Pará possui o maior banco de material genético do cacau do mundo

Mais de 53 mil espécies de cacau coletadas ao longo de vários anos são preservadas vivas na Estação de Recursos Genéticos do Cacau José Haroldo, na cidade paraense de Marituba

audio/mpeg 11-07-19 - ROSAMELIA - PARA CACAU - ATE 11-07.mp3 — 1419 KB

Duração: 1m30s




Transcrição

O Pará possui o maior banco de material genético de cacau do mundo.

 

Mais de 53 mil espécies de cacau coletadas ao longo de vários anos são preservadas vivas na Estação de Recursos Genéticos do Cacau José Haroldo, na cidade paraense de Marituba.

 

Tudo começou em 1960 , ano que marcou o avanço de um movimento científico formado por pesquisadores brasileiros e estrangeiros de exploração na Amazônia brasileira.

 

No interior do Pará, Amazonas, Amapá, Acre e Rondônia, um grupo de geneticistas entrou na floresta em busca de plantas originais do fruto de ouro da época: o cacau.

 

O material coletado nas missões foi levado para uma área EMBRAPA, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, no Pará.

 

Na década de 70 foi transferida para uma unidade de Serviços Experimentais da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira - ceplac, em Belém, cidade posicionada em local estratégico para formar a base física do trabalho científico que se formava em torno da cultura do cacau.