5G em área rural vai reduzir custos e aumentar competitividade

Primeira antena em área rural da nova geração da internet foi instalada na fazenda modelo do Instituto Matogrossense de Algodão (IMAmt), em Rondonópolis (MT)

audio/mpeg 5g no campo.mp3 — 3750 KB

Duração: 4m03s




Transcrição

Conectividade no campo: esse é um dos objetivos da conexão 5G no campo, que passa a estar disponível a partir desta terça-feira (11) com a inauguração da primeira antena em área rural dessa nova geração da internet na fazenda modelo do Instituto Matogrossense de Algodão (IMAmt), em Rondonópolis (MT).  

É a partir da conexão em 5G que drones, chips, GPS e equipamentos como tratores poderão entrar em ação e enviar informações sobre comportamento e saúde do animal e manutenção de condições climáticas da lavoura, por exemplo.

Com esse serviço, a digitalização do agronegócio ganha força e reforça o papel do Brasil como protagonista no cenário mundial de produção de alimentos a partir da redução de custos e diminuição de perdas na produção. 

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina destacou que o governo federal trabalha para que a tecnologia 5G chegue a todos os brasileiros.  Instalada pela fabricante Nokia, a antena permite o sinal de internet em alta velocidade a partir de uma transmissão gerada pela própria estrutura. É o chamado 5G “pura” ou standalone, como explica o ministro das Comunicações, Fábio Faria.

O presidente do IMAmt, Paulo Sérgio Aguiar, explicou sobre as vantagens da instalação da antena e do monitoramento remoto.

Já o CEO da Nokia no Brasil, Ailton Santos citou o aumento da demanda por alimentos no mundo, que o Brasil tem condições de atender.

Segundo o ministro das Comunicações, até o fim deste ano serão 20 pilotos de 5G em todo o país, sendo que a expectativa é que todas as capitais brasileiras tenham internet 5G até julho do ano que vem e que todos os brasileiros tenham acesso a internet até 2028.