Anvisa divulga orientação sobre testes para avaliar vacinas

Agência divulgou nota sobre o interesse das pessoas vacinadas em conhecer o estado imunológico contra o novo coronavírus para saber se a vacina será efetiva diante de uma possível infecção.

audio/mpeg 22-07-2022_ BOLETIM_ANVISA - ESTADO IMUNOLÓGICO.mp3 — 3591 KB

Duração: 2m33s




Transcrição

A Anvisa divulgou nota sobre o interesse das pessoas vacinadas em conhecer o estado imunológico contra o novo coronavírus para saber se a vacina será efetiva diante de uma possível infecção.

 

 

Para responder a essas dúvidas e inquietações, a Anvisa elaborou a Nota Técnica divulgada em março.  

 

 

A agência esclarece que não existe hoje uma definição sobre a quantidade mínima de anticorpos neutralizantes para conferir proteção imunológica contra infecções, reinfecções e formas graves da Covid-19. 

 

 

Também não se sabe quanto tempo dura a ação dessas moléculas. Em outras palavras: os testes sorológicos não provam se o imunizante recebido funcionará. 

 

 

Apenas uma parte dos anticorpos tem capacidade para agir contra o vírus e impedir a infecção de novas células. 

 

Esses anticorpos são chamados de neutralizantes e, portanto, desenvolvem respostas à infecção viral ou à vacinação. 

 

 

Para assegurar a proteção ao vírus, é preciso que sejam desenvolvidos estudos específicos que definam o número necessário de anticorpos, o tempo ativo deles no organismo etc. A ciência, neste momento, não dispõe dessas informações. 

 

 

Os anticorpos são as estruturas mais faladas nesses tempos de Covid-19, mas o sistema de defesa dos indivíduos é formado por uma estrutura variada em que há outros fatores em jogo. Existe, por exemplo, a imunidade inata, que é a primeira resposta do organismo a uma infecção, além da imunidade celular.  

 

Trata-se, portanto, de uma engrenagem complexa, que não depende apenas dos anticorpos. 

 

 

Isso não diminui a importância das vacinas e da imunização em massa. Muito pelo contrário. Os resultados dos ensaios clínicos, baseados em rígidos protocolos e analisados pela Anvisa antes de aprovar o uso emergencial das vacinas, são as melhores e mais importantes informações para afirmar se o imunizante, de fato, funciona. 

 

 

Além disso, há os resultados positivos na redução no número de infectados infectados em países onde a imunização está adiantada. 

 

 

Na ausência desses dados sobre anticorpos, é fundamental que mais pessoas sejam vacinadas, e no menor prazo possível, para o controle da pandemia.  

 

 

A Anvisa e outras autoridades da área da saúde recomendam que, independentemente do resultado de um teste sorológico, as pessoas continuem seguindo as orientações sobre distanciamento social, uso de máscara e higienização das mãos.  

 

 

Da Rede Nacional de Rádio em Brasília