MS: abastecimento de oxigênio no Amazonas está equalizado

Com as ações implementadas, o consumo médio diário de 80 mil metros cúbicos de oxigênio na rede hospitalar do Amazonas está coberto, com sobra aproximada de 8 mil metros cúbicos.

audio/mpeg 03-02-2021_BOLETIM_OXIGÊNIO.mp3 — 2072 KB

Duração: 1m28s




Transcrição

O Ministério da Saúde informa que a situação do abastecimento de oxigênio no Amazonas está equalizada. 

Para restabelecer o fornecimento do produto ao estado, o Ministério da Saúde definiu um fluxo contínuo de chegada de oxigênio por carretas vindas do Sul e Sudeste do Brasil, e também do Maranhão, além de entregas do gás pela Força Aérea Brasileira (FAB), com apoio do Ministério da Defesa.

Com as ações implementadas, o consumo médio diário de 80 mil metros cúbicos de oxigênio na rede hospitalar do Amazonas está coberto, com sobra aproximada de 8 mil metros cúbicos.

Com a estabilização do abastecimento de oxigênio, o Ministério da Saúde orienta esforços agora para ampliar a oferta de leitos e sanar as filas de espera. 

Nessa primeira fase, a previsão é de abertura de mais 150 leitos clínicos e 50 UTIs.

Paralelamente, a pasta trabalha em parceria com o Ministério da Defesa e o governo estadual para viabilizar a transferência de pacientes para tratamento em outros hospitais do país, com o objetivo de desafogar a rede. Até agora, já foram feitas mais de 430 transferências.

Os pacientes são acomodados em leitos de hospitais universitários, disponibilizados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares e pelos governos dos estados acolhedores.