MS divulga nova orientação sobre vacinação de gestantes

Recomendação é de que as mulheres que tomaram a primeira dose da vacina Covid-19 da AstraZeneca/Oxford, produzida no Brasil pela Fiocruz, aguardem o fim da gestação, até 45 dias após o parto, para completar o esquema vacinal com o mesmo imunizante.

audio/mpeg 20-05-2021_BOLETIM_VACINAÇÃO GESTANTES.mp3 — 2512 KB

Duração: 1m47s




Transcrição

O Ministério da Saúde recomenda que as gestantes e as mulheres que acabaram de dar à luz  - incluindo as sem fatores de risco adicionais - que tomaram a primeira dose da vacina Covid-19 da AstraZeneca/Oxford, produzida no Brasil pela Fiocruz, aguardem o fim da gestação, até 45 dias após o parto, para completar o esquema vacinal com o mesmo imunizante.

A orientação é do Programa Nacional de Imunizações, após a suspensão temporária do uso do imunizante para esse público, por recomendação da Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária.


Até o dia 10 de maio, mais de 15 mil grávidas foram vacinadas com o imunizante da AstraZeneca no país. A suspensão ocorreu em função de um evento adverso grave registrado no Rio de Janeiro com possível relação com a vacina.

Gestantes e puérperas que já receberam a vacina da AstraZeneca/Oxford/Fiocruz devem procurar atendimento médico imediato caso apresentem, nos 4 a 28 dias seguintes à vacinação, algum desses sintomas: falta de ar; dor no peito; inchaço na perna; dor abdominal persistente; sintomas neurológicos, como dor de cabeça persistente e de forte intensidade, dificuldade na fala ou sonolência; ou pequenas manchas avermelhadas na pele ou no local em que foi aplicada a vacina.

O Ministério da Saúde destaca que o benefício das vacinas em gestantes e puérperas se mantém favorável, considerando que o risco de morte por Covid-19 no Brasil foi 20 vezes superior ao risco de ocorrência de tromboses, em 2021.

Outras informações no site saude.gov.br.

Da Rede Nacional de Rádio em Brasília