Coronavac é a estratégia mais eficaz para a dose de reforço

Estudo do Ministério da Saúde em parceria com a Universidade de Oxford, publicado na revista científica The Lancet, mostra que, 28 dias após a dose de reforço, a vacina de RNA mensageiro, da Pfizer, aumenta em cerca de 152 vezes a produção de anticorpos que são capazes de bloquear a entrada do vírus nas células.

audio/mpeg 27-01-22 - DOSE DE REFORÇO PESQUISA.mp3 — 2064 KB

Duração: 1m40s




Transcrição

Um estudo do Ministério da Saúde em parceria com a Universidade de Oxford foi publicado na revista científica The Lancet. 

 

A publicação inglesa mostrou que a combinação de diferentes vacinas contra a Covid-19 , após a vacinação com a Coronavac, é a estratégia mais eficaz para a dose de reforço.

 

A pesquisa mostrou que, 28 dias após a dose de reforço, a vacina de RNA mensageiro, da Pfizer, aumenta em cerca de 152 vezes a produção de anticorpos, que são capazes de bloquear a entrada do vírus nas células. Essa elevação foi cerca de 90 vezes maior com a Astrazeneca e de 77 vezes com a Janssen. Com o reforço realizado com a própria Coronavac, o resultado é de 12 R

Dteou as políticas públicas conduzidas pelo ministério da saúde  para o enfrentamento à pandemia e campanha de vacinação. 

 

O Ministério da Saúde orienta que a dose de reforço seja aplicada preferencialmente com a Pfizer, ou, de maneira alternativa, vacinas de vetor viral como a Janssen ou AstraZeneca. 

 

No Brasil, 1.240 voluntários participaram do estudo em São Paulo e Salvador, dos quais 1.205 permaneceram na pesquisa até a análise final. 

 

 

 

Da Rede Nacional de rádio em Brasilia