03/02 - Café de Caparaó é reconhecido como Indicação Geográfica

Reconhecimento do produto como IG, na espécie Denominação de Origem (DO) foi dado pelo INPI, Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

audio/mpeg 03-02-21 - MOMENTO AGRO - CAFÉ ARÁBICA - 3m31s.mp3 — 4380 KB

Duração: 3m31s




Transcrição

O café da espécie Coffea arabica da região do Caparaó, localizada na divisa dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, recebeu o registro de Indicação Geográfica. O reconhecimento do produto como IG, na espécie Denominação de Origem (DO) foi dado na terça-feira (2) pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

A área geográfica envolve dez municípios capixabas e seis mineiros. Ao todo, são 16 municípios.

A coordenadora de Indicação Geográfica de Produtos Agropecuários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Débora Gomide Santiago, destacou que o reconhecimento vai agregar valor para o produto e a região.

O trabalho de estruturação da IG para o registro contou com a participação de várias instituições e, principalmente, do engajamento dos produtores. O Mapa foi o responsável pela emissão do Instrumento Oficial, um dos documentos solicitados pelo INPI para o registro. Além disso, desde 2015, vem atuando na estruturação da IG.

O presidente da Associação dos Produtores de Cafés Especiais do Caparaó (Apec), Jorge Araujo Santos, ressaltou a importância do reconhecimento vai trazer benefícios para a região.

Hoje, existem 10 indicações geográficas de cafés registradas no Brasil, sendo sete Indicações de Procedência (IP) e três de Denominações de Origem (DO).

A Indicação Geográfica (IG) é um instrumento de reconhecimento da origem geográfica de um produto ou serviço. Por isso, é conferida a produtos ou serviços que são característicos do seu lugar de origem, que detêm valor intrínseco, identidade própria, o que os distingue dos similares disponíveis no mercado.