Nesta segunda-feira é celebrado o “Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres”

Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos promove uma série de encontros técnicos e ações educativas para marcar a mobilização internacional conhecida como “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”.

audio/mpeg 25-11-19 - MARIA VILHENA - VIOLENCIA CONTRA MULHERES.mp3 — 3220 KB

Duração: 2m17s




Transcrição

 

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos promove uma série de encontros técnicos e ações educativas para marcar a mobilização internacional conhecida como “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”.

Nesta terça-feira, (26) a Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres vai promover o Workshop “O papel da Casa da Mulher Brasileira na redução do número de feminicídios”.

A ação visa aperfeiçoar o monitoramento da política de enfrentamento à violência contra as mulheres e coletar informações oriundas das experiências das coordenadoras das casas existentes.

Nos dias 2 e 3 de dezembro, a Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres vai reunir representantes dos organismos governamentais de todo o país para discutir o feminicídio e políticas públicas.

A programação segue para Maceió, Alagoas, onde serão realizadas a 1ª Conferência Nacional das Patrulhas e Rondas Maria da Penha e a primeira oficina do programa Salve uma Mulher voltada para as marisqueiras, nos dias 5, 6 e 7 de dezembro.

Em nove de dezembro, em Brasília, a temática será “violência contra a mulher na internet”.

Em parceria com a Universidade de Brasília, a Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres vai promover o Seminário “Programando uma nova vida: práticas de prevenção à violência online contra a mulher”.

As ações dos 21 Dias de Ativismo serão encerradas no Palácio do Planalto, com a assinatura de um decreto que institui o Programa “Abrace o Marajó”, cujo foco é o combate à violência contra mulheres e crianças.

Durante todo o período da campanha, as redes sociais da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres vão disponibilizar informações sobre a rede de enfrentamento e explicar questões como feminicídio e o ciclo da violência.

 

Da Rede Nacional de rádio em Brasília, Maria Vilhena.