Onze cidades terão novas eleições após cassação das chapas dos prefeitos e vices das eleições de 2016

De acordo com o calendário do TSE, as novas eleições vão ocorrer no dia 7 de Julho e 4 de Agosto e no dia 1º de setembro, haverá eleição suplementar na cidade de Riachão do Dantas em Sergipe.

audio/mpeg 02-07-19 - NELSON LIN - ELEIÇÕES SUPLEMENTARES - EDITADA - 1m55s.mp3 — 1326 KB

Duração: 1m55s




Transcrição

 Onze cidades terão novas eleições após decisões finais do TSE de cassar as chapas dos prefeitos e vices das eleições de 2016. A maioria dos casos ocorreu por abuso de poder econômico ou político, como é o caso de Paraty, em que a chapa foi cassada após constatarem que o então prefeito, que tentava se reeleger, concedeu casas de um programa habitacional a um mês da eleição ou no caso de Brasileira, no Piauí, em que a chapa, que também tentava reeleição, utilizou ônibus escolares municipais para transportar eleitores da zona rural aos seus comícios, além de utilizarem verbas da prefeitura para custear advogados eleitorais.

De acordo com o calendário do TSE, terão novas eleições no dia 07 de Julho, as cidades do estado de Minas Gerais: Elói Mendes, que tem 27 mil habitantes, Nova Porteirinha, com 7 mil e 300 habitantes, e Aguanil com 4 mil habitantes. Assim como Candeias do Jamari, de Rondônia com 19 mil habitantes e Palmares do Sul, do Rio Grande do Sul, que tem 11 mil habitantes. 

No dia 4 de Agosto, será a vez das cidades do estado de São Paulo, Floreal e Meridiano, ambos com 3 mil habitantes cada, da cidade de Paraty, no Rio de Janeiro, com 39 mil habitantes, de Brasileira, no Piauí, que tem 7 mil e 900 habitantes, além de Itabirito, em Minas Gerais que tem 51 mil habitantes. No dia 1º de setembro haverá eleição suplementar na cidade de Riachão do Dantas em Sergipe.

Com a cassação determinada pelos tribunais regionais eleitorais de cada estado, quem assume até a nova posse são os presidentes da Câmara de vereadores de cada município. O prefeito e vice eleitos nessas novas eleições suplementares cumprirão mandato até 31 de dezembro de 2020, uma vez que os eleitos nas eleições de 2020 tomam posse em 1º de janeiro de 2021.

Reportagem: Nelson Lin