Governo federal lança edital de licitação para mais uma etapa da Rota Bioceânica

A Rota de Integração Latino Americana é um corredor rodoviário com extensão de 2.396 quilômetros, que vai ligar o Oceano Atlântico aos portos do Chile, passando pelo Paraguai e Argentina

audio/mpeg 30-06-2020_BOLETIM_ROTA BIOCEÂNICA.mp3 — 3060 KB

Duração: 2m10s




Transcrição

O Governo federal lança edital de licitação para mais uma etapa da Rota Bioceânica.

 

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, DNIT,  abriu licitação para contratação de empresa especializada para a elaboração de estudos e projetos de engenharia do trecho Contorno Rodoviário Norte em Porto Murtinho, Mato Grosso do Sul com acesso à Ponte Internacional Brasil/Paraguai e respectivas instalações aduaneiras para o Centro Integrado de Controle de Fronteira na rodovia BR-267.

 

 

O Brasil ficou responsável por fazer o acesso da BR-267 até  a ponte internacional, que tem previsão para ser concluída em 2023 com recursos da Itaipu Paraguai.

 

O objetivo do governo é que este acesso comece a ser construído em 2021. 

 

Os benefícios da obra serão a redução dos custos com o frete e o transporte, a trafegabilidade durante todas as estações do ano, melhoria na logística para o escoamento de bens de consumo, além da integração regional e internacional. 

 

Outro benefício será a possibilidade de desenvolvimento local para as áreas onde o Corredor será implantado, com oportunidades de geração de emprego e renda. 

 

 

A Rota de Integração Latino Americana ,ou Rota Bioceânica, é um corredor rodoviário com extensão de 2.396 quilômetros, que vai ligar o Oceano Atlântico aos portos do Chile, passando pelo Paraguai e Argentina.

 

 

A expectativa é que, com o funcionamento desse corredor , os caminhões levem em média três dias para percorrer os 1.800 km que separam Porto Murtinho, no Brasil , dos Portos do Norte do Chile. 

 

Hoje, os produtos brasileiros precisam seguir para o litoral para serem exportados. O principal destino é o Porto de Santos, que se encontra com a capacidade de operação praticamente saturada. 

 

A estimativa é que, após implementado, o trajeto diminua em até 14 dias o prazo para importação e exportação de produtos para a Ásia e Oceania.