Maioria dos estados brasileiros encerrou no dia 31 de maio a primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa

Alguns estados decidiram prorrogar a vacinação dos animais

audio/mpeg 03-06-19 - ROSAMELIA - VACINAÇÃO AFTOSA - VAL 08-06.mp3 — 1799 KB

Duração: 1m55s




Transcrição

 

A maioria dos estados brasileiros encerrou no dia 31 de maio a primeira etapa de 2019 da campanha de vacinação contra a febre aftosa.

Alguns estados decidiram prorrogar a vacinação dos animais: os pecuaristas do Piauí, Maranhão e Pará vão poder vacinar os bovinos e bubalinos até 15 de junho, por conta de adversidades climáticas e problemas sanitários com a Peste Suína Clássica, caso específico do Piauí.

Já o estado do Amazonas vai estender a imunização até 7 de junho.

Em todo o país a previsão é de que sejam vacinados 218 milhões de bovinos e bubalinos. No mesmo período de 2018 foram vacinados 198 milhões.

 

Os produtores deverão procurar a unidade veterinária local para comprovar a vacinação em até 15 dias, conforme norma de cada estado, evitando a aplicação de penalidades previstas em lei.

Segundo diversos relatos de produtores, os animais apresentaram menos reações no local da aplicação como caroços, inflamações ou irritações com a vacina de 2 ml, o que se justifica em parte pela ausência da substância saponina na composição da nova vacina.

 

As vacinas antigas na dosagem de 5 ml foram utilizadas somente no estado de Rondônia, após autorização do ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e conforme acordado entre o estado e os fabricantes do produto.