Auxílio Emergencial ajuda a diminuir taxa de extrema pobreza do Brasil ao menor patamar em 40 anos

A análise é do economista Daniel Duque, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas

audio/mpeg 29-07-20 - ADALTO GOUVEIA AUXÍLIO EMERGENCIAL.mp3 — 1001 KB

Duração: 1m25s




Transcrição

O Auxílio Emergencial pago pelo governo federal durante a pandemia do coronavírus foi responsável por levar a taxa de extrema pobreza do Brasil ao menor patamar em 40 anos.

A análise foi feita pelo economista Daniel Duque, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas.

 A partir das pesquisas de Amostras Domiciliares do IBGE, em especial a Pnad Covid-19, foi possível mensurar que 3,3% da população brasileira, ou sete milhões de pessoas, viviam na extrema pobreza em junho deste ano.


Desde a década de 1980, quando os levantamentos ficaram mais precisos, o menor índice registrado havia sido de 4,2% em 2014.


Para o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, o Auxílio Emergencial atingiu mais de 80% dos domicílios das duas primeiras faixas de renda.

Segundo o ministro, esse percentual mostra que o benefício alcança o objetivo de dar condições de sobrevivência aos mais pobres e que, em pouco tempo, o Governo Federal foi capaz de retirar o maior contingente de pessoas da extrema pobreza da história recente do Brasil.