MS lança nova versão da Caderneta da Criança

A partir de março, documento começará a ser enviado para os estados e o Distrito Federal.

audio/mpeg 17-01-2021_BOLETIM_CADERNETA DE VACINAÇÃO.mp3 — 3144 KB

Duração: 2m14s




Transcrição

A versão impressa da 3ª edição da Caderneta da Criança chegará aos estados e ao Distrito Federal a partir de março. 

 

 

A remessa a ser enviada será de aproximadamente 10 milhões de cadernetas para todo o País. 

 

A Caderneta da Criança é o instrumento que auxilia no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. E todo cidadão tem direito a receber um exemplar assim que nasce.

 

 

Na caderneta, constam os marcos de desenvolvimento neuropsicomotor,  afetivo, cognitivo e linguagem para acompanhamento dos profissionais que atendem a criança. 

 

 

Assim como nas versões anteriores, no documento  serão registradas  as vacinas para proteção da saúde da criança. Há ainda informações sobre aleitamento materno, alimentação saudável, prevenção de acidentes e educação sem uso de castigos físicos, informações sobre direitos dos pais e da criança, alertas sobre o uso de aparelhos eletrônicos e orientações para o estímulo ao desenvolvimento infantil com afeto, buscando fortalecer o papel da família no cuidado.

 

O material contém espaços para registro de informações sobre Programas de Assistência Social, educação e vida escolar, para os registros das consultas de rotina e gráficos de crescimento visando  o acompanhamento de crianças nascidas prematuras.

 

 

A novidade desta edição é a inclusão do instrumento Checklist M-CHART-R/F. Essa escala auxilia na identificação de pacientes com idade entre 16 e 30 meses com possível Transtorno do Espectro Autista.

 

 

O instrumento é de rápida aplicação, pode ser utilizado por qualquer profissional da saúde, e deve ser respondido pelos pais ou cuidadores durante a consulta. A avaliação é obrigatória para crianças em consultas pediátricas de acompanhamento realizadas pelo Sistema Único de Saúde, conforme legislação de 2017.

 

Na Caderneta, a orientação é que seja aplicado pela Atenção Primária durante a consulta dos 18 meses ou antecipadamente em caso de suspeita de atraso do desenvolvimento infantil.

 

Da Rede Nacional de Rádio em Brasília