Goiás gerou 17.990 postos de trabalho em fevereiro de 2021

O estado liderou a geração de empregos formais no Centro-Oeste. O ministro Paulo Guedes e o secretário Bruno Bianco comentaram os resultados. Ouça agora!

audio/mpeg 30-03-21-caged-goias.mp3 — 7296 KB

Duração: 6m42s




Transcrição

O estado de Goiás encerrou fevereiro de 2021 com saldo positivo na geração de empregos formais. Foram criados 17.990 novos postos de trabalho, um aumento de 1,42% em relação a janeiro. O saldo do mês foi resultado de 58.791 admissões e 40.801 desligamentos. Os dados são do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério da Economia nesta terça-feira (30/03).

Setores

Todas as atividades econômicas apresentaram saldo positivo no estado. O setor de serviços foi o grande destaque, com a geração de 7.204 novos postos de trabalho formais. Seguido pela indústria, que criou 4.382 novas vagas de empregos. O terceiro maior crescimento ocorreu no comércio, com a criação de 3.697 postos de trabalho.

Região

Todos os estados da região Centro-Oeste apresentaram saldo positivo, com a criação de 40.077 empregos formais. O destaque é para Goiás, seguido por Mato Grosso, com 11.795 novos postos, e Mato Grosso do Sul, com 7,054. 

Nacional

O país registrou saldo positivo de 401.639 postos de trabalho formal. O resultado de fevereiro decorreu de 1.694.604 admissões e de 1.292.965 desligamentos. O estoque (quantidade total de vínculos celetistas ativos em fevereiro de 2021) contabilizou 40.022.748 vínculos, o que representa uma variação de 1,01% em relação ao estoque do mês anterior.  No acumulado de 2021, o Brasil apresentou saldo de 659.780 empregos, resultante de 3.269.417 admissões e de 2.609.637 desligamentos.

“Os recordes na geração de empregos em janeiro e fevereiro são sinais claros de que a economia está se reativando”, afirmou o ministro Paulo Guedes, destacando ainda que fevereiro é um mês mais curto. O ministro reiterou sua defesa da vacinação em massa como forma de possibilitar um retorno seguro ao trabalho, principalmente para os mais vulneráveis, “os 40 milhões de brasileiros invisíveis” que estão na informalidade. “Esse resultado ratifica o acerto das políticas públicas que estamos adotando”, salientou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, referindo-se às medidas que vêm sendo colocadas em prática pelo governo federal para combater os impactos da pandemia de Covid-19 na economia.