FNDE altera normas de segurança alimentar e nutricional da merenda escolar

O objetivo é orientar os cardápios para as creches, retirando açúcar e alimentos ultraprocessados

audio/mpeg 29-05-2020_BOLETIM_ALIMENTAÇÃO ESCOLAR.mp3 — 2014 KB

Duração: 1m25s




Transcrição

O FNDE ,  Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, divulgou nesta quinta-feira, alterações nos aspectos de segurança alimentar e nutricional na legislação do Programa Nacional de Alimentação Escolar.

 

O documento é direcionado aos agentes envolvidos na execução do programa nas secretarias estaduais de educação, prefeituras municipais e rede federal.

 

 

O objetivo é orientar os cardápios para as creches, retirando açúcar e alimentos ultraprocessados. 

 

Diversos estudos apontam o impacto do consumo desses alimentos na saúde e associam o seu consumo à obesidade e outras doenças. Atualmente, mais de 30% das crianças até nove anos de idade no Brasil têm sobrepeso. 

 

A nova legislação também orienta que sejam oferecidas mais porções semanais de frutas e hortaliças, além de  restringir a oferta de enlatados, margarinas e doces. 

 

Fica proibida a utilização de recursos do PNAE para a  aquisição de cereais adoçados, balas, bombons, biscoitos ou bolachas recheadas, temperos com glutamato monossódico ou sais sódicos, maioneses e alimentos em pó.

 

 

As novas medidas devem ser observadas pelos nutricionistas e demais atores envolvidos na gestão do PNAE nos estados e municípios após o período de calamidade pública decretado devido à pandemia da Covid-19.