São Paulo lidera geração de empregos formais em março

O estado criou 50.940 novos postos de trabalho, segundo dados do Caged divulgados nesta quarta-feira (28). Os secretários Bruno Dalcolmo e Bruno Bianco comentaram os resultados. Ouça agora!

audio/mpeg caged sp.mp3 — 2365 KB

Duração: 2m23s




Transcrição

São Paulo foi o estado que mais gerou empregos na região Sudeste do país no mês de março de 2021. Foram criados 50.940 novos postos de trabalho. Os dados são do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério da Economia nesta quarta-feira (28/4).

Região

A região Sudeste alcançou o melhor resultado, com a criação de 103.935 empregos formais. O destaque é para o estado de São Paulo, seguido por Minas Gerais, com 35.592 novos postos, e o Rio de Janeiro, com 13.097. O Espírito Santo também registrou saldo positivo, com a geração de mais de 4 mil novas vagas.

Nacional

O saldo do emprego com carteira assinada em março de 2021 ficou positivo em 184.140 postos de trabalho. É o terceiro mês consecutivo de saldo positivo.

O resultado, decorrente de 1.608.007 admissões e 1.423.867 desligamentos, é mais um que reafirma a retomada do crescimento econômico. "Temos excelentes notícias da Economia. Todos os setores criaram empregos e todas as regiões criaram empregos", afirmou o ministro Paulo Guedes.

“O grande destaque é sobre o setor que foi mais golpeado durante a pandemia - o setor de serviço, ressaltou Paulo Guedes, destacando que dos mais de 184 mil empregos gerados, praticamente metade, 95 mil, foram empregos criados por este setor. “O último setor que estava no chão se levantou. A economia brasileira segue criando empregos", disse.

O ministro reiterou sua defesa da vacinação em massa como forma de possibilitar um retorno seguro ao trabalho. “Vamos cuidar da saúde e voltar ao trabalho vacinados”.

De janeiro a março foi registrado saldo de 837.074 empregos, decorrente de 4.940.568 admissões e 4.103.494 desligamentos. O estoque de empregos formais no país chegou a 40.200.042 vínculos empregatícios, o que representa uma variação de 0,46% em relação ao mês anterior.