Governo prevê fibra ótica para 5 mil e 500 cidades até 2024

O decreto que prevê o Plano Geral de Metas de Universalização PGMU 5 do setor de telecomunicações foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro nessa quarta-feira (27) e é válido para o período de 2021 a 2025; Cerca de 196 mil pessoas recebem nesta quinta-feira (28) auxílio emergencial que será pago pela Caixa Econômica Federal; A suspensão da prova de vida anual de servidores federais aposentados, pensionistas e anistiados políticos civis foi prorrogada novamente.

audio/mpeg 28-01-20 - É NOTÍCIA EM 2 MINUTOS - 2m09s - DILSON SANTA FÉ - FINALIZADO.mp3 — 3042 KB

Duração: 2:09s




Transcrição

O decreto que estabelece o novo Plano Geral de Metas de Universalização PGMU 5 do setor de telecomunicações, válido para o período de 2021 a 2025, foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro nessa quarta-feira (27). A informação foi dada pela Secretaria Geral da Presidência da República.

 A grande novidade do novo plano é a obrigação de que concessionárias de telefonia fixa invistam na implantação de redes de fibra ótica, o chamado backhaul, em 1,5 mil municípios brasileiros que ainda não possuem essa estrutura.

 O backhaul são redes de alta capacidade e velocidade que permitirão a conexão de localidades à rede nacional de telecomunicações, estas chamadas de backbone, por onde trafegam os dados de internet.

De acordo com o governo, se a nova meta for cumprida, a estimativa é de que a cobertura de internet por fibra ótica alcance cerca 5,5 mil cidades, equivalente a 99% dos municípios brasileiros até 2024.

 -------

Cerca de 196 mil pessoas recebem nesta quinta-feira (28) auxílio emergencial que será pago pela Caixa Econômica Federal .

A operação foi autorizada pelo Ministério da Cidadania após análise de contestações e revisões decorrentes de atualizações de dados governamentais.

Para esse pagamento, não há calendário de acordo com o mês de nascimento. Todos os beneficiários receberão, de uma só vez, todas as parcelas a que têm direito.

------- 

A suspensão da prova de vida anual de servidores federais aposentados, pensionistas e anistiados políticos civis foi prorrogada novamente.

O prazo terminaria no próximo dia 31 de janeiro, mas foi estendido até o dia 31 de março pelo INSS.

Desde o dia 18 de março de 2020, os servidores públicos federais aposentados, bem como os pensionistas e os anistiados, que recebem seus proventos ou benefícios pelo Regime Próprio de Previdência Social, não estão obrigados a fazer o recadastramento anual.

Essa é uma das medidas de proteção adotadas pelo governo federal para o enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus.

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Dilson Santa Fé