Rio de Janeiro.

A proposta deve gerar uma economia de 17 milhões de reais, anualmente, com contas de energia elétrica.

Cada placa solar gera, em média, 30 mega watss hora por ano. A economia com energia elétrica é em torno de 20 mil reais, pra cada instituição.

Somente em 2018, as instituições gastaram 168 milhões de reais com energia elétrica.

---------------------------------------------------------------------

Novos resultados de amostras de pescado capturado na costa do Nordeste, afetada pelas manchas de óleo, revelam níveis baixos de HPA - Hidrocarbonetos Policíclicos Aromáticos.

No total, já foram analisadas 20 amostras de pescado. Os valores de HPAs encontrados em todas as amostras testadas estão abaixo dos níveis de preocupação definidos pela Anvisa, ou seja, não representam riscos para o consumo humano.

Os exames foram realizados em amostras de peixes coletadas em estabelecimentos sob Inspeção Federal nos estados da Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

-------------------------------------------------------------------------

Obras de mobilidade em 14 municípios dos estados do Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, vão receber 66 milhões de reais por meio do Programa Avançar Cidades.

Os recursos atendem localidades com até 250 mil habitantes. Neste ano, centro e trinta e duas cidades já tiveram acesso a 984 milhões de reais.

Os recursos disponibilizados para o Avançar Cidades – Mobilidade Urbana são oriundos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Maria Vilhena.