Termina hoje a Semana das Doenças Crônicas não Transmissíveis

O evento, que termina nesta quinta-feira (16), tem apresentado o atual cenário das doenças e agravos não transmissíveis no país.

audio/mpeg 16-09-21 - E NOTICIA DILSON - DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.mp3 — 1457 KB

Duração: 1m33s




Transcrição

O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde, deu início à Semana das Doenças Crônicas não Transmissíveis.

O evento, que termina nesta quinta-feira (16), tem apresentado o atual cenário das doenças e agravos não transmissíveis no país.

O objetivo é apresentar propostas de integração e engajamento para contribuir com a efetivação das metas regionais e globais, definidas por meio de ações inovadoras desenvolvidas pelo governo federal em parceria com a sociedade civil.

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, participou da abertura do evento e fez um panorama da situação desses agravos no Brasil.

Segundo ele, as doenças crônicas não transmissíveis matam cerca de 41 milhões de pessoas a cada ano, o equivalente a 71% de todas as mortes no mundo. Cerca de 77% dessas mortes ocorrem em países de baixa e média renda. 

Por isso, destaca Medeiros, é essencial que os órgãos competentes tenham um olhar de entendimento sobre essas doenças buscando uma lógica de uma vigilância eficaz, com foco no fortalecimento da Atenção Primária.

No encontro, também foi lançado o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos Não Transmissíveis no Brasil 2021-2030.

O plano será uma importante ferramenta para determinar as melhores ações e políticas de saúde para essas doenças, além de renovar o compromisso do governo com o tema até o final da próxima década.

Da Rede Nacional de Rádio em Brasília