Ministério da Saúde incentiva a doação de sangue antes da imunização

A pandemia do novo coronavírus reduziu o número de doadores que procuram os hemocentros do país. Além disso, o ministério lembra que a pessoa, ao ser vacinada, não pode doar sangue durante um certo período.

audio/mpeg 03-02-2021_BOLETIM_DOAÇÃO DE SANGUE.mp3 — 2022 KB

Duração: 1m26s




Transcrição

O Ministério da Saúde incentiva os brasileiros a doar sangue antes de serem imunizados.

Segundo o ministério, quando uma pessoa recebe uma vacina, ela não pode doar sangue durante um período. 

O prazo deve ser levado em conta porque o micro-organismo da imunização, ainda que na forma atenuada, ainda circula por um período determinado no sangue do doador. 

Em caso de pacientes com o sistema imunológico baixo que precisam de transfusão de sangue, há um risco de o receptor desenvolver a doença para a qual o doador foi vacinado. 

A vacina contra a Covid-19 produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac funciona com vírus inativado, de modo que é preciso esperar 48 horas após cada dose da vacina para estar apto a doar sangue.

Já para quem recebeu o imunizante da AstraZeneca/Oxford, produzido no Brasil pela Fiocruz, esse prazo é de sete dias após cada dose. 

A pandemia causou queda na doação de sangue. Com menos pessoas em circulação nas ruas, o Ministério da Saúde registrou redução no número de doadores nos hemocentros que, em 2020, variou entre 15% e 20%. 

Além disso, o primeiro mês do ano é considerado período de férias, quando também é esperada redução nos estoques de sangue.