06/08 Mapa realiza coletiva virtual sobre ações fiscais realizadas na cervejaria Backer

Em entrevista coletiva virtual nesta quarta-feira (5), o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Glauco Bertoldo, e o coordenador-geral de Vinhos e Bebidas, Carlos Muller, comentaram sobre o relatório final a respeito das ações fiscais realizadas na cervejaria Backer após análises e detecção da presença dos contaminantes monoetilenoglicol (MEG) e dietilenoglicol (DEG) em cervejas produzidas pela marca. O relatório confirma a ocorrência de contaminações desde janeiro de 2019, afastando a possibilidade deste ser um evento isolado no histórico de produção da cervejaria. Além disso, o relatório ressalta que as substâncias MEG e DEG não são produzidas pela levedura cervejeira em condições normais de produção da bebida, como explica Carlos Muller. Carlos Muller disse que as apurações fiscais indicaram que a cervejaria Backer adotou práticas irresponsáveis ao utilizar líquidos refrigerantes tóxicos de forma deliberada em seu estabelecimento. Razão pela qual foram elaboradas novas orientações para fiscalização das cervejarias. De acordo com Glauco Bertoldo, a empresa também possui diversas falhas em seus sistemas de controle e gestão internos, apresentando informações incompletas nos relatórios de produção e controles de rastreabilidade ineficientes. Em razão disso um processo administrativo foi aberto, a cervejaria já foi autuada e ao final do processo poderá ser multada caso seja confirmado a contaminação pelo MEG e DEG e poderá ter a perda do registro. A Cervejaria Backer segue interditada até que seja possível afirmar que não há riscos para a produção de cervejas no loca

audio/mpeg 06-08-2020MOMENTO AGRO Relatório Cervejaria Backer 03M23s FINALIZADO.mp3 — 3169 KB

Duração: 06'34"