Ministra da Agricultura debate cooperação e sustentabilidade na área agrícola com secretário americano

A cooperação entre Brasil e Estados Unidos na área agrícola, com troca de informações baseadas na ciência, e compromissos com a produção sustentável foram temas tratados em reunião, por videoconferência, entre a ministra Tereza Cristina e o Secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Tom Vilsack.

audio/mpeg 07-04-21 - MOMENTO AGRO - REUNIÃO BRA - EUA.mp3 — 2906 KB

Duração: 3m05s




Transcrição

A cooperação entre Brasil e Estados Unidos na área agrícola, com troca de informações baseadas na ciência, e compromissos com a produção sustentável foram temas tratados nesta terça-feira (6), na reunião por videoconferência entre a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina e o Secretário de Agricultura dos Estados Unidos da América, Tom Vilsack.

A ministra lembrou que os dois países têm similaridades, como o fato de serem grandes produtores e exportadores de produtos agrícolas e reafirmou o interesse do Ministério da Agricultura em fortalecer os laços históricos de colaboração com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Ela lembrou que o ano de 2021 deverá ser marcante para a definição do caminho rumo ao desenvolvimento sustentável.

A ministra ressaltou a necessidade de os países do AG-5 (Estados Unidos, Brasil, Canadá, Argentina e México) discutirem questões baseadas na ciência, para desmistificar dúvidas ligadas à agricultura mundial.

O secretário americano também reforçou o compromisso dos Estados Unidos para tratar adequadamente as mudanças climáticas, por meio de pesquisas e inovação. Vilsack também falou sobre a cúpula do clima que está sendo organizada pelo governo dos Estados Unidos, prevista para abril. Ele disse que os Estados Unidos estão preparados para assumir compromissos com o mundo de acordo com o Acordo de Paris sobre como abordaremos o clima.

O presidente Joe Biden preparou uma proposta de infraestrutura bastante ousada para negociação no Congresso e, se aprovada, o secretário acredita que servirá de base de investimentos consideráveis para energia limpa.