Presidente Bolsonaro assina MP elevando o salário mínimo para R$1.100 a partir de 1º de janeiro

O valor é aplicável a todos os trabalhadores, do setor público e privado, e também para as aposentadorias e pensões; Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) lançou nessa terça-feira, 29, o Programa Fronteira Integrada; beneficiários do Bolsa Família ganharam um prazo de até 270 dias , ampliado pelo governo, para sacarem os recursos já depositados do programa social e do auxílio emergencial residual.

audio/mpeg 31-12-2020_É NOTÍCIA EM 2 MINUTOS MANHÃ.mp3 — 1630 KB

Duração: 1:44s




Transcrição

A partir de primeiro de janeiro o salário mínimo será elevado a 1 mil e 100 reais. O anúncio foi feito nessa quinta-feira, 30, pelo presidente Jair Bolsonaro, em redes sociais, após assinar uma medida provisória. O valor atual é de 1 mil e 45 reais.

 

De acordo com o presidente Bolsonaro, o valor de 1 mil e 100 reais se refere ao salário mínimo nacional. O valor é aplicável a todos os trabalhadores, do setor público e privado, e também para as aposentadorias e pensões.

xxxxxxxxxxxxxx

 

Com o objetivo de tentar reduzir as desigualdades econômicas e sociais e fortalecer o desenvolvimento de cidades localizadas na faixa de fronteira, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) lançou nessa terça-feira, 29, o Programa Fronteira Integrada. O programa entra em vigor a partir da próxima terça-feira 5.

 

A meta do governo é criar oportunidades de desenvolvimento que gerem renda, crescimento econômico e melhoria da infraestrutura urbana das cidades que se localizam em uma área de 150 quilômetros de largura ao longo das fronteiras terrestres brasileiras.

 

Xxxxxxxxxxx

 

Os beneficiários do Bolsa Família ganharam um prazo de até 270 dias , ampliado pelo governo, para sacarem os recursos já depositados do programa social e do auxílio emergencial residual.

 

De acordo com o texto, a legislação prevê que o prazo de saque do programa pode ser ampliado em municípios com declaração de situação de emergência, como é o caso da pandemia de covid-19.

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Dilson Santa Fé