Cartilha orienta famílias sobre bullying e como combatê-lo

Publicação do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos explica como essa prática ocorre e o que fazer quando a criança é vítima de agressões

audio/mpeg 13-10-21 - É NOTÍCIA - CARTILHA BULLYING.mp3 — 1489 KB

Duração: 1m31s




Transcrição

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou uma cartilha que orienta pais, responsáveis e familiares para combater o bullying.

Essa prática acontece quando a vítima sofre agressões ou é intimidada por uma ou mais pessoas, de forma intencional e repetida.

A cartilha do Ministério da Mulher traz informações para a prevenção contra a bullying nas escolas.

O documento explica os diversos tipos de ofensas, entre elas insultar, fazer deboches, chamar a criança com apelidos que ofendem, provocar, humilhar, excluir ou desprezar.

O bullying também pode ocorrer com agressões físicas, como bater, chutar, empurrar – e agressões sexuais, entre elas assediar, insinuar e abusar. Os agressões também utilizar as redes sociais e outros meios virtuais para fazer chantagens e expor a intimidade da vítima.

Se seu filho perdeu a vontade de ir pra escola, tem dificuldade para aprender, sente ódio da escola ou dos colegas, ou chegou em casa sem algum pertence, ou com machucados e chorando, fique atento e converse com ele. Falar abertamente é o primeiro passo para resolver o problema.

A cartilha de combate ao bullying produzida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos está disponível gratuitamente em gov.br/mdh