MJSP inicia pesquisa sobre furtos e roubos não comunicados às polícias

Levantamento faz parte da Pnad Contínua, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, realizada pelo IBGE, que começou no último dia 10 de outubro.

audio/mpeg 18-10-21 - E NOTICIA - DILSON - PESQUISA FURTOS E ROUBOS.mp3 — 2343 KB

Duração: 2m30s




Transcrição

O ministério da Justiça e Segurança Pública iniciou pesquisa sobre furtos e roubos que não foram comunicados aos órgãos oficiais de polícia e informações sobre sensação de segurança para auxiliar na elaboração de políticas públicas.

 

O levantamento faz parte da Pnad Contínua, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, realizada pelo IBGE, que começou no último dia 10 de outubro.

 

A inserção do caderno “Pesquisa Nacional de Vitimização” foi possível por meio de um acordo assinado entre o Ministério da Justiça e Segurança Pública e o IBGE, Instituto Brasileiro De Geografia e Estatística.

 

A inclusão dos módulos “Furtos e Roubos” e “Sensação de Segurança” têm como principais objetivos captar diretamente com o cidadão informações desses crimes que não foram comunicados aos órgãos oficiais de polícia e a produção de informações quanto à percepção sobre a sensação de segurança, exposição ao risco e interação da população com as forças de segurança pública.

 

Dessa forma, a PNAD Contínua poderá oferecer a “taxa obscura”, que mostra a diferença entre o número de crimes relatados e os não relatados à polícia. Além disso, por meio do módulo de “Furtos e Roubos”, será possível traçar um perfil das vítimas desses crimes nos últimos 12 meses no Brasil, sob o ponto de vista socioeconômico, e identificar o que os moradores têm feito em seus domicílios para se protegerem da violência e da criminalidade.

 

Já no módulo “Sensação de Segurança”, as informações coletadas vão  permitir a criação de indicadores abrangentes, que possam identificar serviços existentes, tais como iluminação pública, parques ou quadra de esporte, transporte público, policiamento,  o grau de segurança em lugares e horários diversos e as mudanças de rotina por conta da insegurança. 

 

 

Também será possível medir o grau de confiança da população em relação às instituições encarregadas, direta ou indiretamente, da segurança pública.

 

Ao final da coleta, será produzido um relatório que subsidiará o Ministério da Justiça e Segurança Pública na promoção de políticas públicas de prevenção e repressão aos temas abordados durante a pesquisa.

 

A Secretaria de Gestão e Ensino em Segurança Pública é responsável por coordenar a ação que deve ser finalizada no segundo semestre de 2022.

 

Para este projeto, o IBGE conta com cerca de 2 mil agentes de coleta que estão realizando entrevistas em 210 mil lares em todo o país.

 

Da Rede Nacional de Rádio em Brasília