Aumenta incidência de coronavírus em amostras de água em bacias de Minas

Em 50% das amostras colhidas na bacia do Ribeirão Arrudas e em 69% das amostras na bacia do Ribeirão do Onça, continha o coronavírus; União e Norte Energia devem liberar R$6 milhões, para o enfrentamento à Covid-19 na região do Xingu, no Pará; Caged apresenta o maior saldo negativo de postos de trabalho com carteira assinada para o mês de abril.

audio/mpeg 27-05-20 - É NOTICIA EM DOIS MINUTOS - TARDE - 2m10s - LUCIANO.mp3 — 1935 KB

Duração: 2m10s




Transcrição

Aumenta incidência de coronavírus em amostras analisadas na segunda quinzena da pesquisa, em bacias na região de Belo Horizonte e Contagem, Minas Gerais.

 

Em 50% das amostras colhidas na bacia do Ribeirão Arrudas e em 69% das amostras na bacia do Ribeirão do Onça, continha o coronavírus.

 

O resultado é do projeto-piloto Monitoramento Covid Esgotos e embora ainda não seja conclusivo, sugere tendência de aumento da circulação do vírus nas diferentes regiões estudadas.

 

Este é o segundo boletim de acompanhamento do projeto. A previsão é de que serão examinados mais 24 pontos de coleta.

----------------------------------------------------------

A Justiça Federal determinou que a União e a empresa responsável pela hidrelétrica de Belo Monte devem liberar R$6 milhões, para o enfrentamento à Covid-19 na região do Xingu, no Pará.

 

Os recursos são de um plano que é o principal instrumento do governo federal e da Norte Energia para gerenciar e aplicar recursos na região impactada pela obra.

 

Criado há dez anos com um aporte de 500 milhões de reais, o plano ainda tem cerca de 215 milhões em caixa, mas o governo federal suspendeu os repasses em 2019, após ter desconstituído o comitê gestor.

 

Por fim, a Justiça obrigou a União a fiscalizar a aplicação dos recursos, e o Estado do Pará terá que prestar informações a tribunais de contas e à União nos prazos previstos em lei.

-------------------------------------------------------------

Nos primeiros quatro meses do ano, houve quatro milhões, 999 mil e 981 admissões e cinco milhões, 763 mil e 213 demissões no país.

 

Os dados são do Novo Caged, Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, divulgados nesta quarta-feira (27).

 

Em abril do ano passado, o Caged teve saldo positivo de postos de trabalho com carteira assinada. Já em 2020, as contratações ficaram bem abaixo do número de desligamentos.

 

Os estados com o pior desempenho foram São Paulo, seguido de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

 

Apesar de tudo, o Programa Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda preservou mais de oito milhões de empregos no país.

 

Da Rede Nacional de Rádio em Brasília, Luciano Barroso.