Embrapa envia sementes para maior banco do mundo na Noruega

O envio dessas sementes, segundo Celso Moretti, presidente da Embrapa, dá visibilidade ao Brasil no cenário internacional, e é um esforço adicional de conservação, que se soma ao Banco Genético da Embrapa, conservado em Brasília e que é considerado o quinto maior do mundo.

audio/mpeg 10-01-20 - DILSON SANTA FE - EMBRAPA NORUEGA.mp3 — 2508 KB

Duração: 2:40s




Transcrição

 

Nesta sexta-feira, a Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, vai enviar para a Noruega 3 MIL 438 materiais genéticos que fazem parte do seu acervo para compor o maior banco mundial de sementes do mundo.

 

É o banco de Svalbard, situado na cidade de Longyearbyen (LONGUI E ARBEN).

 

Criado para funcionar como uma cópia de segurança para conservação a longo prazo das sementes de bancos de germoplasma de todo o planeta, Svalbad está situado no interior de uma montanha e foi planejado para resistir a catástrofes climáticas e explosões nucleares.

 

Por isso, o banco nórdico é considerado o mais seguro em termos físicos e ambientais.

 

Serão 3 MIL E 37 acessos de arroz, 87 de milho, 119 de cebola, 132 de pimentas Capsicum e 63 Cucurbitáceas, que são as abóboras, morangas, melão, pepino, maxixe, quino e melancia.

 

Esses espécimes serão mantidas a uma temperatura de 18 graus negativos.

 

Acessos são amostras de sementes representativas de diferentes populações de uma mesma espécie.

 

O clima glacial do Ártico assegura baixas temperaturas mesmo se houver falha no fornecimento de energia elétrica. E, com a baixa umidade, é possível garantir uma atividade metabólica menor, o que garante a viabilidade das sementes por séculos.

 

O envio dessas sementes, segundo Celso Moretti, presidente da Embrapa, dá visibilidade ao Brasil no cenário internacional, e é um esforço adicional de conservação, que se soma ao Banco Genético da Embrapa, conservado em Brasília e que é considerado o quinto maior do mundo.

 

O material enviado foi recolhido em bancos de germoplasma mantidos pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, que fica em Brasília; a Embrapa Arroz e Feijão, de Santo Antônio de Goiás; a Embrapa Milho e Sorgo, de Sete Lagoas, em Minas Gerais; a Embrapa Clima Temperado, que fica em Pelotas, Rio Grande do Sul; e a Embrapa Hortaliças, também em Brasília.

 

Em 2014, foram enviados pela Embrapa 514 acessos de feijão e em 2012, 264 de milho e 541 de arroz. A iniciativa é decorrente do acordo assinado entre a Embrapa e o Real Ministério de Agricultura e Alimentação da Noruega, em 2008.

 

 

Da Rede Nacional de Rádio, em Brasília, Dilson Santa-Fé