Polícia Federal deflagra na manhã desta quarta-feira a Operação "Narcobroker"

Objetivo é desarticular financeiramente uma organização criminosa especializada no tráfico de cocaína para a Europa

audio/mpeg 04-11-2020_BOLETIM_OPERAÇÃO NARCOBROKER.mp3 — 1682 KB

Duração: 1m38s




Transcrição

 

A Polícia Federal, em ação conjunta com a Receita Federal, deflagrou na manhã desta quarta-feira a Operação *Narcobroker.

 

O objetivo é desarticular financeiramente uma organização criminosa especializada no envio de cocaína para a Europa.

 

 

Cerca de 150 policiais federais cumprem 39 mandados judiciais, sendo 9 de prisão preventiva, 2 de prisão temporária e 28 de busca e apreensão no Paraná. 

 

 

Auditores da Receita Federal do Brasil também participam das buscas.

Prosseguindo no objetivo de desarticulação patrimonial do crime organizado, estão sendo sequestrados mais de 40 milhões de reais em bens do narcotráfico. São  dezenas de imóveis e veículos de luxo. 

 

Somente uma das casas que teve o sequestro determinado pela Justiça Federal em Curitiba foi comprada pelo chefe da organização criminosa por aproximadamente R$ 6 milhões de reais. 

 

 

A Justiça Federal em Curitiba também determinou o bloqueio de contas de 68 pessoas físicas e jurídicas que, segundo as investigações, tiveram movimentação suspeita de aproximadamente 1 bilhão de reais entre os anos de 2018 a 2020. 

 

 

As investigações da Polícia Federal foram iniciadas em 2019 e apontam que os integrantes da organização criminosa utilizavam empresas fantasmas e de fachada para comprar mercadorias de origem orgânica, visando dificultar a atuação dos órgãos de fiscalização e segurança. 

 

As mercadorias eram acondicionadas em contêineres que também ocultavam centenas de quilos de cocaína enviados à Europa.

 

O objetivo é desarticular financeiramente uma organização criminosa especializada no envio de cocaína para a Europa.

 

 

Cerca de 150 policiais federais cumprem 39 mandados judiciais, sendo 9 de prisão preventiva, 2 de prisão temporária e 28 de busca e apreensão no Paraná. 

 

 

Auditores da Receita Federal do Brasil também participam das buscas.

Prosseguindo no objetivo de desarticulação patrimonial do crime organizado, estão sendo sequestrados mais de 40 milhões de reais em bens do narcotráfico. São  dezenas de imóveis e veículos de luxo. 

 

Somente uma das casas que teve o sequestro determinado pela Justiça Federal em Curitiba foi comprada pelo chefe da organização criminosa por aproximadamente R$ 6 milhões de reais. 

 

 

A Justiça Federal em Curitiba também determinou o bloqueio de contas de 68 pessoas físicas e jurídicas que, segundo as investigações, tiveram movimentação suspeita de aproximadamente 1 bilhão de reais entre os anos de 2018 a 2020. 

 

 

As investigações da Polícia Federal foram iniciadas em 2019 e apontam que os integrantes da organização criminosa utilizavam empresas fantasmas e de fachada para comprar mercadorias de origem orgânica, visando dificultar a atuação dos órgãos de fiscalização e segurança. 

 

As mercadorias eram acondicionadas em contêineres que também ocultavam centenas de quilos de cocaína enviados à Europa.