19/08 Hortaliças estão mais acessíveis, mas frutas ficaram mais caras segundo Prohort

Os preços das principais hortaliças comercializadas no atacado das Centrais de Abastecimento mais representativas do país caíram em julho, mesmo com o aumento registrado nas vendas. É o que mostra o oitavo Boletim Prohort divulgado nesta terça-feira pela Companhia Nacional de Abastecimento, a Conab. De acordo com o levantamento, o maior volume de produtos ofertado no mercado influenciou a queda nos valores comercializados. Além disso, a retomada da economia em diversos estados do país tem impactado o setor, como ressalta o diretor de Operações e Abastecimento da Conab, Bruno Cordeiro. Já as frutas ficaram, em sua maioria, mais caras na comercialização no atacado. Destaque para a melancia, que teve a maior alta registrada no entreposto em São Paulo, com elevação de 57%. O economista da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo, Flávio Godas, esclarece os motivos desse aumento. Outra importante fruta que ficou mais cara em julho foi o mamão, como explica a gerente de modernização do Mercado Hortigranjeiro da Conab, Joyce Fraga. Essa diferença nos preços comercializados foi sentida pelos agricultores. No entanto, para Ivan Engler, produtor de frutas e hortaliças do Núcleo Rural Rio Preto em Planaltina, na região do Distrito Federal, esta já era uma situação esperada. Outras informações sobre a comercialização das principais frutas e hortaliças no mercado atacadista podem ser acessadas na íntegra do boletim disponível no site da Companhia, em www.conab.gov.br

audio/mpeg 19-08-2020 MOMENTO AGRO Prohort 04M13s FINALIZADO .mp3 — 2990 KB

Duração: 04`13"