Forte de Coimbra, no Mato Grosso do Sul, será restaurado

O trabalho é uma iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e terá um custo de R$ 385 mil reais

audio/mpeg 15-07-2020_BOLETIM_FORTE COIMBRA.mp3 — 2816 KB

Duração: 1m59s




Transcrição

O Forte de Coimbra, localizado no pantanal sul-mato-grossense, vai receber projetos de melhorias visando manter o bom funcionamento do patrimônio. 

 

 

A iniciativa do Iphan , Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional , no Mato Grosso do Sul, terá um aporte de aproximadamente R$ 385 mil reais será elaborada por empresa especializada, contratada por meio de licitação e terá todo o processo de execução acompanhado pelo Instituto.

 

A restauração prevê a readequação dos espaços internos e do uso do forte para visitações, assim como trabalhos na rede de reservatórios de água e nas instalações elétricas. 

 

 

O Exército Brasileiro, responsável pela edificação, terá participação ativa nas discussões do projeto que deve ser entregue no prazo de dez meses.

 

 

O Forte de Coimbra, construído no século Dezoito, foi cenário de diversas batalhas entre portugueses e espanhóis. 

 

Durante a Guerra do Paraguai , de 1864 a 1870, teve papel importante nas batalhas travadas, sendo fundamental para a consolidação da fronteira oeste do Brasil.

 

 

Toda sua peculiaridade fez com que a edificação militar integrasse o conjunto de fortes brasileiros candidatos a Patrimônio Mundial. 

 

O reconhecimento nacional veio em 1974, quando foi registrado como o primeiro forte tombado pelo Iphan no território do Mato Grosso do Sul.

 

Sucessivamente atacado por guaicurus no final do século Dezoito, por espanhóis em 1801,  e por paraguaios em 1864, o Forte de Coimbra passou por diversas recomposições e adaptações, até uma última reforma pelo Exército em 1908. 

 

O Forte tem como atrações visita à parte alta da construção, de onde se observa o rio Paraguai ao lado de antigos canhões, além do passeio à vila de moradores e à gruta Buraco do Soturno.